Fique por dentro! Assine nossa newsletter

03/31/2020
Por
MJV Team

Tempos de mudanças: 5 tendências de negócios para se manter competitivo

Vivemos tempos de incertezas. No mundo corporativo, a dinamicidade do mercado é cada vez maior: economias globalizadas, tecnologias sofisticadas e consumidores exigentes.

E mais algumas variáveis que entram nessa equação, como crises, pandemias, isolamento social. 

Por isso, proprietários de empresas e gestores não podem deixar de prestar atenção às tendências de negócios que surgem nesse contexto. Até porque elas podem ser a resposta para os desafios organizacionais que se impõe com cada vez mais força em nosso cenário corporativo atual. 

Nesse post, você vai conferir as tendências de negócios que precisa ter no radar. Já damos um spoiler: elas estão em alta e prometem ter vindo para ficar. Continue lendo!

5 tendências de negócios para prestar atenção em tempos de incertezas 

1. Trabalho Remoto

O trabalho remoto está mudando o funcionamento do espaço de trabalho global. Em uma tendência que não mostra sinais de desaceleração, essa prática está aumentando rapidamente em todo o mundo.

Cada vez mais, vemos funcionários trabalhando em posições remotas, seja em período integral ou em alguns dias da semana. Inclusive, uma grande porcentagem da força de trabalho busca oportunidades de emprego com horários flexíveis.

Em uma pesquisa global realizada pela Gallup, colaboradores foram questionados se deixariam seus empregos atuais. As respostas corroboram o que afirmamos acima: 

  • 54% sairiam para outro emprego com horários flexíveis 
  • 37% sairiam para outro emprego com opção de trabalho remoto (pelo menos em tempo parcial)

Dessa forma, não resta outra opção para as empresas que não seja abraçar esse desejo crescente. As opções de trabalho flexíveis acabam se tornando até mesmo um diferencial para atrair novos funcionários. 

Dica para as empresas: Aproveitem a redução de custos e o aumento na produtividade que essa prática oferece! 

Estudo do Journal of Business and Psychology observou 273 trabalhadores remotos das áreas de vendas, marketing, contabilidade, engenharia e outros departamentos de uma organização e descobriu que os profissionais cujos empregos eram altamente complexos, mas não exigiam colaboração ou suporte social significativo, tiveram um desempenho melhor ao trabalhar em home office. 

→ Leia também: 6 dicas para uma Gestão de Trabalho Remoto bem sucedida!

2. Práticas Ágeis

As práticas ágeis também são tendências de negócios que não podem ser ignoradas em tempos de incertezas. Elas vêm da chamada Metodologia Ágil (Agile Methodology), surgida no mundo do desenvolvimento de aplicações tecnológicas e, cada dia mais, incorporada por diferentes áreas dentro de organizações de todos os tipos e portes, nos mais diversos segmentos do mercado.

As práticas ágeis são abordagens para acelerar e melhorar a qualidade no desenvolvimento de aplicações. Nos últimos tempos, têm sido empregadas também para transformar funções departamentais corporativas e práticas de gerenciamento de projetos. 

Existem diversos métodos ágeis e, dentro de cada um, diferentes práticas ágeis. A mais famosa, talvez por ser uma das mais versáteis e aplicável a qualquer negócio, é o Scrum.

A seguir, confira um resumo das práticas ágeis mais usadas por quem aplica o método Scrum e outros.

Iterações

Equipes ágeis selecionam a quantidade de trabalho possível a ser realizada com base nas horas disponíveis. O trabalho iterativo ágil significa que o próprio time pode decidir o que é capaz de fazer com base em seus recursos e experiência da iteração anterior.

Abordagem orientada para o cliente

A colaboração do cliente é um ponto crucial nas metodologias ágeis. A equipe deve fornecer todas as informações necessárias aos clientes e informá-los sobre o progresso do projeto. A comunicação constante também deve fazer parte do trabalho em equipe interno.

