Share:

Categories:

Quais as principais oportunidades e os principais desafios no novo normal?

Se você chegou nesse blog post, imaginamos que já sabe que só há um caminho: a transformação digital. E, hoje, o processo é urgente.


Enquanto você lê esse artigo, já pode ir levantando os nomes para o comitê que esse projeto vai precisar, pois ele começa agora mesmo – e já está atrasado.

A gente sabe que esse é um programa robusto! Até porque a transformação digital é a força motriz da mudança do seu próprio modelo de negócio. 

Fica claro que aqui não se trata apenas da adoção de tecnologias emergentes. Esta é uma mudança organizacional, uma transformação cultural. O mindset depois dela será outro. 

Nesse contexto, algumas empresas estão conseguindo se alinhar às mudanças necessárias e outras, não. Alguns pain points inflamam nessa jornada e precisam de soluções inadiáveis para destravar o percurso. 

Como consultoria de tecnologia e inovação, ajudamos grandes players do mercado global a enfrentar a transformação digital e encaramos diversos desafios. 

Nesse blog post, vamos listar o que mais tem atrasado o mercado nesse processo de transformação digital e propor soluções eficientes para adotar de vez a Economia Digital. Confira!  

Os calcanhares de aquiles do mercado: pain points que estão tirando o sono de grandes players

Você pode até achar que esses desafios que afligem a grande maioria das empresas do mundo não são exatamente novos! E tem razão, não são tão novos mesmo. 

A questão é que a pandemia da Covid-19 acelerou bastante tendências – que já estavam sendo adotadas pelas empresas de vanguarda do mercado -, trazendo para o planejamento de organizações mais robustas e tradicionais. 

Escolhemos 6 desafios que têm potencial para trazer valor competitivo para os negócios. 

O futuro começa agora, escolha seu caminho! 

1 – Inserção da tecnologia nos processos 

Não há dúvida alguma sobre a transformação digital! Pode apostar, ela está no topo do pipeline de todas as empresas do mundo. 

Trazer a tecnologia para todos os processos do negócio é o único caminho que há para destravar o potencial que há no futuro. 

Mas será que a Transformação Digital é apenas um caso de automação? A resposta é não!

Anote no caderninho: Há uma fase pré-adoção da tecnologia. E é ela que vai definir o sucesso – ou o fracasso – dessa empreitada. 

Mais importante do que implementar a indústria 4.0 na sua empresa, é o desenvolvimento de um projeto de automação que realmente gere valor para o seu negócio. 

Solução: Pesquisa e Inteligência 

Design Thinking + Jobs To Be Done  + Design Sprint 

Essa é a tríade que construirá todo o conhecimento que a sua TI precisa para ser bem mais estratégica. 

Jobs-to-be-done

Analisa, descobre e sintetiza os desejos relacionados aos objetivos de vida do usuário. O Jobs-to-be-done é uma melhoria para o consumidor. Seu produto ganha a possibilidade de se alinhar profundamente com o usuário. 

Design Thinking

O DT entra para agregar! Levanta todos os insumos necessários – mercado, conjuntura, tecnologias, objetivos de negócios, dores, usuários – para descobrir soluções bem mais alinhadas. 

Design Sprint

Em uma semana, é possível trabalhar nos gaps e oportunidades que o JTBD + DT identificaram. Cinco dias para traçar um plano com ações robustas para trabalhar seu produto ou serviço de forma que solucione os desafios mais complexos da sua empresa.

2 – Governança de dados 

Em apenas 9 anos (2010 -2019), as empresas de tecnologia desbancaram os demais setores e se tornaram as empresas mais valiosas do mundo. Além de ganhar o mercado, conquistaram também o coração dos seus usuários. 

A hiperconectividade gerada pelas redes interconectadas inaugurou a Era dos Dados. A transformação digital potencializa cada vez mais o armazenamento de grande quantidade de dados e a transmissão deles pelas redes alcançou patamares nunca vistos antes.  

Diante desse novo cenário de dados exponenciais, a Governança precisa ser prioridade para que não haja perda de tempo, dinheiro, dados e clientes.  

Solução: Cibersegurança 

O primeiro passo para operacionalizar uma estratégia focada na privacidade do usuário é definir as políticas de privacidade informativa da organização. 

Essas políticas fornecem a base sobre a qual as equipes de operações e desenvolvimento podem determinar os requisitos de segurança e projetar salvaguardas de privacidade. 

Lembre-se: essas políticas precisam estar em conformidade com a LGPD.

A perda de dados críticos, como arquivos de origem ou propriedade intelectual, pode custar à empresa sua vantagem competitiva. Indo além, uma violação de dados pode impactar as receitas devido à não conformidade com as regulamentações de proteção de dados — o não cumprimento da Lei Geral de Proteção de Dados, por exemplo. 

