04/02/2020
Por
MJV Team

Gestão Remota em tempos de crise

Gerir uma equipe já não é uma tarefa simples dentro de uma rotina normal. Nos tempos de crise que estamos, essa tarefa se torna exponencialmente mais complexa.

Nesse contexto, a gestão vai exigir uma liderança muito mais preparada para os cenários de incertezas e, consequentemente, para romper com mentalidades e conceitos corporativos tradicionais.

A grande dificuldade é que não existe um manual definitivo que possa guiar um líder dentro de um cenário de volatilidade. Existem muitos materiais com dicas e teorias, porém é preciso que cada gestor adeque e traga isso para a realidade de sua equipe. E isso não é uma tarefa fácil! 

Embora existam certos protocolos em vigor que impedem que o caos se instaure em uma cenário de incertezas, cada nova crise é única à sua maneira, com seus próprios problemas e peculiaridades e exigirá uma abordagem diferente da usada anteriormente. Ninguém esperava que o mundo ficaria paralisado diante de uma pandemia, não é mesmo?

O que temos a nosso favor nesses momentos de mudanças são as lições aprendidas com as crises pregressas – e que podem ajudar muito se colocadas colocadas em prática corretamente. 

Vamos conversar melhor sobre isso nesse artigo. Continue lendo para ver um checklist de gestão para tempos de crises!

Os impactos dos cenários de incertezas na gestão do trabalho

Quando confrontados com a incerteza, é normal que as lideranças tendam a se preparar para o resultado mais provável. O planejamento estratégico é um bom exemplo disso. As previsões são derivadas de análises detalhadas da empresa e de seu ambiente. E daí surgem a estratégia e os planos de ação.

Em ambientes relativamente estáveis, essa abordagem geralmente funciona muito bem. Em tempos de incerteza, no entanto, pode ser enganador. As previsões podem se tornar ocultas, encobrindo todo o cenário e levando as empresas a decisões erradas.

Não é diferente com a gestão do trabalho em um momento de crise. Tomemos por exemplo o que vivemos agora, com a quarentena estabelecida para conter a disseminação do COVID-19 (Coronavírus). Muitos líderes tiveram que se adaptar ao trabalho remoto, encontrar meios de suas equipes trabalharem em home office. Isso era algo que a grande maioria deles não esperava — apesar de o trabalho remoto ser uma tendência cada vez mais flagrante. 

Neste caso, os impactos dos cenários de incertezas na gestão do trabalho vão desde a necessidade de prevenir a desmotivação dos profissionais até o controle de custo com a aquisição de tecnologias de maneira emergencial. Na outra ponta, os colaboradores precisam se adaptar a uma nova rotina e temem pelo cenário econômico do país — ademais da preocupação com a possibilidade de infecção com o Coronavírus em si. 

Gestão Remota x Presencial: quais as diferenças de fato

É importante refletirmos também sobre as diferenças substanciais entre a gestão presencial e o gerenciamento remoto — que tem sido visto como a saída para essa crise que vivemos no momento.

Gestão presencial

Na gestão presencial, há o contato físico e a troca diária, que tendem a gerar relacionamentos de maior proximidade entre os membros de uma equipe. Consequentemente, os líderes têm mais facilidade para se comunicar com todos e criar um clima de colaboração mútua. 

Neste modelo tradicional, o comando de ações e os direcionamentos tendem a fluir de maneira mais orgânica — no sentido de que é possível reunir todo mundo em uma sala de reunião e refazer uma rota traçada há poucos minutos, por exemplo. 

Gestão remota

Na gestão remota, por outro lado, o desafio de fazer com que as pessoas estejam todas na mesma página e, principalmente, que colaborem entre si é bem maior. 

É importante lembrar que, normalmente, a transição do trabalho presencial para remoto é gradativa nas empresas, mas isso não se aplica em um momento de crise no qual é preciso mudar imediatamente para o trabalho virtual.

Um ponto que é preciso considerar é que, como em qualquer relação de trabalho, o home office precisa equilibrar os interesses das duas partes envolvidas: o colaborador e a empresa. 

As razões são diferentes, é claro! Mas, ao final, ambas as partes têm seus interesses alcançados. Essa reflexão é importante e também pode ser feita no contexto da sua companhia para ponderar os prós e contras da prática do home office. 

