03/30/2020
Por
MJV Team

Em tempos de Trabalho Remoto, como gerir projetos e equipes?

O trabalho remoto é uma realidade cada vez mais palpável, e  agora ficou mais evidente com a pandemia do COVID-19, o temido Coronavírus. 

Essa tendência, que já encontra bastante expressão em várias organizações, agora se tornou necessidade latente para milhões de empresas que pararam suas operações para garantir a quarentena de seus funcionários.

Mas, como gerir projetos e equipes neste modelo de trabalho remoto?

 Aqui, vamos te dar um panorama sobre o que dizem os especialistas no tema. Você verá dicas para garantir que suas equipes sigam produtivas trabalhando remotamente e que seus projetos obtenham continuidade nesse modelo. 

Confira!

Cenários de incertezas pedem mudanças na gestão de trabalho 

Para início de conversa, precisamos pontuar que o trabalho remoto oferece incertezas a muitas organizações; e isso não tem a ver somente com este momento específico de quarentena para combater a curva de infecção do COVID-19. 

Romper com o tradicional modelo de operação no qual os times se encontram entre as quatro paredes dos escritórios requer uma visão mais ampliada, mais alinhada com as tendências. 

Em muitos casos, a gestão de trabalho precisa ser totalmente redesenhada, e é aí que as coisas podem ficar mais complexas. 

A distância no tempo e no local adiciona complexidade significativa aos projetos, exigindo técnicas, ferramentas e habilidades sociais que podem estar fora do alcance tradicional dos líderes de equipes e/ou gerentes de projetos.

O futuro é o trabalho remoto

Também é importante aceitar que o futuro do trabalho é remoto. “Os líderes que desejam atrair e reter os melhores talentos do mercado devem saber a importância das políticas flexíveis para a força de trabalho”, afirma um relatório global da Gallup, Inc., uma das mais importantes empresas de pesquisas de opinião pública. 

Em uma pesquisa trazida a público em janeiro de 2020, a Gallup aponta que 54% dos entrevistados partiriam para um emprego que lhes ofereça horários flexíveis e 37% para um emprego que ofereça a opção de trabalhar remotamente pelo menos parcialmente.

Isso tem a ver com um novo movimento social, que, segundo os especialistas da Gallup alinhados com outros pesquisadores, está ancorado na facilidade tecnológica existente. 

O movimento é ainda mais perceptível entre os Millennials e Centennials, gerações que usam a tecnologia para facilitar suas vidas, são mais críticas e têm mais anseio em participar de iniciativas com sentido socioambiental — portanto, requerem mobilidade, respeito à individualidade, entre outros aspectos. 

Transição para modelos descentralizados 

A gestão do trabalho remoto, contudo, requer modelos descentralizados de controle. Isso significa dar mais autonomia aos profissionais que, sabendo claramente o que devem entregar, podem tomar suas próprias decisões de como trabalhar.

Descentralizar a gestão, nós sabemos, não é tarefa simples para a maioria dos líderes tradicionais. 

Nessa prática, a autoridade geral ainda é mantida pelos gerentes de nível superior, que fazem as políticas que influenciam as principais decisões da empresa, mas a maioria das responsabilidades é delegada ao próprio time.

Quando olhamos para a questão dos projetos em si, realizados remotamente, eles precisam ser desenhados e executados também de uma maneira descentralizada. E isso é alcançado ao proporcionar para a equipe ferramentas de colaboração e comunicação, onde todos podem reportar o progresso de suas atividades.

O próprio emprego de metodologias ágeis, como o SCRUM ajuda a descentralizar o gerenciamento de projetos. O Scrum proporciona um conjunto de reuniões, ferramentas e funções para ajudar as equipes a estruturar e gerenciar seu trabalho. Esse método pode ser perfeitamente aplicado remotamente. 

→ Leia também: Gestão de equipes remotas: como as práticas ágeis podem ajudar!

Liderança distribuída

Outro ponto importante para a boa gestão do trabalho remoto é a liderança distribuída. Esse conceito se concentra na propriedade emergente de um grupo de pessoas interagindo, ampliando a rede convencional de líderes em potencial e no conhecimento distribuído por muitas pessoas. 

À medida que os projetos se tornam cada vez mais complexos, a liderança precisa ser mais distribuída ou espalhada por líderes e liderados. Em outras palavras, eles lideram proativa e coletivamente o projeto, em vez de a equipe ser passivamente liderada por um líder de equipe. 

Nessa visão, a liderança é tratada como um grupo e não como um indivíduo. Quando as pessoas trabalham juntas de forma a reunir suas iniciativas e conhecimentos, o resultado é um produto e/ou serviço que é maior que a soma de suas ações individuais. 

No entanto, ainda precisamos de líderes em liderança distribuída. Fica claro que o papel de um gerente de projeto é o de ser coordenador e facilitador. Embora os indivíduos possam assumir o papel de conduzir um projeto, em geral a liderança é feita pelo grupo, e não pelos indivíduos.

O poder da colaboração

Para finalizar, também precisamos falar sobre a colaboração. Ela é o elo que une todos os esforços necessários para que o trabalho remoto aconteça bem entre as equipes, e para garantir que os projetos realizados remotamente obtenham sucesso.

Ainda que o trabalho em home office tenha um certo apelo ao individualismo, é preciso lembrar que tudo tende a ser mais produtivo — e a produção é mais eficiente — quando as equipes estão engajadas e colaboram. 

Segundo um estudo realizado por especialistas em Psicologia Social do Babson College, as equipes que trabalham colaborativamente gastam 64% mais tempo em uma tarefa do aquelas nas quais os indivíduos trabalham sozinhos em suas tarefas; e as empresas que promovem o trabalho colaborativo têm cinco vezes mais chances de obter alto desempenho. 

Em suma, como você viu, há desafios relacionados ao trabalho remoto. Gerir projetos e equipes neste modelo requer descentralização de poder, liderança distribuída e um forte senso de colaboração.

Sua empresa já está explorando o trabalho remoto de maneira proveitosa? O que você achou da reflexão que trouxemos neste artigo? Entre em contato conosco!

Voltar