06/27/2019
By
MJV Team

Mindset Ágil: como usar sprints para agilizar projetos

O mindset ágil está muito em alta no mundo dos negócios. Ele é uma resposta às constantes mudanças mercadológicas, com especial atenção para a rápida inovação tecnológica.

Nesse artigo, resolvemos trazer uma reflexão profunda sobre o assunto.

Continue lendo para ver como os executivos de sucesso estão alcançando resultados incorporando metodologias ágeis como o Scrum em seu cotidiano de negócios!

O mindset ágil

Antes de entrarmos no mindset ágil (mentalidade ágil), precisamos lembrar que ele está ligado à Filosofia Ágil. 

A Filosofia Ágil surgiu  a partir do Manifesto Ágil, quando um pequeno grupo de pessoas se reuniram em 2001 para discutir os seus sentimentos com relação à abordagem tradicional de gerenciamento de projetos de desenvolvimento de software. 

Na época, os especialistas criaram o Manifesto Ágil, que mostrava a necessidade de valorizar quatro frentes:

  1. Indivíduos e interações sobre processos e ferramentas. 
  2. Softwares que trabalham com documentação mais abrangente. 
  3. Colaboração do cliente sobre negociação de contratos.
  4. Respostas rápidas, mudanças ao longo do projeto seguindo um plano.

A partir disso, diversas metodologias foram criadas. Elas, basicamente, são abordagens para acelerar e melhorar a qualidade no desenvolvimento de aplicações. Nos últimos tempos, têm sido empregadas também para transformar funções departamentais corporativas e práticas de gerenciamento de projetos. 

Um destaque entre os frameworks ágeis é o SCRUM, que detalharemos melhor mais adiante. 

Em geral, quando falamos sobre o mindset ágil, estamos falando de uma mentalidade iterativa, quebrada em etapas, e incremental de gerenciamento. O gestor que conta com ele — e busca desenvolvê-lo em seu time — se concentra em ajudar as equipes em um cenário em evolução. E tem facilidade para manter o foco na entrega rápida do valor comercial.

O mindset ágil se baseia em:

  1. melhoria contínua, flexibilidade 
  2. entrega contínua de resultados rápidos 
  3. alta qualidade 
  4. mitigação de erros

SCRUM e Sprints: o que são e como funcionam

Conforme já citamos, uma das metodologias ágeis mais importantes dentro da filosofia ágil é o SCRUM. 

Mas, o que é SCRUM?

É uma estrutura iterativa e incremental de desenvolvimento ágil de software. Ela foi criada para ajudar as equipes a gerenciar processos de desenvolvimento. 

Embora tenha nascido na indústria de software, é largamente utilizado em muitos outros setores. 

O que é ótimo sobre o SCRUM é que ele enfatiza: a colaboração, produto/serviço funcional e flexibilidade para se adaptar às mudanças. Transparência, inspeção e adaptação são palavras-chave quando se fala em SCRUM. Processo, fluxo de trabalho e progresso são sempre visíveis de ponta a ponta.

Quais são as principais funções de um time SCRUM?

Um time criado e gerenciado sob o método ágil SCRUM possui as seguintes funções:

Dono do produto (PO)

O product owner representa o cliente, ele tem a visão estratégica do que precisa ser construído. Um de seus principais papéis é deixar os objetivos claros para o time scrum. 

Ele é o único que possui o backlog do produto e prioriza as ordens dos itens. Contudo, isso não significa que ele é quem escolhe quanto e como será feito durante o sprint.

Scrum Master

O Scrum Master  ajuda o Product Owner e a equipe a entender seus objetivos comuns e a planejar como atingi-los. 

Ele é um consultor e um treinador para ambas as partes e garante que a equipe atinja suas metas de sprint

Como a equipe é auto-organizada, o scrum master deve permanecer neutro. Ele é um colaborador, não uma autoridade.

Time

A equipe é auto-organizada e seus membros são responsáveis ​​por completar as histórias de usuários que foram definidas. Deve sempre garantir a agregação de valor ao produto. 

Uma de suas tarefas é fornecer estimativas para cada sprint e eles decidem como o trabalho será feito.

Como funciona um sprint

Entrando mais especificamente no uso de Sprints, veja agora como empregar essa abordagem no seu dia a dia.

Início do sprint

Cada sprint começa com uma reunião de planejamento. Durante a reunião, o proprietário do produto (a pessoa que solicita o trabalho) e a equipe de do projeto concordam sobre o que será realizado durante o sprint. 

A equipe tem a palavra final quando se trata de determinar quanto trabalho pode ser realisticamente realizado durante o sprint. E o dono do produto tem a palavra final sobre quais critérios precisam ser atendidos para que o trabalho seja aprovado e aceito.

Duração de cada sprint

A duração de um sprint é determinada pelo facilitador da equipe. Quando a equipe chegar a um consenso sobre quantos dias um sprint deve durar, todos os sprints futuros devem ter a mesma duração — até uma semana, idealmente; menos de um mês, definitivamente. 