→ Leia também: Gestão de equipes remotas: como as práticas ágeis podem ajudar!

Checklist para Gestão Remota em tempos de crise

Construa em conjunto um ambiente de trabalho motivador 

Seja presencial ou remotamente, o ambiente de trabalho motivador é essencial, pois as pessoas tendem a ser mais produtivas onde se sentem valorizadas, onde há espírito de equipe e sentimento de pertencimento. 

→ Leia também: Motivação de equipes remotas: 9 dicas essenciais que todo líder deve conhecer!

Manter a comunicação do time

Uma estratégia de comunicação interna bem desenhada é fundamental sempre, tornando sua importância ainda mais relevante em momentos de crise. Hoje há tecnologia disponível para isso — e muito conhecimento acumulado sobre como a empresa e os líderes devem conduzir o diálogo com e entre as equipes. 

Checkpoints diários

Os especialistas também apontam a necessidade de acompanhamento diário da progressão das atividades dos times. É preciso, portanto, estruturar meios de os membros da equipe reportarem seus avanços dentro dos projetos e planos de ação, e fornecer feedback e facilitação à altura. 

Controle e autonomia 

Equilibrar o controle e a autonomia fornecida aos profissionais também é fundamental. É aí que conceitos como o de liderança distribuída e equipe auto gerenciável ganham força. Em crise ou sem crise, não há mais espaço para o líder centralizador, que se sobrecarrega na supervisão e não divide a liderança. 

Leve muito a sério a etiqueta de trabalho remoto

Assim como no trabalho presencial, há toda uma série de regras relativas ao trabalho remoto. As lideranças devem, por exemplo, respeitar os horários combinados. Enviar mensagem no WhatsApp durante o final de semana ou à noite é algo bastante fora da etiqueta desse modelo de trabalho. 

É preciso estabelecer regras de como os profissionais devem se portar, normatizar o uso dos sistemas empregados no dia a dia do trabalho remoto, entre outras diretrizes. Todos precisam estar cientes do que podem ou não fazer. 

Conheça seu time

Essa dica é ainda mais pertinente quando se trabalha com equipe remota. Em muitos casos, os profissionais também são contratados de maneira remota. Dessa forma, fica ainda mais difícil para os líderes conhecerem cada um dos membros do seu time em profundidade.

Nesse caso, os gestores devem:

  • Buscar aproximação sempre que possível
  • Saber quais são as habilidades de cada colaborador
  • Conhecer, também, as dificuldades de cada um
  • Fornecer feedback
  • Estar abertos a receber críticas, sugestões e feedbacks

Isso facilitará bastante a aproximação entre o time e o gestor. 

Seja o guardião da cultura organizacional

Por fim, mas não menos importante, cabe ao líder zelar pela cultura organizacional. Essa cultura é dotada dos valores, da missão e dos direcionamentos da empresa, de como ela se vê e como se projeta para o futuro. As tradições também entram nessa equação.

 A cultura organizacional precisa ser sempre lembrada e celebrada por todos, estejam reunidos presencialmente ou de maneira remota. 

Como está a gestão para momentos de crise em sua empresa? Leia agora nossas 6 dicas para uma Gestão de Trabalho Remoto bem sucedida!

Peça ajuda!

Grandes transformações organizacionais não são feitas do dia para noite. E isso ocorre por conta da estrutura física, é claro, mas também pelo mindset dos colaboradores. Em muitas empresas, o maior desafio é o segundo — o que é perfeitamente normal. 

Se você leu todo esse material até aqui e teve dificuldades de encaixar a sua equipe e sua companhia nessas transformações, não se preocupe. Grandes transformações organizacionais também precisam vir acompanhadas de grandes questionamentos. Logo, podemos afirmar que você já deu o primeiro passo. 

Porém, grandes mudanças vão requerer uma força tarefa. Sozinha, uma andorinha não faz verão, certo? Então, se você não sabe por onde começar ou se acha que não vai ser uma tarefa fácil na sua empresa ou equipe, não hesite em buscar uma consultoria com know how para deslanchar essa ideia. Podemos conversar melhor sobre isso e entender seus desafios! Que tal tomarmos um café (remoto, como pede a ocasião)? Conte conosco! 

Voltar