Compartilhar:

Categorias:

8 min read

Como o intraempreendedorismo estimula a inovação nas empresas?

A fonte de novas ideias e inovação pode estar mais perto do que você imagina. Saiba tudo sobre o conceito de intraempreendedorismo!


Já ouviu falar sobre intraempreendedorismo? Essa é uma daquelas características capazes de trazer múltiplos benefícios aos negócios e, justamente por isso, vem sendo cada vez mais buscada pelas empresas.

Ao favorecer a inovação dentro das organizações, ao mesmo tempo em que ajuda a aumentar a satisfação dos colaboradores, o intraempreendedorismo se mostra um elemento-chave para quem quer ganhar competitividade no mercado. 

Quer conhecer mais sobre este conceito e entender como estimulá-lo dentro da sua empresa? Então pegue o seu café e confira o conteúdo que preparamos sobre o assunto!

O que é intraempreendedorismo?

Para entender a fundo o que é intraempreendedorismo, é importante retomarmos o significado de uma palavra que já é muito mais conhecida e está inserida dentro deste novo conceito: o empreendedorismo.

O termo empreendedorismo pode ser entendido como a capacidade de identificar problemas e oportunidades, desenvolver soluções e investir recursos na criação de algo positivo para a sociedade (seja um negócio, um projeto ou até mesmo um movimento).

Comumente associada à criação de novos negócios no mercado, essa palavra ganha outros contornos quando o prefixo “intra”, que expressa a ideia de estar dentro, entra em jogo.

Basicamente, o intraempreendedorismo acontece quando a capacidade de identificar problemas e oportunidades, a fim de criar soluções, é colocada em prática dentro de uma empresa.

Em outras palavras, é quando os próprios colaboradores usam suas habilidades empreendedoras nas empresas para as quais trabalham, incentivando a busca de novas ideias para solucionar problemas antigos e fomentando a inovação.

Vale dizer que isso pode ser colocado em prática de duas formas:

1. Quando a equipe se envolve em novos projetos que ainda estão dentro do escopo original do modelo de negócio da empresa – o que é chamado de intraempreendedorismo de valor agregados;

2. Ou quando a empresa inicia uma jornada de empreender em um modelo de negócio, produto ou serviço totalmente novo – o que é conhecido como spin-off.

3 grandes vantagens do intraempreendedorismo

Você já deve ter notado que o intraempreendedorismo é capaz de trazer uma série de benefícios para as empresas.

Para contribuir com o seu conhecimento sobre o assunto, vamos discorrer um pouco mais sobre as principais vantagens que este modelo pode proporcionar aos negócios. Acompanhe:

1. Fomento à inovação

Como você viu até aqui, a capacidade de identificar problemas e oportunidades, a fim de criar soluções, está na base do intraempreendedorismo. Justamente por isso, uma das principais portas que ele abre é o incentivo à inovação.  

Em resumo, profissionais com perfil intraempreendedor tendem a buscar por novos conceitos ou identificar novas oportunidades de forma bastante proativa, evitando que as organizações se tornem obsoletas diante das exigências do mercado.

 2. Retenção de talentos

Quando profissionais com perfil intraempreendedor são incentivados a darem vazão à criatividade dentro da empresa, há grandes chances de que eles se sintam valorizados.

Isso é importante, pois, profissionais valorizados tendem a se mostrarem mais satisfeitos com seus respectivos trabalhos e, assim, a permanecerem por mais tempo nas organizações.

 3. Aumento da produtividade

Uma empresa capaz de reter seus talentos é, consequentemente, uma empresa mais produtiva.

A lógica é simples: à medida que o incentivo ao intraempreendedorismo contribui com o aumento da motivação por parte dos colaboradores com este perfil, é natural que o trabalho seja realizado com qualidade e eficiência superiores.

Além disso, sempre que um funcionário opta por deixar a empresa, leva um tempo para que a empresa supere este gap.

→ Leia também: O que você pode aprender com um projeto de intraempreendedorismo

Como identificar, atrair e reter intraempreendedores em potencial?

Em primeiro lugar, é importante ter em mente que qualquer empresa tem pessoas com potencial intraempreendedor. Identificá-las, contudo, exige a observação constante do corpo de funcionários, de como as atividades estão distribuídas e de como elas são executadas.