Lista de pendências do produto (product backlog)

As tarefas de grandes projetos geralmente precisam ser divididas em pedaços. Nesse caso, um gerente de produto/proprietário do produto e membros da equipe determinam quanto trabalho é necessário para concluir cada tarefa. 

Em seguida, precisam priorizar todos os problemas com base nas necessidades de negócios do cliente. Normalmente, uma lista de pendências de produtos inclui os seguintes itens: 

  • Recursos do produto
  • Possíveis erros
  • Aquisição de conhecimento
  • Trabalho técnico

→ Todos os itens da lista de pendências são ordenados, dependendo do seu valor comercial. Quanto maior o item específico, mais cedo os desenvolvedores trabalharão nele. 

Os itens localizados no topo serão mais detalhados e claros em comparação com os itens inferiores. Todos devem ser claros e fáceis de entender para as partes interessadas não técnicas.

Histórias de usuários

Nas práticas ágeis, descrevemos a funcionalidade da comunicação com os clientes e, em seguida, descrevemos a posição do produto de uma maneira muito específica. No gerenciamento de projetos ágil, uma história de usuário significa uma unidade de trabalho que deve ser concluída em um Sprint.

As histórias de usuários incluem:

  • Descrição
  • Critérios de aceitação
  • Estimativa do tempo

→  Quando são muito complexas, os gerentes de produto as dividem em pedaços menores.

Funções ágeis

A metodologia ágil, no geral, envolve diferentes funções. Se generalizarmos, elas incluem o seguinte grupo:

  • Líder de equipe, Scrum Master
  • Membros do time
  • Proprietário do produto, Product Owner (P.O.)
  • Acionistas/clientes

→ As equipes ágeis também podem ter membros estendidos para conhecimento técnico ou de domínio.

Análise do fluxo de valor

Aqui a metodologia nos apresenta dois princípios.

1- Definição do produto com base nas histórias do usuário, baseadas na análise dos negócios.

2- Definição das dependências entre os negócios e a funcionalidade técnica.

Reunião Diária (Daily) 

Este evento é uma curta reunião diária (chamada de Daily), organizada geralmente por um gerente de produto ou proprietário de produto. A duração deve ser de 10 a 15 minutos e o Scrum Master e toda a equipe devem participar.

Nessa reunião, todos os participantes devem responder três perguntas: 

  • O que fiz ontem? 
  • O que vou fazer hoje? – Definição dos objetivos atuais. 
  • Que problemas enfrentei? – Revelar quaisquer obstáculos.

→  Assim como todas as cerimônias do Ágil, a Daily pode ser realizada remotamente sem nenhum prejuízo de valores. 

Reuniões de demonstração da Sprint

Esse tipo de reunião é agendada quando o objetivo do projeto está concluído. Seja uma ferramenta, um aplicativo, um processo ou qualquer outra funcionalidade, essa é a cerimônia para mostrar ao cliente como funciona. Nela, os clientes podem confirmar que aceitam todos os recursos e que foram criados de acordo com suas expectativas e requisitos.

Reuniões retrospectivas

Trata-se da reunião do desenvolvimento iterativo final. Todos os membros da equipe precisam participar dessa reunião. Os clientes também são bem-vindos, caso queiram. 

Nessa cerimônia, são discutidas as possibilidades de melhorar os processos, a qualidade do trabalho, as ferramentas utilizadas etc.. 

Um bom ponto de partida para a retrospectiva é pedir que todos respondam às seguintes perguntas:

  • O que fizemos e devemos continuar fazendo
  • O que fizemos e não devemos mais fazer
  • O que não fizemos e devemos fazer
  • O que não fizemos e não devemos fazer

→ Através dessas respostas é possível escanear a equipe e os resultados e entender onde estão possíveis problemas e o que pode melhorar para o próximo ciclo. 

