02/06/2020
Por
MJV Team

Agile, Scrum e Kanban: quais as diferenças?

Quando se fala em gestão de projetos e equipes, metodologias como Agile e frameworks como Scrum e Kanban dominam a conversa.

Elas são as buzzwords que mais aparecem quando o assunto é metodologias ágeis. Mas acredite, elas não são, nem um pouco, a modinha do momento. 

Você sabe quais são as diferenças existentes entre esses três métodos? Em que pontos eles se parecem, e como se distanciam entre si? 

Nós respondemos a essas perguntas ao longo deste artigo. 

Continue aqui para entender em profundidade essas práticas; isso vai te ajudar a decidir qual (ou quais) delas adotar!

Vantagens de trazer a Cultura Ágil para seu negócio

Antes, vamos a uma rápida reflexão: é mesmo vantajoso criar e manter uma Cultura Ágil em seu negócio? Lembre-se que Cultura é o conjunto de práticas, tradições, costumes, hábitos e atitudes que um determinado grupo social compartilha. 

Assim, quando nos referimos à cultura organizacional, falamos sobre os elementos simbólicos e práticos que estão incorporados no dia a dia dos envolvidos na empresa. A cultura está ali, sendo vivida, permeando e perpassando as relações e a forma com que o negócio caminha. 

Dentro disso, o desenvolvimento de uma Cultura Ágil é cada dia mais fundamental. Ela é requerida pela própria dinâmica do mercado, onde colaboradores, clientes, fornecedores e parceiros de negócios querem soluções rápidas e eficientes; a velocidade, aliada à qualidade e à inovação, define o sucesso dos negócios.

Uma cultura ágil deve ser construída com uma mentalidade ágil. Isso permite que as coisas se movam mais rapidamente, que haja compartilhamento das responsabilidades para os times realizarem as tarefas, mas sem tanta  hierarquia na tomada de decisões.

Construir mentalidade e cultura ágeis oferece uma maneira de aproveitar o poder das pessoas na organização, encontrando adaptação, inovação e resiliência para encarar uma economia que cada vez mais tem seu ritmo acelerado.

Agora, é importante não confundir agilidade com perfeição. A Cultura Ágil oferece vantagens muito mais “pé no chão” que a tão utópica “perfeição”, gestão de erro e aprendizagem são mudanças urgentes às empresas que querem aculturar o ágil. Dê uma olhadas nos benefícios: 

Ganho de competitividade

Provavelmente, o maior benefício de adotar uma abordagem ágil é que você pode ter uma vantagem inicial sobre seus concorrentes. Enquanto eles estão ocupados planejando e aperfeiçoando, você está por aí fazendo muito mais entregas em bem menos tempo.

Equipe motivada e produtiva

Trabalhar nessa velocidade e entregando frequentemente é emocionante e motivador para todos os seus funcionários. O Princípio do Progresso é importante para a motivação, e trabalhar no mesmo projeto por meses sem nada tangível para mostrar, pode ser bastante desmotivador, e muitas vezes bem caro. 

Melhor experiência aos clientes

Seus clientes têm uma sensação constante de que sua empresa está crescendo porque você continua lançando novos recursos. Também permite que você se ajuste às demandas dos clientes, mantendo-os felizes e com você por mais tempo.

Ser perfeccionista pode até parecer o lugar mais alto do pódio, mas isso é ilusório. Vários estudos encontraram ligações entre perfeccionismo e problemas de saúde, como depressão, ansiedade, dependência de drogas e aumento do risco de suicídio.

Agile, Scrum e Kanban: quem é quem?

Agora, sim, chegou a hora de entender as três palavras mais pronunciadas quando se trata de práticas ágeis. Confira, a seguir, as diferenças entre Agile, Scrum e Kanban!

Agile vs. Scrum e Kanban

Por definição, Agile é um conjunto de princípios orientadores desenvolvido em 2001, publicado como o Agile Manifesto. Também é um termo genérico usado para descrever uma metodologia de gerenciamento de projetos que divide grandes projetos complexos em pequenos pedaços gerenciáveis. 

