Fique por dentro! Assine nossa newsletter

03/09/2020
Por
MJV Team

Gestão de inovação: crie um ambiente propício para a geração de soluções inovadoras

A gestão de inovação engloba todo o processo de gerenciamento do procedimento de inovação de uma organização.

Começa desde a ideação e vai até o estágio final da implementação bem-sucedida. Além disso, abrange as decisões, atividades e práticas de elaboração e implementação de uma estratégia de inovação.

Trata-se de uma disciplina de negócios que visa impulsionar um processo ou cultura sustentável de inovação dentro de uma empresa. Muitas vezes, essa iniciativa utiliza um método disruptivo de mudança para transformar os negócios.

Sobre isso queremos ajudá-lo a refletir com este artigo. Continue lendo para entender em profundidade o que é a gestão de inovação e como você pode fazer uso dela para gerar soluções inovadoras no seu negócio!

Gestão de inovação e resultados expressivos

Na era da transformação digital, as organizações enfrentam a necessidade de inovar mais e inovar rapidamente. 

A inovação impulsiona o crescimento dos negócios e coloca a organização à frente de seus concorrentes. Nesse sentido, o gerenciamento da inovação ajuda a gerar novos modelos de negócios e cria novos produtos, serviços e tecnologias projetados para o mercado em mudança. Realizado adequadamente, também aumenta a satisfação do cliente e o engajamento dos funcionários.

Dentre inúmeras outras formas, a inovação pode ser:

  • De desempenho: uma nova ideia para um mercado conhecido. Um aprimoramento da oferta existente, geralmente possibilitado por novas tecnologias.
  • Incremental: desenvolvimento adicional e/ou otimização de produtos, serviços ou modelos existentes. Esses ajustes são frequentemente usados ​​para reduzir custos, otimizar os benefícios do cliente ou fazer um reposicionamento de mercado.
  • Radical: ideias completamente novas são implementadas em produtos, serviços ou modelos de negócios. Possuem grande impacto porque novos mercados ou necessidades dos clientes podem surgir dessa inovação.
  • Sustentável: é uma forma das empresas defendem em suas posições no mercado e permanecem em competitivas. Qualquer inovação que melhore uma oferta é, portanto, uma inovação sustentável — independentemente de ser radical ou incremental.
  • Disruptiva: inovações que moldam um novo mercado e perturbam os mercados estabelecidos. São frequentemente possíveis por meio de novas tecnologias. Se uma inovação é disruptiva, muitas vezes depende da perspectiva — embora o carro elétrico seja uma inovação radical para a indústria automotiva, ele é prejudicial para a indústria do petróleo, por exemplo.

Além desses, a inovação também pode ser aberta ou fechada. 

  • Inovação aberta: É um processo que gira em torno do livre trânsito de ideias, em busca de soluções de negócio para além das fronteiras corporativas, a partir de parcerias com outras organizações e instituições de pesquisa.
  • Inovação fechada: realizada somente com recursos e equipe interna. 

Para gerenciar a inovação organizacional, precisamos estar cientes de que tipo de inovação estamos falando. De qualquer forma, já se sabe que, com boa gestão de inovação, as empresas conseguem: 

  • Ser mais inovadoras
  • Protagonizar inovações no mercado  — e não apenas reagir a inovações vindas de fora

Construindo um ambiente propício para soluções inovadoras

Para que o processo de gestão da inovação seja bem-sucedido, é essencial que a empresa apoie uma cultura de inovação e faça com que os funcionários se sintam valorizados nesse contexto. Isso incentivará as equipes a gerar ideias de qualidade em troca de reconhecimento.

Hoje, as organizações estão aproveitando a tecnologia colaborativa, como as redes sociais, para obter feedback de clientes. Isso as ajuda a gerar um fluxo constante de ideias das partes interessadas, dentro e fora da empresa.

Para fazer da gestão de inovação uma parte rotineira dos negócios, muitas corporações seguem uma abordagem disciplinada e cíclica.  

A ideia é o primeiro passo para a inovação — e incentivos e feedbacks ajudam a incentivar um fluxo constante delas.

 O próximo passo em um processo de inovação bem gerenciado é identificar as ideias mais valiosas e viáveis. Elas podem avançar para, por exemplo, criar protótipos de produtos com base nas ideias pré-selecionadas e implementá-los para ver como funcionam. Na etapa final da implementação, é importante avaliar o resultado para verificar se os objetivos de negócios desejados foram alcançados.

Não sabe por onde começar? Peça ajuda!