Durante o sprint

Após o início de um sprint, o PO deve recuar e deixar a equipe fazer seu trabalho. O time realiza reuniões diárias de stand up para discutir o progresso e debater soluções para os desafios. 

O product owner pode participar dessas reuniões como observador, mas não deve interferir, a menos que seja para responder a perguntas.

O dono do produto não pode fazer solicitações de alterações durante um sprint e somente o facilitador ou gerente de projeto tem o poder de interromper o sprint.

Final do sprint

No final do sprint, a equipe apresenta o trabalho concluído ao PO e o ele usa os critérios estabelecidos na reunião de planejamento do sprint para aceitar ou rejeitar o que foi entregue.

Por que práticas ágeis devem estar no radar da sua empresa

Confira, a seguir, as vantagens que fazem com que as práticas ágeis devam estar no radar do seu negócio. Para melhor exemplificarmos, vamos usar a gestão de projetos como exemplo. 

Alta qualidade de produtos e serviços

Nas práticas ágeis, o teste é integrado durante o ciclo. Isso significa que há verificações regulares para ver se o produto ou serviço está funcionando durante seu desenvolvimento. 

Nessa abordagem, o PO pode fazer alterações, se necessário, e a equipe estará ciente sempre que houver algum problema. Em tempo hábil. 

Aqui estão algumas atividades essenciais para garantir qualidade de produtos e serviços, segundo a filosofia ágil:

  • definir e elaborar requisitos just in time para que o conhecimento das características do produto seja o mais relevante possível.
  • incorporar integração contínua e testes diários no projeto, permitindo que a equipe resolva os problemas enquanto ainda estão atualizados.
  • aproveitar ferramentas automatizadas de teste.
  • realizar retrospectivas de sprint, permitindo que a equipe melhore continuamente os processos e o trabalho.
  • concluir o trabalho usando a definição como: desenvolvido, testado, integrado e documentado.
  • desenvolver o produto ou serviço em ciclos incrementais e rápidos. Isso resulta em pequenas versões incrementais, com cada release baseando-se na funcionalidade anterior.
  • testar cada versão é exaustivamente para garantir que a qualidade seja mantida.

Maior satisfação do cliente

O product owner (cliente, interno ou externo) está sempre envolvido. Além disso, os progressos têm alta visibilidade e a flexibilidade para mudar é bem importante. 

Para isso, são realizadas algumas atividades básicas:

  • demonstrar funcionalidades do produto (ou partes do projeto, seja de produto, serviço ou processos) para os clientes em todas as revisões de sprint
  • entregar produtos ao mercado mais rapidamente e com mais frequência a cada lançamento.
  • dar aos clientes  acesso antecipado ao produto durante o ciclo de vida.
  • manter os clientes envolvidos e engajados em todas as fases do projeto.

Maior controle do projeto

  • reuniões regulares de sprint (atividades curtas nas quais a inspeção e as revisões são muito importantes). 
  • transparência.
  • garantir visibilidade de cada etapa do projeto para ambas as partes envolvidas no projeto.

Riscos reduzidos

O mindset ágil praticamente elimina as chances de falhas absolutas nos projetos. E isso é garantido a partir das seguintes atividades: 

  • sempre ter um produto/serviço em funcionamento, começando com o primeiro sprint, para que nenhum projeto ágil falhe completamente.
  • desenvolver em sprints, garantindo um curto período de tempo entre o investimento inicial do projeto e falhando rapidamente, para corrigir tão rápido quanto.
  • gerar receita antecipadamente com projetos de autofinanciamento, permitindo que o projeto se pague com pouca despesa inicial.
  • facilitar a adaptação às necessidades e preferências do cliente.
  • histórias de usuário com critérios de aceitação focados nos negócios para definir os recursos do produto ou serviço.
  • focar nas necessidades de clientes reais, oferecendo valor incremental em cada recurso criado.
  • testar partes e/ou protótipos antes de passar para as próximas fases, de preferência sob o olhar do cliente.  

Retorno sobre o investimento (ROI) mais rápido

O fato da abordagem ágil ser iterativa significa que os recursos são entregues por etapas. Portanto, os benefícios são percebidos precocemente enquanto o produto ou serviço está em processo de desenvolvimento.

  • o desenvolvimento começa cedo.
  • um produto funcional, “pronto para o mercado”, é gerado após poucas etapas;
  • ciclos de entrega curtos e certeiros.
  • lançamentos rápidos e capacidade de avaliar a reação do cliente para fazer as alterações rapidamente — de preferência à frente da concorrência.
  • concentração no valor do negócio. Ao permitir que o cliente determine a prioridade dos recursos, a equipe entende o que é mais importante para os negócios do cliente e pode fornecer um produto/serviço mais valioso.

Você já põe em prática o mindset Ágil nos projetos do seu negócio? Gostou da reflexão que trouxemos aqui? Deixe seu comentário! Se quiser se aprofundar no assunto, baixe agora nossos e-books: DT + Ágil  e Design Sprint.

design-thinking-e-agil-transformacao-digital

Voltar