O gerenciamento ágil de projetos começou no desenvolvimento de software para acelerar a conclusão dos projetos, mas agora vemos as práticas sendo aplicadas em diversos setores. 

Scrum e Kanban, por outro lado, são duas metodologias consideradas ágeis. Ou, em outras palavras, se você deseja trabalhar de uma maneira ágil, eles são duas maneiras de fazê-lo com sucesso. 

Scrum vs. Kanban

Embora Scrum e Kanban compartilhem características semelhantes, muitas vezes é equivocado que ambas as metodologias sejam dois lados da mesma moeda. Essas duas metodologias ágeis são totalmente diferentes, mas bem complementares.

Scrum

O framework Scrum divide os períodos de trabalho com tempo limitado para o ciclo de desenvolvimento, os chamados sprints, que geralmente duram uma semana. 

Os gerentes de projeto planejam quais iniciativas serão executadas nas sprints. O time realiza reuniões diárias (também conhecidas como daily) para verificar com a equipe como o projeto está avançando. No Scrum, há pelo menos três funções prescritas:

  • O Product Owner: o ocupante dessa função é responsável pelo planejamento inicial, priorização de tarefas e comunicação.
  • O Scrum Master: responsável por supervisionar o processo durante o sprint.
  • Membros da equipe: indivíduos que realizam as tarefas no sprint.

→ Leia também: O Time Scrum de La Casa de Papel!

Kanban

O Kanban não possui um prazo definido para quando os itens precisam ser concluídos. Em vez disso, esse framework é gerenciado pela prioridade dos itens (por exemplo, tickets/cartões) em um quadro Kanban. 

O quadro possui colunas diferentes que informam aos gerentes o status de um item que está sendo trabalhado, incluindo tarefas pendentes, em andamento e tarefas completas.

Podemos resumir o Kanban como um método para gerenciar a criação de produtos com a visão de entrega contínua, sem sobrecarregar as equipes de desenvolvimento. Ele deve ser um aprimoramento dos processos organizacionais existentes para melhoria contínua, sem alterar totalmente os sistemas existentes da organização.

→ Diferença fundamental: o Scrum é mais estruturado e fluido, enquanto o Kanban é menos e se baseia em uma lista (também conhecida como lista pendente) de itens a serem executados. 

Scrum ou Kanban: qual método ágil escolher?

Para decidir entre os dois frameworks ágeis, é necessário examinar seus requisitos de negócios. Há quase consenso entre os especialistas; eles sugerem o seguinte: decida se deseja que seus projetos sejam concluídos mais rapidamente ou se deseja melhorar o processo geral. 

Assim, tente o Scrum, se você quiser produzir mais rapidamente. Por outro lado, se deseja melhorar seu processo de produção, escolha o Kanban.

Passo a passo: como implementar as Práticas Ágeis na sua equipe

Para finalizar, aqui vai um passo a passo de como implementar práticas ágeis em sua equipe!

Escolha as metodologias certas

Como metodologia de gerenciamento de projetos, o Agile é altamente interativo, permitindo ajustes rápidos em todo o projeto. Também oferece processos repetíveis, reduz riscos, permite feedback imediato, fornece retorno rápido e reduz a complexidade. 

Entretanto, e conforme já vimos, não é uma prática uniforme e, dentro da abordagem, existem várias estruturas apropriadas para certos tipos de negócios e/ou projetos (Scrum e Kanban, por exemplo).

Selecionar uma estrutura Ágil apropriada pode ser a chave para sua implementação bem-sucedida, como uma tática. 

Comece pequeno e suba

Embora, idealmente, toda a organização funcione de maneira ágil, a adaptação de uma organização que é usada para o desenvolvimento sequencial exigirá um esforço significativo e paciência. 

Alterar a empresa inteira da noite para o dia é impossível; portanto, é recomendável começar a incorporar o Agile em departamentos individuais. 