Nesse cenário, está cada vez mais comum buscar ajuda de consultorias especializadas em gestão de inovação — como é o caso aqui da MJV, que tem auxiliado empresas de diversos segmentos do mercado a criar um ambiente propício à inovação. 

Seja como for, tudo começa pela ambientação da cultura inovadora no negócio. Isso não é um processo que se faz da noite para o dia, mas é essencial para o avanço dos negócios.

Pode-se dizer, de maneira bem prática, que: 

A cultura de inovação é um ambiente que dá suporte ao pensamento criativo e avança nos esforços para extrair valor econômico e social do conhecimento. Ao fazê-lo, gera produtos, serviços ou processos novos ou aprimorados. 

→ Aprofunde-se um pouco mais baixando nosso e-book sobre Cultura de Inovação!

Como desempenhar uma boa Gestão de Inovação

Não existe uma receita para a gestão de inovação, até porque isso seria limitar o poder inovador dos líderes que atuam nesta área. O que existem são práticas já testadas e que demonstraram efetividade em muitos negócios.

Nesta linha de pensamento, preparamos algumas dicas para você fazer uma boa gestão de inovação em sua organização. Confira, a seguir!

Trace objetivos claros e obtenha apoio do corpo diretivo

A gestão da inovação exige o comprometimento da alta cúpula do negócio. Sem isso, faltará orçamento, suporte em interfaces, decisões rápidas etc.

Para que a inovação funcione de cima, o compromisso claro também exige um mandato da gerência. 

Em suma, você precisa definir com a direção: 

  • Expectativas da gestão de inovação
  • Objetivos e finalidades da inovação — o que deve ser alcançado?
  • Delimitação do gerenciamento da inovação (por exemplo, a tarefa de pesquisa e desenvolvimento, gerenciamento de produtos etc.)
  • Ancoragem organizacional — Qual área é responsável? Como relatar? Para quem?
  • Definição de responsabilidades — Operacional (por exemplo, definir quem é o gerente de inovação, quem é responsável pelo gerente de produtos etc.) e Estratégico (propriedade do processo, promotores etc.)
  • Condições adicionais (por exemplo, orçamentos ou partes interessadas importantes)

→ Confira também nosso e-book Inovação: cultura como drive para tecnologias emergentes!

Faça a orientação estratégica das atividades de inovação

No início, a gestão de inovação não requer uma estratégia sofisticada, mas as diretrizes precisam ser definidas.

Se “inovação” ainda é um termo nebuloso dentro da sua empresa, vai acabar tendo ideias que não cabem e pode desperdiçar recursos valiosos. E quando falamos em recursos valiosos é importante lembrar que o tempo também é um deles. 

As principais questões estratégicas a serem respondidas no início são: 

  • Qual é a nossa visão da inovação? 
  • Qual é a contribuição da inovação para a estratégia da empresa?
  • O que queremos alcançar com isso?

Essas respostas são a pedra angular de todas as atividades da gestão de inovação. Deve haver clareza em todos os níveis, porque, caso contrário, não haverá um objetivo comum e não será possível reunir todos. 

Se essas respostas forem claras e bem definidas, outras questões estratégicas também serão fáceis de responder. 

  • Quero ser um líder em inovação ou um excelente seguidor? 
  • Qual é o nosso objeto de inovação: produtos, processos, modelo de negócios…?
  • Qual é o grau de inovação desejado e quanto risco queremos correr?
  • Até onde queremos inovar fora dos nossos negócios?

A partir dessas respostas,  derivam os objetivos de inovação, que orientam todos os stakeholders. Para a estratégia de inovação, também é necessário determinar como medir a conquista e o sucesso — algo que fica mais fácil a partir das diretrizes. 

Delimite os campos de pesquisa

A definição de campos de pesquisa também é uma tarefa no gerenciamento estratégico da inovação. Eles são tópicos futuros (em termos de mercados, produtos, tecnologias, tendências etc.) nos quais você deseja inovar. Servem como foco temático a fim de atingir as metas de inovação e dar orientação.

Aqui estão algumas práticas para a identificação de campos de pesquisa:

  • Análises de tendências e futuras
  • Análise tecnológica
  • Análises de mercado (necessidades futuras do cliente, concorrência, mudanças no mercado etc.)
  • Oficinas especializadas
  • Oficinas de clientes (por exemplo, com usuários principais)
  • Pesquisa literária
  • Análise de competências
  • Análise da árvore da inovação 

→ Os campos de pesquisa não são esculpidos em pedra. Sua definição deve ser um processo ativo, para não cair em um beco sem saída.