Outro ponto fundamental é que essas pessoas não se encontram apenas em cargos gerenciais, o que exige que os responsáveis pela tarefa de encontrar esses talentos analisem o contexto sob outra perspectiva. 

Para ajudar nesse processo, listamos abaixo 3 pontos importantes a serem observados.

Intraempreendedores são ‘estufas’ de ideias

Ao ter contato com algum estímulo que possa gerar uma ideia ou ao enxergar uma oportunidade em uma ideia aparentemente desinteressante, os intraempreendedores ficam com ela na cabeça. 

Eles a analisam e pensam em diferentes formas de colocá-la em prática, antes mesmo de comentar a respeito com alguém. Ao compartilhar suas descobertas, normalmente eles já possuem um plano de ação pronto ou até mesmo algo inteiramente novo.

Dinheiro não é a motivação principal 

Como qualquer outro colaborador, o intraempreendedor quer ser remunerado de forma justa, mas esse não é o seu norte ao encarar um desafio. O reconhecimento e a possibilidade de influenciar com liberdade são as suas motivações principais. 

Compensação monetária e possíveis prêmios podem funcionar como uma métrica do seu desempenho como intraempreendedor, mas não são uma meta.

Acesse grátis

Desenvolva o intraempreendedorismo agora mesmo! Preencha o formulário e aprenda como fazer isso com o guia prático para a gestão da inovação.

Intraempreendedores não têm medo de correrem riscos

Uma das mais importantes características do intraempreendedorismo é a agilidade das startups e uma mentalidade diferente em relação a erros (“errar rápido para acertar rápido”).

O intraempreendedor entende que para fazer algo realmente inovador é preciso quebrar a rotina, seja para fazer alguma coisa sem precedentes, seja para melhorar algo que já existe. Isso implica em cometer alguns (ou muitos) erros durante o processo e aprender com eles, até achar o modelo ideal.

Principais características de um profissional intraempreendedor

Há algumas características consideradas fundamentais para que um profissional coloque esse conceito em prática. São elas:

  • Proatividade: comportamento de antecipação, que impulsiona a busca por mudanças sem que haja a necessidade de estímulos externos; 
  • Pensamento crítico: habilidade de analisar fatos de forma racional, reflexiva e independente, para formar um julgamento; 
  • Automotivação: capacidade de buscar em si mesmo os estímulos necessários para alcançar um objetivo;
  • Inovação: capacidade de explorar novas ideias, seja para criar algo totalmente novo ou então um jeito diferente de fazer algo já conhecido. 

Estar atento a essas habilidades é uma excelente forma de mapear os intraempreendedores da sua empresa. 

→ Leia também: Intraempreendedorismo: o colaborador engajado no processo de inovação

Obstáculos para o sucesso do intraempreendedorismo 

Apesar dos benefícios listados acima, o intraempreendedorismo impõe às lideranças alguns desafios que não devem ser ignorados. 

Vamos comentar cada um deles a seguir para que você consiga traçar novas rotas rumo à uma empresa que estimula o intraempreendedorismo.

  • Pensar no intraempreendedorismo como um evento isolado

O cerne do intraempreendedorismo é inovar dentro de empresas utilizando a sua própria força de trabalho. No entanto, ainda há muita confusão sobre o que é inovação e o que ela significa para cada empresa. 

É preciso, antes de tudo, ter em mente que ‘inovação’ e ‘criatividade’ não são a mesma coisa. Criatividade é parte integrante do processo de inovação, mas não é o que a concretiza. Se a ideia surgida de um processo criativo não for cuidadosamente planejada e posta em prática, ela jamais se traduzirá em um negócio ou alguma melhoria relevante.  

Para que renda frutos a longo prazo e seja uma ferramenta eficaz de inovação corporativa, é preciso fomentar uma cultura de intraempreendedorismo; um mecanismo permanente de criação e desenvolvimento de ideias, pautado no pensamento inovador – que também deve ser cultivado através de um processo planejado e aplicado em todos os níveis corporativos.

  • Não ter uma estratégia para a implementação do intraempreendedorismo

Qualquer iniciativa requer um mínimo de planejamento para que seja bem-sucedida. Com o intraempreendedorismo não poderia ser diferente. Simplesmente comunicar aos funcionários que eles têm a permissão para propor novos negócios e iniciativas, sem nenhum plano ou aparato, pode não surtir efeito.

O estabelecimento de uma estratégia e também de uma estrutura propícia ao desenvolvimento do intraempreendedorismo garante a obtenção dos resultados desejados.