Tenha em mente que os métodos ágeis podem ser menos valiosos para operações rotineiras, como manutenção da fábrica, contabilidade ou vendas. No entanto, é importante que a maneira de trabalhar se espalhe por todos os departamentos, para que eles não sejam contrários aos princípios do Agile e prejudiquem o sucesso. 

O Agile também pode ter um valor significativo para departamentos próximos ao desenvolvimento de novos produtos, como marketing, cadeia de suprimentos, planejamento estratégico e alocação de recursos”.

→ Leia também: Marketing Ágil: o que é e como funciona

Alavanque o Agile no nível corporativo

As funções executivas também podem se beneficiar do trabalho em equipes ágeis”. Ao trabalhar com agilidade, gerentes e líderes podem aprender com outros “discípulos” e pessoas trabalhando em equipes multifuncionais.

Conheça seus usuários em primeira mão participando de sessões de clientes e aprenda sobre os desafios comuns que a organização está enfrentando e a maneira de superá-los.

Também as tarefas de gerenciamento tático podem ser enriquecidas por uma abordagem ágil. Os executivos seniores devem prestar muita atenção às questões mais críticas de uma empresa e tentar eliminar as atividades de menor valor agregado, como relatórios desnecessários. 

Ao se unirem como uma equipe Ágil e priorizarem as atividades de gerenciamento, eles podem acelerar o processo de tomada de decisões. Dessa forma, suas atividades podem se tornar mais claras para o resto da organização, pois os executivos podem compartilhar seu progresso em conselhos comuns visíveis a todos.

Fortaleça a liderança

Um fator importante no sucesso da equipe em qualquer aspecto de um negócio é a clareza em relação às funções e responsabilidades, e o equilíbrio certo de autoridade e responsabilidade. 

Apesar da natureza colaborativa do Agile, esse ainda é o caso. Embora as equipes devam ser ágeis e os membros individuais confortáveis ​​com ambiguidade e experimentação, a liderança ainda é importante. 

Os líderes devem ser capazes de identificar e enfatizar as melhores práticas para a equipe durante a transição para o trabalho ágil. Isso não quer dizer que os líderes devam reverter para uma hierarquia de cima para baixo — os especialistas no assunto afirmaram que devem, inclusive, evitar dar ordens.

Em vez disso, o Agile é mais adequado para uma abordagem de baixo para cima, que defende autonomia e equipes auto-organizadas. Essas ações simples podem ajudar as equipes a trabalharem juntas em direção a metas e desafios, em vez de executar tarefas impostas. Dê a eles espaço para inovar e ser criativo. Nomeie um único proprietário para as iniciativas, mas deixe claro que a equipe é responsável pelo resultado final.

Concentre-se no ‘lado suave’ da mudança

Por fim, o Agile requer mudanças organizacionais. Como mencionado anteriormente, é melhor entregá-lo por departamentos individuais, em vez de um turno noturno em toda a empresa, para que haja algum tempo de ajuste necessário. 

Nesse caso, é essencial ajudar os membros da equipe a colaborar simultaneamente com outras disciplinas.

O primeiro passo é colocar todos na mesma página. A gerência deve ter uma visão geral e garantir que todos os departamentos e equipes entendam as prioridades da organização. Também é importante se concentrar na construção e capacitação de equipes multifuncionais. Isso não requer necessariamente uma nova estrutura organizacional, principalmente aprendendo a colaborar simultaneamente com outras disciplinas e unidades de negócios.

Além disso, a ênfase na motivação e no comprometimento da equipe é fundamental para o sucesso. Ouvir o que as equipes estão dizendo e desvendar barreiras que as impedem de trabalhar com mais eficiência pode melhorar o moral, além de preparar a equipe para um futuro ágil menos hierárquico, onde seu conforto ao contribuir é essencial.

Agora que você já entendeu a diferença entre Agile, Scrum e Kanban? Aproveite nosso e-book Boas Práticas Ágeis: Guia para adotar o Mindset Ágil no seu time!

Práticas Ágeis

Voltar