Fique por dentro! Assine nossa newsletter

04/27/2020
Por
MJV Team

Comunidades digitais: descubra a importância para os negócios e como construir uma

Lá no ano de 540 a.C., Heráclito descobriu que nada é permanente, exceto a mudança. As habilidades de mudar, transformar e adaptar não são novidades em nossa sociedade.

A transformação remota é o novo normal. Todas as empresas precisam fazer esse movimento. Não há outra solução!  Os times já estão todos distribuídos – alguns até já eram, mas a maioria ainda estava dividindo a mesma mesa em algum escritório por aí. 

Tudo é uma questão de escolha. A transição pode ser fluida e cheia de oportunidades de melhoria ou dolorosa – para os menos resilientes. 

Para que a sua transformação remota seja a do primeiro tipo, compartilharemos algumas dicas para obter os melhores resultados. 

Traremos uma série de pontos para reflexão que podem colaborar bastante com a construção de um presente e um futuro bem mais desejável, a partir do engajamento e do bem-estar da sua comunidade. 

Por que transformar times distribuídos em uma comunidade motivada? 

Antes de tudo, vamos fazer um combinado? É bem rapidinho. Gerir times distribuídos não tem a ver com uma questão geográfica – esse é só um pequeno componente. Na verdade, é sobre cultura, é um mindset. Alinhamos nossa visão? Agora, estamos prontos. Já podemos seguir. 

As organizações exponenciais, unicórnios, startups, love brands, techs e big techs se expandiram para além das suas fronteiras organizacionais, alavancando e acessando pessoas, ativos e plataformas para maximizar a flexibilidade, a velocidade, a agilidade e a aprendizagem. 

E como elas fizeram isso? 

Com uma gestão descentralizada

Mas não só isso. Não são só uma porção de colaboradores espalhados. E esse é um ponto de muita atenção nesse momento. 

Vale anotar! Para esse novo chegar, será preciso abrir mão do velho, promovendo: 

  1. comunicação sem ruído
  2. transparência
  3. valorização 
  4. autonomia 

É o momento de repensar o lugar que seus colaboradores têm, de verdade, na sua estratégia.

Cuidar da sua comunidade é prioridade agora. E acredite: quando isso tudo passar, também será. 

Dois fatores podem trazer uma série de benefícios. 

  • Envolver os funcionários 
  • Permitir uma cultura de colaboração 

Benefícios de uma comunidade motivada e engajada para o seu negócio 

  • Fortalecimento do sentimento de pertencimento 
  • Mais transparência: colaborador mais informado e envolvido com os conteúdos da empresa
  • Mais colaboração e cocriação em tempo real 
  • Facilitação de novas maneiras de trabalhar, como equipes em rede e multifuncionais 

10 dicas para construir uma comunidade feliz

Esse novo tempo pede valores mais sensíveis. Sim, afinal, não estamos fazendo home office porque faltou água na empresa. 

Na verdade, estamos trabalhando de casa em meio à pandemia. Alguns estão sozinhos, outros com a casa cheia, não podemos esquecer dos que ainda tem que dar conta dos filhos e dos pais. 

Vivemos um isolamento social que vai salvar nosso mundo, mas que, ainda assim, promove impactos na forma de trabalhar. É uma situação bem diferente, e pede um olhar pra lá de humano. 

O mais importante é não se esquecer que:  acima de tudo, nós somos humanos. 

Produtividade é importante, sim. Ainda mais em um momento de incertezas como esse, mas ela não anda sozinha. Precisa do seu par, o bem-estar, para potencializar seus resultados

Para colaborar com a tarefa de criar comunidades e mantê-las inspiradas, trazemos alguns pontos que valem bastante a reflexão. 

Otimismo salva times 

Pode parecer romântico, em meio a tantos impactos causados pela pandemia, falar de otimismo. Mas a gente vai explicar. 

Acreditar que vai dar certo é uma injeção de ânimo para fazer o que tem que ser feito e também para propor melhorias. 

Spoiler: tem muito de uma cultura forte aqui. Vamos falar disso aí na frente. 

Bem-estar é métrica, sim

Como falamos antes, esse momento que o mundo está passando não é uma simples transformação remota. O isolamento social dá um outro tom à transição. Um mergulho para entender o perfil do seu colaborador pode ajudar a encontrar a melhor forma de fazer gestão remota

Deixamos uma pergunta de ponto de partida aqui: o que realmente importa agora? 

Desapegue do que não funciona

Não existe receita de bolo. De vez em quando, a gente esbarra com alguns manuais de boas práticas, mas se eles não funcionarem para sua empresa, tudo bem! Acredite, será até melhor. 

Um mindset de experimentação vai promover mais conhecimento para encontrar a melhor solução para seus colaboradores. Nosso conselho: entenda o perfil da sua tribo, antes de definir as ações de engajamento. 

