Fique por dentro! Assine nossa newsletter

06/16/2020
Por
MJV Team

O mundo pós-normal: que futuro você escolhe construir

O mundo que encontraremos após a pandemia não será igual ao anterior. O novo coronavírus trouxe uma série de transformações. Com a quarentena, a vida mudou drasticamente e o futuro parece ter ficado suspenso.

Ainda é cedo para ter certezas absolutas mas, como pesquisadores e inovadores, nosso dever é buscar soluções e entender como elas vão nos ajudar daqui pra frente. A seguir, trazemos um panorama de como serão os cenários do pós-normal.

Motores de mudança no mundo em construção

No contexto pós-normal, com a retomada de novas rotinas e ressocialização das pessoas, surgirão mudanças no mundo. Neste novo cenário, a única certeza que temos é a reinvenção. O novo normal é uma construção contínua e de todos nós.

É aí que entram os “Motores de Mudança”. Eles são forças disruptivas que estão presentes em todos os cenários e podem ter diferentes impactos em diferentes futuros. Destrinchamos a seguir o que significa cada um destes motores no mundo pós-pandemia.

1. Corpo humano coletivo

No mundo pós-covid, a saúde ganha uma nova camada de significado. Ela vai além do indivíduo, alimentada pela mídia, por dados e pela vigilância, impulsionando o senso de responsabilidade coletiva. 

2. Síndrome de Titanic: desigualdade em camadas

A desigualdade está atingindo novos recordes e também novos fundamentos. São eles: trabalhadores, negócios, estilos de vida, saúde, educação pública, políticas governamentais, acesso a tecnologia e até entre as nações.

Os problemas globais são resolvidos com injustiça e visões unilaterais, ao mesmo tempo em que exigem respostas coletivas, holísticas e justas.

3. Inteligência Virtual, intimidade digital e perda da serendipidade

Há a sensação de que os benefícios do contato pessoal serão perdidos. Um novo tipo de inteligência social deve surgir, uma vez que o meio que nos relacionamos está sendo alterado. 

Mais tempo na frente da tela exige energia. E teremos que desenvolver um novo tipo de inteligência para lidar com isso e combater a superficialidade, a automação e a falta de situações inesperadas em nossas rotinas digitais.

4. A vida de dentro

Se o isolamento recorrente ou simplesmente o trabalho remoto for incorporado na sociedade, relacionamentos, lares, hábitos de consumo e vida profissional provavelmente irão mudar drasticamente. 

Nesse contexto, deixamos aqui uma pergunta que ainda não tem resposta: como será o mundo externo se nossas vidas acontecem cada vez mais do lado de dentro? Certamente não como era antes.

5. O futuro é urgente

Parece que o futuro já está cobrando o preço pela omissão. É urgente que cidadãos, governos e empresas comecem a trabalhar suas habilidades de antifragilidade, reconhecer o efeito de correlação e a implicação das ações de hoje no amanhã. 

Precisamos desse senso de urgência para pensar em nossos próximos passos. O futuro nasceu e cabe a nós desenvolvê-lo.

6. Individualização em escala

Graças ao desenvolvimento tecnológico, o mundo parece cada vez mais passar da centralização e produção em massa para a descentralização e individualização em escala. 

A pandemia agora está ampliando o escopo. O que antes era usado principalmente para bens de consumo e entretenimento, agora chega a novos campos. As necessidades de rotinas de saúde, educação, transporte e trabalho também passam a ser personalizadas.

7. Crise de confiança e informatoxicação 

As pessoas estão mais confiantes para compartilhar qualquer ideia online com a mesma autoridade de fontes verificadas. Todos se tornaram “especialistas”. 

Há uma terra fértil para gritos online em massa, guerras de informação e falsificações que levam à desconfiança generalizada. Ao mesmo tempo, a ciência e a academia tradicional não se tornam mais acessíveis.  

Acrescente à mistura intoxicação por informações. Resultado: histeria em massa, ansiedade e outros subprodutos desagradáveis. 

Os valores estão mudando e o que antes era suficiente, agora está obsoleto. As pessoas estão procurando outras fontes e atores para depositam suas fichas de confiança.

8. Digital sem fronteiras

À medida que a alfabetização digital aumenta, as empresas podem tirar proveito desse novo “mercado” e desenvolver o relacionamento atualmente inexistente com novos produtos. Em meio a uma confusão mundial, um novo agente aparece.

A hiper-digitalização pode levar à hiper-aceleração da economia digital. Demandas emergentes por empregos virtuais relacionadas à criação e à manutenção de uma economia digital reforçada fortalecem um mundo digital e sem fronteiras.

9. Mundo em suspensão

Há a sensação de que tudo está acontecendo muito rápido. As pessoas e os mercados não sabem para onde ir, o que esperar ou como reagir. 

  • Empresas entram no modo de sobrevivência persistente, concentrando-se em ações e pensamentos de curto prazo. 
  • Governos estão desorientados e sem estratégias. 
  • Líderes governamentais femininas emergem como protagonistas na liderança da crise.

As habilidades de adaptação rápida, antifragilidade e reinvenção tornaram-se uma necessidade.

10. Dinheiro e valor reinventados

Valores não monetários estão sendo “tokenizados” e usados para mediar o comércio e possibilitar o investimento. A própria noção de lucro pode mudar para se tornar uma métrica mais “humana”. 

Como subproduto, surge o questionamento  do papel tradicional das empresas, dos governos e da sociedade civil.

  • Todos esses motores estão em nossa pesquisa “Novo-Normal em Construção”, que mapeou incertezas e oportunidades em tempos sem precedentes. Para saber mais sobre nossas descobertas, acesse aqui!

Como estar preparado para o futuro? 

Com tantos mudanças, o que realmente importa no novo cenário é o reposicionamento estratégico. A MJV já nasceu com o mindset de co-criação. O Design Thinking está em nosso DNA e será esta metodologia o pano de fundo para este reenquadramento. 

Propomos um formato próprio para permitir diagnosticar, conceituar e validar de forma ágil um redirecionamento estratégico assertivo e aderente aos desafios do contexto. Uma vez que as novas incertezas demandam agilidade, o formato proposto visa revisitar e “pivotar” rapidamente os business plans vigentes.

Neste novo contexto, a cultura anti-frágil também será essencial. No meio do caos trazido pela pandemia, será preciso estar pronto para encarar novos eventos de forma natural e aprender a utilizá-los de maneira positiva para os negócios. Ao invés de apostar na prevenção de  riscos, será preciso encará-los.

Com a valorização da vida e a humanização das relações, estratégias de User-Centrism se tornarão ainda mais importantes. Elas ajudarão a encontrar as necessidades ainda não exploradas e se tornarão um modelo a ser seguido. Neste contexto, serão identificadas ferramentas e objetivos distintos para compreender as pessoas no novo cenário, além de criar e testar soluções e, finalmente, implementá-las com planejamento.

Para estarmos preparados para o mundo pós-normal, é necessário o desprendimento de que seu negócio e processo são o centro. Neste novo contexto, o usuário o centro do universo.

Você já sabe que futuro você e sua empresa querem construir juntos? Vamos tomar um café e conversar sobre isso. Entre em contato conosco! 

Voltar

Fique por dentro! Assine nossa newsletter