08/26/2019
By
MJV Team

Por que Future Studies é importante para o seu negócio?

Em um mercado disruptivo, Future Studies é a solução para que a sua empresa se torne um agente ativo da transformação.

Como interpretar as mudanças em torno do seu mercado? Como alavancar esses insights em estratégias vencedoras? É essa necessidade de antecipar o futuro que move as organizações mais inovadoras em direção ao Future Studies. 

Neste artigo, vamos apresentar o conceito de Future Studies, os benefícios dessa abordagem e algumas dicas para aplicá-lo na prática. Continue lendo!

O que é o Future Studies

Em linhas gerais, o objetivo do Future Studies é lançar luz sobre as forças de mudança em nossa sociedade. Assim, devemos lembrar que a história é uma das humanidades, não uma ciência dura — por isso, a abordagem não espera prever eventos com exatidão. A ideia é gerar insights para que as organizações tomem decisões e se tornem agentes ativos da transformação. 

Algumas metodologias utilizadas pelos futuristas estão dentro dos seguintes campos práticos:

Criação de cenários

Esse é o método mais famoso do Future Studies. Em essência, os cenários são histórias sobre futuros possíveis. Para construí-las, é preciso levar em consideração pequenos sinais de transformação na sociedade. Regulamentação governamental e tecnologias incipientes são alguns exemplos.

Estatística

Analisar dados concretos coletados pelo governo e empresas e filtrar as tendências. É a pesquisa demográfica que fornece insumos para a tomada de decisão. Os futuristas também utilizam essa fonte de dados para realizarem suas previsões. 

Estudo reportório 

O futuro é muitas vezes um mistério para as pessoas. Muitas não se esforçam para descobrir o que pode acontecer. O estudo reportório é a base para a “inteligência de código aberto”. Utiliza processos muito simples, como entrevistas e pesquisas desk, para responder questões básicas sobre o futuro.

Analogia histórica 

Radicalmente imprecisa, mas também perigosamente sedutora, pois as pessoas estão profundamente ligadas à aparente estabilidade do passado. Na prática, porém, nossas ideias sobre o que já aconteceu são pouco mais sólidas do que nossas previsões de amanhã. Se o Future Studies é visionário, a história é revisionista.

As vantagens de adotar o mindset futurista

Na prática, o Future Studies está intimamente ligado à mudança de mindset nas organizações. É preciso pavimentar o caminho para uma visão mais preditiva, com métodos, ferramentas e orientação para o pensamento inovador.

Existem 3 disciplinas em que futuristas desempenham um papel hoje:

  1. Marketing/Vendas: essas áreas passam por uma grande ruptura. É preciso levar em conta o impacto da realidade aumentada, da realidade virtual, da Internet das Coisas, da Inteligência Artificial e de novas soluções que apenas um futurista pode criar.
  2. Planejamento de Cenário/Estratégia: pensando de forma inovadora, os futuristas ajudam a identificar oportunidades e riscos.
  3. Recursos Humanos: quais habilidades seus funcionários precisam em 5 anos? E daqui a 10 anos? Um futurista pode esboçar um cenário realista e vincular certas habilidades a ele.

Uma empresa que adota e trabalha pelo mindset futurista obtém diversas vantagens. Entre as principais, destacam-se:

  • melhorias no desenvolvimento da estratégia, tornando as partes interessadas mais conscientes dos riscos e restrições;
  • facilidade para encontrar soluções alternativas e inovadoras para problemas, e oportunidades que não aparecem na superfície;
  • aumento da conscientização para possíveis situações futuras e preparação das pessoas  para lidar com elas.

Como aplicar o Future Studies em sua estratégia de negócio

Uma maneira bastante prática de inserir o Future Studies na estratégia empresarial é desenhar cenários. 

Ao contrário da previsão tradicional, o planejamento de cenário não depende de uma projeção linear do presente para prever um único futuro. Leva em consideração a possibilidade de descontinuidades acentuadas — como o colapso da União Soviética foi para a economia global no final do século XX, por exemplo — e cria um conjunto de histórias alternativas sobre como o futuro poderia parecer. 

Em uma empresa, o objetivo da criação de cenários não é prever o futuro, mas fazer com que os líderes/gestores desafiem suas próprias suposições sobre a estratégia corporativa. Quando bem feito, isso os ajuda a antecipar possibilidades que, de outro modo, poderiam ignorar.

Normalmente, a construção de cenários envolve trabalho preparatório, incluindo desenvolvimento de visão, oficinas de partes interessadas e atividades pós-workshop.

As 6 perguntas essenciais do Future Studies

Segundo Sohail Inayatullah, futurista no Instituto de Estudos Futuros da Universidade de Tamkang, Taiwan, uma série de perguntas pode auxiliar na “transformação do futuro”. São elas:

  • Qual é a história do problema? Quais eventos e tendências criaram o presente?
  • Quais são suas projeções do futuro? Se as tendências atuais continuarem, como será o futuro?
  • Quais são as suposições ocultas do seu futuro previsto? Há algumas coisas consideradas certas (sobre gênero, natureza, tecnologia ou cultura)?
  • Quais são algumas alternativas para o seu futuro previsto ou temido? Se você alterar algumas de suas suposições, que alternativas emergem?
  • Qual o seu futuro preferido?
  • Como você chegou aqui? Que passos você deu para perceber o presente?

Como você viu, o Future Studies nas empresas é, antes de tudo, um mindset. É preciso assumi-lo na cultura corporativa e, a partir disso, buscar métodos e técnicas para prever tendências, desenhar cenários e inovar. Gostou das reflexões que trouxemos aqui? Baixe agora o MJV Trends 2019 — Tendências de Inovação em Negócios!MJV Trends 2019

Voltar