Ao invés de focar na solução do problema, foque em dispensar o que está dando errado.

Tire os empecilhos do caminho para alcançar mais rápido à linha de chegada. 

Promova uma cultura forte e verdadeira

Cultura é aquilo que sua equipe e sua empresa fazem quando a sala está vazia, quando ninguém está vendo. Faz muito sentido que ela ganhe tanta relevância em tempos de transformação remota. 

Não há problemas de confiança quando a cultura do seu negócio é forte. Ela é um pilar de sustentação da sua comunidade. Ativa o senso de pertencimento e orgulho. 

Promover uma cultura forte e verdadeira is the new “vestir a camisa” da empresa. 

Nem sempre tudo é sobre produtividade

A gente já falou que antes de estarmos de home office, estamos vivendo um isolamento social por conta de uma pandemia. Esse é um ótimo motivo para ressignificar a produtividade. 

O ócio é criativo. Alta performance tem muito a ver com criatividade, e a gente sabe que é preciso um tempo para exercitá-la. Lembre-se de trazer esses momentos para a rotina do seu time.

Promova reuniões remotas de descompressão e brainstorm. Muitas coisas boas podem sair daí! 

O modelo linear industrial está com os dias contados

Nunca foi sobre tempo sentado na frente do computador. Antes da pandemia também não era. Há pouquíssima relação – quase nenhuma – entre o tempo na frente do computador e a qualidade da entrega realizada.

Na maioria das vezes, é bem mais sobre alinhamento, conexão, sentimento de pertencimento. Sobre o orgulho do time, da gestão, da empresa, dos serviços e produtos que ela vende. É o famoso olhar de dono. 

O novo normal é a Economia Circular

É possível fazer a engrenagem gerar impacto para algo bem maior. Vale destacar que a economia circular não é contra o lucro. Muito pelo contrário: quem se alinha a ela consegue identificar oportunidades de negócios que estavam escondidas pela própria lógica linear industrial que estamos acostumados a ver. 

A questão aqui é que é possível gerar um impacto social positivo sem que, para isso, altos investimentos sejam feitos. Pensar em algo realmente relevante para o mundo, ter um propósito

O novo paradigma pede valores mais sensíveis

É hora de revisar – pensar no que é urgente. Desapegar do que não funciona mais, sem culpa. Abrir espaço para um modelo diferente do que o que nós tínhamos.

É aquele momento de olhar para o lado.  Olhar com uma lupa para a natureza dos problemas que essa mudança carrega em si e que nossas antigas ferramentas não enxergam mais. 

É hora de identificar as oportunidades que existem em outros paradigmas: 

  • Lógica da abundância
  • Economia circular
  • Organizações exponenciais
  • Empresas pós-digitais 

É tempo de reinventar-se. Reinventar negócios, processos e legados. Participar da reinvenção da sociedade. Construir o futuro que queremos – antes que alguém o faça.

Desenvolva seus colaboradores

Ganha espaço a liderança que também pode ser assumida por integrantes do time — sim, colaboradores com escopo para a tomada de decisão — e até mesmo pelo time todo. 

Por isso, está um passo à frente quem priorizou o desenvolvimento dos seus colaboradores. A liderança horizontal desenvolve a equipe para que ela tome decisões de forma ágil e e consciente.

Tire um minuto para olhar a Lógica da Abundância

A força motriz da lógica da abundância está no fato de ter, sim, para todo mundo. A Era Digital facilita bastante esse processo em que o mindset da posse perde lugar para a mentalidade de acesso

O trabalho em rede já está bem alinhado a uma abundância de possibilidades. A partir dele, é possível perceber a cooperação no coração do negócio. 

Lembre-se: vale mais quando todos ganham – seus colaboradores, a sociedade e sua empresa também. Valor compartilhado faz a diferença. 

Que tal experimentar essa nova lógica? O resultado pode ser exponencial. 

Comece agora: engaje sua comunidade!

Um time pouco engajado é a certeza de queda de produtividade e turnover alto. Isso funciona para gestões remotas ou não.

Engajar seus colaboradores é prioridade na transformação remota também.

  • Crie canais para disseminação de conteúdo
  • Busque ações que fortaleçam o senso de pertencimento
  • Comunique-se – com frequência e de forma clara
  • Proporcione conexões com seus times
  • Tenha os valores da sua empresa pulsando em todos os processos que exerce

Se você quer mergulhar nesse novo tempo que pede uma visão mais humana, o Design Thinking pode te ajudar muito. 

E se você acha que vai precisar esperar a quarentena acabar para propor um projeto desse, enganou-se! Revisamos todas as etapas da nossa abordagem de DT e levamos tudinho para o ambiente remoto.

O mundo não está parado, vamos com a gente construir um futuro bem mais desejável. 

 

Voltar

Fique por dentro! Assine nossa newsletter