Gráfico de burndown

Este gráfico demonstra se tudo corre realmente de acordo com o calendário de programação e o plano total. Também é útil para visualizar o número de histórias de usuários por unidade de tempo, abaixo ou acima do plano.

Priorização de requisitos

A priorização de requisitos é usada no gerenciamento ágil para determinar quais requisitos específicos do produto devem ser incluídos em um determinado release.

Os gerentes de produto também priorizam os requisitos para minimizar os riscos durante o desenvolvimento — os mais importantes são implementados primeiro. Nesse caso, gerentes experientes usam métodos e técnicas de priorização conhecidos.

Planejamento de liberação

Uma liberação de produto é um conjunto de novos recursos ou um lançamento do produto que visa agregar valor aos clientes. O planejamento de lançamentos ajuda as equipes a lançar novos produtos com mais qualidade. 

O que é um lançamento bem preparado? 

Não se trata apenas de fornecer acesso a novas funcionalidades. É uma data final em que sua equipe pode oferecer uma nova experiência ao cliente e suporte à interação associada a ela.

Todas as partes envolvidas devem estar cientes de quando podem esperar novas funcionalidades. O calendário de lançamentos deve sempre dar uma mensagem clara sobre isso. 

→ Aprofunde-se mais; baixe nosso e-book Práticas Ágeis — Times engajados, resultados acelerados e cultura de melhoria contínua!

3. Empatia

Sim, a empatia está muito em alta entre as tendências de negócios. Ela passou a ser valorizada nos últimos anos, depois de ser durante muito tempo vilipendiada no mundo corporativo. 

Na versão portuguesa do dicionário Houaiss (versão 2006), a empatia é definida como:

“capacidade de se identificar com outra pessoa, de sentir o que ela sente, de querer o que ela quer, de aprender do modo que ela aprende.”

Jeff Bezos, o lendário CEO da Amazon, disse: 

“nossa tolerância para qualquer tipo de falta de empatia deve ser zero”.

Ele está certo, não somente por razões humanitárias (contexto no qual essa frase foi proferida), mas também por razões que devem interessar a qualquer executivo de negócio.

Pesquisadores da Escola de Comunicação da Universidade do Sul da Califórnia realizaram um grande estudo em diversas nações. Eles perguntaram a milhares de líderes empresariais quais eram os atributos que os executivos deveriam ter para serem bem-sucedidos na atual economia global digital. E identificaram cinco, que consideraram críticos:

1- Adaptabilidade: poder de se encaixar em diversos contextos e situações, inclusive as não esperadas ou planejadas.

2- Competência cultural: capacidade de pensar, agir e se mover através de múltiplas fronteiras.

3- Pensamento 360 graus: compreensão holística; capacidade de reconhecer padrões de problemas e suas soluções.

4- Curiosidade intelectual: vontade de aprender cada vez mais.

5- Empatia! 

Os defensores da empatia como tendência de negócio apontam três razões que explicam a importância dela.

  • Conexão com o time: empatia é considerada uma capacidade de liderança fundamental que nos ajuda a influenciar outras pessoas em nossas organizações e a prever as preocupações de todos os indivíduos envolvidos. Em muitas empresas, competências como relacionamento e persuasão se tornaram essenciais para o sucesso. E, convenhamos, para persuadir de forma eficaz você deve ser capaz de criar empatia.
  • Conhecimento sobre o consumidor: a segunda competência capaz de gerar empatia tem a ver com o consumidor. Quando vestimos os sapatos dos consumidores, fica muito mais fácil caminharmos quilômetros a mais do que nosso concorrentes. Por que isso acontece? 

O cliente passivo é uma relíquia do passado pré-digital, quando a comunicação era principalmente uma linha de mão única (do vendedor para o comprador). Hoje a comunicação acontece como uma via de mão dupla as audiências múltiplas e altamente empoderadas exigem ser ouvidas; do contrário, migram com facilidade para outras empresas. 