Facilite a geração de ideias e as colete

Agora, trata-se da ideia. No quarto passo para a introdução da gestão de inovação, os especialistas indicam focar na coleta das ideias. E existem muitas maneiras de procurá-las. 

É importante que a metodologia também possa ser usada para encontrar as ideias de acordo com os campos de pesquisa. 

Aqui estão quatro maneiras de fazer ideias:

  1. O processo de busca pode ser instalado permanentemente e para todos os funcionários. Todos têm a oportunidade de sugerir a qualquer momento. Isso pode ser feito através de um software de gerenciamento de ideias ou de pessoas de contato definidas, por exemplo, um gerente de inovação ou de produto.
  2. Iniciativas temporárias podem ser lançadas para todos os funcionários e até mesmo para clientes e parceiros contribuírem em tópicos específicos.
  3. Oficinas de criatividade, nas quais várias ideias podem ser coletadas em pouco tempo.
  4. Aplicar um método de inovação para gerar ideias. Por exemplo, benchmarking, visitas a clientes, workshops com usuários, workshops entre indústrias, engenharia de cenários ou até mesmo análises de patentes. 

A lista de métodos possíveis é infinita. Todas as ideias são coletadas para edição em uma loja de ideias. E, no mais tardar, você deve ter pensado em como o processo de inovação pode funcionar.

Desenhe processos de inovação

O processo de inovação começa com a definição do campo de pesquisa e abrange as seguintes etapas:

  • Determinação do campo de pesquisa: quais projetos de inovação serão definidos para os próximos anos?
  • Ideias: como obtemos ideias?
  • Definição da ideia: a ideia é concretizada para ter todas as informações necessárias para a avaliação.
  • Avaliação, priorização e seleção de ideias: os critérios de avaliação são baseados na estratégia. Os critérios mais importantes são: ajuste da estratégia, benefício do cliente, potencial de mercado e viabilidade.
  • Desenvolvimento de conceito ou plano de negócios: após uma fase de análise, todas as funções essenciais, condições da estrutura e objetivos são definidos.
  • Desenvolvimento e teste: o produto ou serviço é desenvolvido e testado.
  • Implementação: inicia a implementação em produção, logística etc..
  • Lançamento no mercado: a inovação é lançada no mercado.
  • Avaliação da inovação no ciclo de vida do produto, com o objetivo de atingir os objetivos de inovação.

Para o processo de inovação, existem vários modelos e ferramentas, como Scrum, lean startup, Design Thinking, gerenciamento de projetos etc..

 Infelizmente, não há receita pronta. É preciso escolher entre todos os modelos de processo de acordo com os requisitos individuais da organização para chegar em um processo personalizado.

Dica: Dependendo do tamanho da empresa, o suporte de TI para o mapeamento, controle e documentação de todas as ideias e projetos de inovação também é útil.

→ Confira também nosso e-book sobre Laboratório de Inovação!

Laboratório de Inovação | MJV Technology & Innovation

Um time, múltiplas ideias 

Por fim, é preciso pensar no gerenciamento da equipe dentro do processo de gestão de inovação. Uma boa equipe é aquela que:

  • Está focada em inovar
  • Possui as ferramentas adequadas para tal
  • Tem liberdade para fazer sugestões e se manifestar 
  • Tem autonomia para agir

Confira, a seguir, algumas ideias apontadas pelo escritor best seller Greg Satell para alinhar seu time para ter ideias incríveis e assertivas, que gerem valor ao negócio!

  • Contrate pessoas dispostas a assumir uma missão: a motivação intrínseca é o que faz as pessoas serem inovadoras; não necessariamente suas capacidades técnicas. Busque aliar habilidades com o ímpeto da criatividade.
  • Promova a segurança psicológica: garanta que cada membro da equipe pode expressar suas ideias sem medo de represálias ou repreensões. Siga a máxima: não existe ideia ruim. 
  • Aposte na diversidade: evite que seu time seja formado por um “tipo” de profissional. Quanto mais diversas forem as origens, as experiências, os gêneros, melhor para seu esforço de inovação.
  • Valorize o trabalho em equipe: a generosidade entre os membros da equipe é fundamental. Valorize a colaboração e a ajuda mútua; isso abrirá caminho para que a inovação flua sem grandes percalços.

→ Leia também: Intraempreendedorismo: o colaborador engajado no processo de inovação!

 

Voltar

Fique por dentro! Assine nossa newsletter