04/02/2019
By
MJV Team

Guerra Infinita: conheça os superpoderes do Data Science

Continuando a nossa série de posts sobre Vingadores: A Guerra Infinita, vamos voltar para a aurora do universo, quando tudo era um.

Na história da Marvel, as Joias do Infinito surgiram antes mesmo do Big Bang. Depois da explosão, elas se espalharam, cada uma com o poder de controlar um aspecto específico da nossa dimensão: Tempo; Espaço; Realidade; Mente; Alma; e Poder. Essa foi a explicação do Colecionador, no primeiro Guardiões da Galáxia, lembra?

“Espera, mas o que isso tem a ver com Data Science?”. Calma, vamos chegar lá. Na MJV, a infinitude do universo é representada pela quantidade de dados que geramos todos os dias. É o próprio Big Data! Afinal, quando dizemos que produzimos centenas de zettabytes de dados anualmente, estamos falando de algo tão abstrato quanto a infinitude do universo, não é verdade?

Geramos tantos dados hoje que mal somos capazes de processar tudo isso — analisamos menos de 5% desse volume. E não pense que as organizações fogem dessa regra, elas também perderam a capacidade operacional de analisar dados importantes, externos e internos, relativos aos seus processos, clientes, mercado, entre outras coisas.

Então, a pergunta que fica é a seguinte: como dominar esse universo de dados e usá-lo ao seu favor? É aí que entra a manopla do infini… Quer dizer, o Data Science.

Data Science e os poderes da manopla do infinito

A manopla do infinito é a ferramenta mais poderosa de todo o MCU (Marvel Cinematic Universe). Ela é capaz de reunir o poder das seis joias em um lugar só, conferindo poderes extraordinários para o seu usuário. Com ela, você tem a capacidade de controlar o universo em suas mãos, literalmente. Basta lembrar do estalar de dedos do Thanos no último filme.

Já imaginou o que você poderia fazer com esse poder? Pois bem, assim como a manopla, o Data Science também possui seis competências básicas, utilizadas pelo cientista de dados para controlar todo o universo de dados desestruturados. Afinal, como vimos no nosso primeiro post, é um ramo do conhecimento multidisciplinar.

O diagrama de Venn para o Data Science, criado por Drew Conway, mostra muito bem essas competências.

Agora, nós vamos explicar como tudo isso se relaciona com as Joias do Infinito:

Joia do Poder: Computer Science/IT

A Tecnologia da Informação (TI) tem poder transformador, certo? As habilidades em Computer Science/IT auxiliam a projetar e usar algoritmos para o processamento, armazenamento e a visualização de dados. Como pode perceber no diagrama, essa é uma das áreas macro de conhecimento no Data Science.

Joia do Espaço: Matemática e Estatística

Com a matemática e a estatística, temos a capacidade de entender a dimensão desses dados. Essa habilidade ajuda a modelar e resumir grandes conjuntos de dados. No diagrama, também é uma das grandes áreas de conhecimento que dão suporte para o Data Science.

Joia da Alma: Conhecimento do negócio

O conhecimento do negócio é a “alma” do Data Science. A utilização dessa expertise possibilita a criação de insights mais alinhados. É um processo mais intuitivo, capaz de formular perguntas certas e colocar todas as respostas que obtivemos no contexto mais apropriado. Também é uma área macro que precisa ser considerada.

Joia da Realidade: Pesquisa Tradicional

Acontece quando unimos expertises em matemática e estatística com o conhecimento do negócio. É na pesquisa que conseguimos coletar esses dados para futuras análises, principalmente sob a perspectiva do know how da área de conhecimento explorada. Colabora com o entendimento da realidade que nos cerca.

Joia do Tempo: Desenvolvimento

Essa competência surge da junção da Tecnologia da Informação (TI) com a expertise em negócios. Podemos criar sistemas para automatizar todo o processo, otimizando e acelerando análises. Essa tarefa é fundamental, pois, como vimos na primeira postagem, as organizações perderam a capacidade operacional de processar tantos dados.

Joia da Mente: Machine Learning

Para fechar, nós temos também a joia do Machine Learning. A inteligência artificial, além de ser “produtizável”, também é amplamente utilizada em soluções de Data Science. A identificação de padrões ajuda não só os cientistas de dados, como também a criação de sistemas mais inteligentes e com menos falhas.

A guerra pelas joias do infinito

Você pode não ter percebido, mas já começou. De forma silenciosa, filme a filme, a guerra pelas Joias do Infinito caminha para o seu clímax. A princípio, achávamos que o grande vilão era Loki, depois Ultron, mas era Thanos quem estava nos bastidores de tudo, alimentando uma guerra intergalática.

Voltando para a nossa realidade, o GAFA (Google, Apple, Facebook e Amazon) está ditando as novas regras para o mercado, tudo isso porque percebeu, desde cedo, o potencial da análise de dados e de uma cultura data-driven e 100% digital. Foram pioneiros em utilizá-los como a vertente digital dos seus negócios.

É preciso abandonar o mindset analógico urgentemente e escolher o lado certo. As Fintechs já perceberam isso. Empresas como Nubank e Uber, também perceberam logo. Chegou a hora de promover a transformação digital, o mindset data-driven e, acima de tudo, o Data Science na sua organização.

Em um mercado onde o estudo da ciência do futurismo já é uma realidade e decisões são tomadas com base em dados e criação de cenários, não podemos mais nos dar ao luxo de dirigir empresas com a venda nos olhos. É preciso se posicionar com estratégia e saber exatamente para onde a sua organização vai. Esse é o segredo para vencer!

A entrada de Thanos: um olhar sob o mindset analógico

Pode ter certeza: se você estiver perdendo essa guerra, significa que precisa não só adotar o Data Science na sua estratégia de negócios, como promover uma mudança de mindset na sua organização. Para triunfarmos, precisamos derrotar o mindset analógico, que será representado por Thanos na nossa série de postagens, e caminhar para a transformação digital.

Acompanhe as cenas dos próximos capítulos para saber mais sobre esse vilão que pode prejudicar sua organização e descobrir como derrotá-lo.

Gostou do nosso post de hoje? Então, confira também o nosso blog post sobre Data Science!

Ebook - Data Science: a guerra infinita

Voltar