Entenda: você precisa da empatia para saber quem é a sua audiência e o que ela quer da sua marca!

  • Tornar-se globalizado: a terceira razão está relacionada ao movimento das empresas para se tornarem globais. Ou seja, a compreensão empática é também indispensável na internacionalização dos negócios. 

Nem o conhecimento técnico, nem a experiência em negócios são suficientes sozinhos. Se quisermos expandir nossos horizontes para outros países, devemos estar sinceramente interessados em falar (e vender!) para outras escolhas e preferências culturais.

4. O poder do Propósito 

Um estudo da Korn Ferry mostrou que as empresas com equipes focadas no propósito de sua organização tinham taxas de crescimento anual quase três vezes maior que a taxa anual de todo o setor.

  • Segundo a pesquisa, 90% das pessoas que trabalham em uma organização orientada por um propósito se sentem engajadas em seu trabalho. 
  • Nas empresas que não são tão focadas em um propósito, apenas 32% dos funcionários relataram sentimentos de envolvimento e conexão com o trabalho que estavam realizando.

O propósito corporativo pode ser definido como uma razão aspiracional baseada na humanidade e que inspira um chamado à ação. Mas isso também está começando a mudar para uma concepção de propósito ampla, centrada no humano e socialmente engajada, que busca criar valor para várias partes interessadas.

→ Saiba mais: Propósito corporativo: o que há além do lucro!

5. Business Agility

No cenário atual de incertezas e em que os modelos antigos não funcionam mais, é preciso cocriar uma nova mentalidade, novos conceitos e novos modelos que façam sentido. 

É aí que o Business Agility ganha força. Ele nos remete a adaptabilidade, flexibilidade e velocidade no aprendizado e na tomada de decisão.

O Business Agility é o resultado da inteligência organizacional com foco no consumidor. É a habilidade da organização de se adaptar rápida e eficientemente a todas as formas de mudanças para entregar o máximo de valor e experiência para o usuário.

Também podemos definir esse conceito como a capacidade de uma empresa de realizar e sustentar todo o seu potencial, tanto em termos de lucros quanto de pessoas, independentemente de mudanças no ambiente interno ou externo. 

Nesse sentido, Business Agility abrange vários recursos organizacionais críticos:

  • Entrega com rapidez e responsabilidade (agilidade na entrega)
  • Inovação e disrupção (de produto, de processos internos etc.)
  • Adaptação organizacional e cultural (adaptabilidade organizacional)
  • Liderança através da complexidade (eficácia da liderança)

→ Quer saber mais sobre Business Agility? Baixe agora nosso e-book Business Agility — Agilidade para Processos de Pesquisa e Desenvolvimento de produtos!

Prepare-se para o novo

Como você viu, os tempos são de incertezas, mas isso não significa que não seja possível encará-los de forma otimista. Sabendo passar por esse cenário tempestuoso, um novo horizonte de possibilidades se abrirá. Parece discurso motivacional, mas não é. 

A atual conjuntura pede que profissionais e empresas estejam abertos para o novo, para as possibilidades de mudança que, se conduzidas de forma inteligente e estratégica, podem potencializar os resultados da sua organização. 

Para isso, é necessário recalibrar a balança das prioridades, readaptar a logística dos colaboradores, reajustar as metas e traçar uma nova direção. Sobreviverão – ainda mais fortalecidos – as empresas e os profissionais que, além de serem otimistas, saibam se adaptar à nova lógica de organização. 

Dica: peça ajuda! Nesses momentos de volatilidade, é sempre bom ter com quem contar. Grandes mudanças não são feitas da noite para o dia e muito menos sem um expertise que garanta o sucesso. 

Vamos conversar sobre os desafios que a sua organização está enfrentando nesse momento de incertezas? Estamos te esperando para tomarmos um café (virtual)! 

Voltar

Fique por dentro! Assine nossa newsletter