Fique por dentro! Assine nossa newsletter

02/27/2020
Por
MJV Team

Como transformar sua cultura organizacional com Design Thinking

A força inovadora é um dos elementos mais importantes para o sucesso empresarial.

Empresas de todos os tamanhos, que atuam nos mais diversos segmentos, se esforçam para promover conscientemente a criatividade e, assim, desenvolver ideias e inovações continuamente.

O que todas as organizações reconhecidamente inovadoras têm em comum é que, em algum momento, elas passaram por uma transformação em sua cultura

Mas, como transformar a cultura organizacional, algo que é tão enraizado, que tem a ver com a tradição, com a história do negócio e com as relações entre os indivíduos que o compõem?

Há métodos igualmente inovadores que podem ajudar neste processo. É o caso do Design Thinking, uma abordagem estruturada de inovação. O DT tem o ser humano como foco e busca gerar soluções que alinham o desejo e as necessidades do usuário consumidor à geração de valor para o negócio.

Sobre isso vamos ajudá-lo a refletir ao longo desta leitura. Continue lendo para entender como é possível tornar a cultura da sua empresa mais inovadora com um projeto de Design Thinking!

O que é a cultura organizacional

Vamos dar um passo atrás para começar pelo entendimento do que significa cultura organizacional. 

O psicólogo organizacional e professor do MIT Sloan School of Management,  Edgar H. Schein, criou um modelo de nível cultural que distingue 3 níveis de cultura organizacional: 

  • Em sua superfície, pode ser experimentado através de artefatos na forma de símbolos e rituais
  • Abaixo estão os valores coletivos que controlam o comportamento
  • O nível mais baixo consiste em suposições inconscientes sobre normas sociais básicas

Schein aponta que esses níveis formam a “visão de mundo” da organização. Todos fazem parte da complexa “ordenação” do sistema social organizacional. Eles interagem entre si e evitam o controle total. 

Dentro disso, valores coletivos e premissas básicas só podem ser influenciados muito lenta e indiretamente. Isso porque somente os artefatos visíveis da cultura organizacional podem ser projetados. Porém, há idiossincrasias difíceis de serem “materializadas”.

Dessa forma, a empresa que quiser introduzir o Design Thinking para apoiar uma transformação trabalhará com artefatos de uma cultura de inovação. Portanto, é contraproducente abordar a introdução do Design Thinking com uma cultura que não está alinhada a este mindset.

É preciso considerar — e falaremos disso mais adiante — que o Design Thinking não é apenas um processo criativo. Acima de tudo, é uma mentalidade baseada em vários princípios, como por exemplo, colocar o usuário no centro da estratégia. 

E mais: para o desenvolvimento de inovações reais são necessárias habilidades para prototipagem, trabalho iterativo e análise de problemas.

O Design Thinking aplicado ao esforço de transformação cultural

Nada funciona melhor para o esforço de inovação das empresas do que quando elas alinham radicalmente seus produtos e serviços às necessidades dos clientes. Somente se um produto ou serviço realmente melhorar e facilitar a vida das pessoas será bem-sucedido.

À primeira vista, o caminho seguido pelo Design Thinking pode parecer pouco convencional. No entanto, é um processo muito estruturado que oferece espaço para novas ideias, soluções e estratégias.

 O Design Thinking reúne pensamento, atuação, sentimento e uma ampla gama de disciplinas especializadas. É um dos poucos métodos que faz jus à velocidade, complexidade e incerteza do cenário cotidiano dos negócios.

  •  Design Thinking é uma estratégia de solução de problemas e desenvolvimento de ideias centrada no ser humano.

Alguns dos princípios mais importantes do Design Thinking são:

  • Uso de pensamento analítico, intuitivo e empático
  • Processo, equipe e espaço formam uma unidade
  • Os problemas são examinados com muita precisão, especialmente em sua amplitude
  • Colaboração interdisciplinar
  • Não fale sobre isso por muito tempo, apenas tente
  • Prototipagem rápida
  • Pensamentos são visualizados para promover um entendimento comum
  • Não há ideias boas ou ruins, apenas pontos de partida para a inovação

→ Leia também: Design Thinking e Ágil no contexto da Transformação Digital!

Aculturando o Design Thinking para uma transformação substancial da cultura organizacional

Para explorar todo o potencial do Design Thinking, uma coisa é muito importante: ele não deve ser visto como um mero método que é apenas experimentado em um projeto. Você pode fazer isso, mas isso não fará justiça a essa abordagem. 

  • O Design Thinking se torna um verdadeiro catalisador se for desejado do topo e conscientemente entendido como parte da cultura corporativa.

Confira, a seguir, algumas dicas para aculturar o seu time em torno do Design Thinking!

Rompa com o mindset tradicional

O Design Thinking promove um tipo de cultura de inovação que não pode ser conciliado com o pensamento hierárquico estrito, “controle da loucura” que sanciona todos os supostos erros em uma gestão autoritária. 

Isso porque o medo não leva a funcionários motivados ou mesmo a novas ideias, mas ao isolamento e ao pensamento em silo. E isso é a morte da criatividade e da inovação.

Tenha em mente que, além dos aspectos criativos, o Design Thinking enfatiza, acima de tudo, uma abordagem iterativa. Em vez de apresentações brilhantes, é melhor usar protótipos concretos expostos à realidade e às críticas dos clientes. 

Erros na abordagem ou na execução técnica dos protótipos são explicitamente entendidos como uma oportunidade no processo de aprendizado e como um potencial adicional de inovação.

Promova a empatia

É a abordagem empática que possibilita entender as reais necessidades dos clientes da melhor maneira possível. Em tempos conduzidos por concorrentes e soluções rápidas, são necessárias abordagens e ideias que permitam às empresas enfrentar os problemas de maneira diferente. Com a abordagem normal e convergente, fazemos o melhor das alternativas existentes.

Incentive a divergência saudável

Incentive sua equipe a agir de maneira divergente, a pensar com empatia e com a mente aberta. Sempre permita conscientemente várias soluções e pense em todas as direções possíveis.

Traga o Design Thinking para a luz

O Design Thinking requer uma redefinição completa da cultura de trabalho, através da qual os funcionários se definem.

Alegria e diversão no novo, abertura à mudança, educação para o pensamento independente devem ser ativamente promovidas. Isso torna o Design Thinking um “problema” da alta gerência. 

E, como nos esportes ou na meditação, um seminário de dois ou três dias só pode ser o prelúdio de uma prática ao longo da vida. 

Somente quando essas abordagens são intuitiva e automaticamente ancoradas no pensamento e na atuação de todas as pessoas envolvidas é que surgem inovações reais e sucesso a longo prazo no mercado.

Busque ajuda especializada

Monte um projeto de Design Thinking para discutir a forma como as coisas são feitas em sua empresa atualmente. Se necessário, busque ajuda de uma consultoria especializada, pois a novidade pode causar estranhezas entre o seu time.

A abordagem profissional, trazida por uma boa consultoria pode facilitar o entendimento do Design Thinking; também evita mal-entendidos e até resistências à mudança — o olhar externo não é visto como ameaça, dissolve “rusgas” tradicionais e imprime um verniz de sofisticação.

→ Veja como é possível fazer isso na prática; confira um case de sucesso: Intraempreendedorismo: o colaborador engajado no processo de inovação!

Que tal, você está preparado para transformar a cultura organizacional com Design Thinking? Aprofunde-se ainda mais neste tema; baixe agora mesmo nosso best-seller Design Thinking — Inovação em Negócios!

Livro Design Thinking

Voltar

Fique por dentro! Assine nossa newsletter