Antes de tudo, a força de trabalho deve ser orientada para que as ideias advindas do processo de intraempreendedorismo sejam criadas e desenvolvidas de acordo com os objetivos da empresa; elas devem estar alinhadas com o planejamento estratégico estabelecido pela diretoria. É o intraempreendedorismo com propósito.

Para que as iniciativas propostas se encaixem no planejamento estratégico da empresa, recomenda-se montar um framework de criação, desenvolvimento e aplicação das ideias para que elas atendam aos objetivos da empresa ao mesmo tempo que concede liberdade de criação e movimento ao colaborador.

No intraempreendedorismo, o framework não é um conjunto de regras a serem seguidas, é um conjunto de orientações a serem consideradas e possivelmente adaptadas durante o processo.

  • Não abrir mão do controle 

Um dos maiores desafios a serem superados pelas empresas que desejam fazer do intraempreendedorismo uma ferramenta de inovação é aprender a dar autonomia aos intraempreendedores.

A cultura que fomenta o intraempreendedorismo é contrária aos mecanismos tradicionais de funcionamento das grandes empresas, que prezam pelo controle de tudo o que está sendo desenvolvido. O excessivo apreço por controle impõe obstáculos à criatividade e agilidade.

O intraempreendedor deve sentir que está sendo orientado e não controlado, do contrário, isso pode se tornar um empecilho no engajamento do funcionário nesta jornada. A liderança deve atuar simplesmente como um facilitador.

A metodologia da empresa deve ser ajustada à agilidade do intraempreendedorismo, cujo funcionamento se assemelha ao das startups: as decisões são tomadas de forma ágil e as ideias rapidamente prototipadas.    

Como estimular o intraempreendedorismo nas empresas?

Você deve estar se perguntando, mas então como estimular o intraempreendedorismo nas empresas?

E a resposta para essa pergunta passa por diferentes ações, mas há algumas estratégias que se sobressaem mais nesta frente. São elas:

1. Entenda o que os colaboradores pensam sobre a empresa

O intraempreendedorismo só se desenvolverá plenamente se o ambiente for propício. Em outras palavras, empresas nas quais os colaboradores se sentem oprimidos são empresas que costumam minar este modelo.

Para saber qual é o nível de satisfação dos colaboradores nesta frente, a melhor forma é realizar uma pesquisa de clima organizacional. 

Com a ajuda desta ferramenta, você conseguirá, por exemplo, identificar se eles se sentem confortáveis para expressar suas ideias e opiniões – algo fundamental para que o intraempreendedorismo se desenvolva.

 2. Dissemine informações relevantes

Muitas pessoas possuem um espírito empreendedor e ainda não sabem. Com as estratégias certas, você pode ajudá-las a despertar esse lado.

Um bom jeito de fazer isso é promovendo palestras e workshops dentro da organização que abordem a temática. Essa é uma excelente forma, inclusive, de desenvolver uma cultura de inovação na sua empresa.

 3. Mapeie e desenvolva as competências necessárias

Como dissemos anteriormente, há algumas habilidades que são muito comuns em pessoas com perfil empreendedor. Portanto, não deixe de estar atento aos colaboradores que reúnam essas características.

Uma vez identificados, você pode instruir esses profissionais a disseminarem a inovação dentro dos negócios.

Vale lembrar, ainda, que muitas dessas competências também podem ser desenvolvidas ao longo do tempo. Que tal pensar em estratégias que cumpram com este propósito, como programas de coaching?

4. Treine as lideranças

Por último, não podemos deixar de dizer que os líderes são uma peça fundamental para fomentar a inovação dentro das organizações. Afinal, eles são responsáveis por incentivar e motivar constantemente seus liderados.

Neste contexto, desenvolver as lideranças e ensiná-las a importância de algumas práticas, como a delegação de tarefas e o microgerenciamento, pode ser muito benéfico.

**

Como você acompanhou, há muitas formas de incentivar o intraempreendedorismo entre os colaboradores. 

Para definir a melhor estratégia, é recomendável avaliar o momento pelo qual o seu negócio está passando e quais são os objetivos que ele pretende alcançar no médio e longo prazo.

Agora que você já conhece o poder do intraempreendedorismo, saiba como inovar de maneira sistemática. Clique no banner e acesse o Guia prático para a gestão da inovação.

Voltar