Logo, por conta das violações de dados de alto perfil que fazem manchetes na mídia, mas também pelos pequenos incidentes no dia a dia, é essencial que as organizações adotem e implementem uma forte abordagem de segurança cibernética.

3 – Design para concepção de novas soluções 

Vivemos um cenário em que o antigo não funciona mais – não é à toa que o mundo chegou nesse lugar que estamos – mas o novo ainda não está pronto. 

As soluções que faziam parte do pipeline não funcionam mais tão bem. Na maioria dos casos, nem conseguem gerar os resultados necessários. Há uma dúvida no ar! 

Como criar novas soluções para criar fidelização e retenção do cliente? 

O Design aparece como protagonista dessa história. Há uma vinculação a partir do design. Todo cliente que já tem o hábito de usar determinado aplicativo para solucionar suas necessidades, sofre ao ter que mudar e se adaptar novamente a outra interface, ou melhor, outra experiência.  

Solução: Squad de desenvolvedores e designers

Nesse novo cenário 100% digital e liderado por experiências encantadoras, o antigo fluxo de trabalho linear de desenvolvimento de software  – primeiro desenvolvedor e depois designer – não funciona mais. 

É hora de  diminuir a lacuna entre times de design e desenvolvimento. Hoje, gerir projetos nesse formato ainda é uma grande dor para várias empresas. 

Ainda é bem normal ver fluxos de trabalhos em que as 3 expertises (UX, UI e desenvolvimento) atuem pontualmente – sem uma visão holística do desafio a ser resolvido. Os resultados? Bom, não são assim tão animadores. 

Lembre-se: inserir tecnologia na vida do usuário está muito longe de ser apenas desenvolver códigos. A viabilidade da tecnologia – colocá-la literalmente na mão do cliente –  é o escopo do time de Design. 

4 – Novos produtos; novos mercados 

Dados são a nova vertente de negócio! 

Com a transformação digital, as empresas passam a ter um robusto banco de dados. E esse é o primeiro passo para a construção de um conhecimento que tem bastante potencial de gerar rentabilidade.

Há uma latente oportunidade de desenvolver um novo produto – bem diferente dos que eram produzidos até então -, oriundo da monetização desses dados. 

Solução: Esteira de inovação 

Mergulhar nas águas profundas do seu próprio negócio, mercado – e novos mercados -, cenários futuros, riscos e tecnologia é o ponto de partida para criar uma vertente nova de negócios a partir dos dados da sua empresa. 

Esses inputs todos são o que vão dar à esteira de inovação a eficiência necessária. 

Lembre-se: muitos projetos morrem por conta dessa falta de alinhamento com uma das pontas (usuário-negócio). As soluções até nascem com potencial, mas não levam em conta a própria natureza do negócio – modelo fabril em larga escala. 

O resultado, nesses casos, são margens de lucro muito baixas. O investimento em planta de fábrica para sustentar o novo produto é muito alto para o retorno. 

5 – Concorrência 

Nos últimos anos, o mercado acompanhou uma série de mudanças. As mais intensas ficaram por conta da concorrência e do comportamento do consumidor. Hoje, a concorrência é transversal! 

Foi justamente na era digital que vimos a ascensão de 4 gigantes da tecnologia – Google, Amazon, Facebook e Apple.  

O grupo – GAFA – escalou seus negócios mimando seus usuários com construção de soluções digitais encantadoras. Sim, seus consumidores se acostumaram a conseguir qualquer coisa com apenas um clique em uma interface para lá de intuitiva. 

Hoje, não temos mais 4 gigantes de tecnologia. Temos 9 – some a eles o BAT, Baidu, Alibaba, Tencent (as gigantes chinesas)  e mais a Microsoft – a seguirem a mesma estratégia.

O que isso tem a ver com a sua concorrência? 

Os usuários esperam que seus produtos e serviços também proporcionem experiências tão memoráveis quanto as oferecidas pelos gigantes digitais

Solução: Branding 

Transferir o foco do produto ou serviço para os desejos e necessidades dos clientes traz uma perspectiva bem rica para as organizações. 

Nessa jornada de (re)definir um posicionamento, erguer um propósito e ir em busca de um legado, vale bastante levar em consideração o seu usuário – não só ele, seus stakeholders e colaboradores também.

E vamos além: olhar para os cenários futuros com certeza vai ajudar a encontrar a sinergia certa. 

6 – Mindset startup 

Enxutas, digitais, data-driven, user-centric, com modelos repetíveis, escaláveis e orientadas pela personalização de serviços. Esse é o mindset que anda revolucionando diversos setores do mercado. 

Para gerar valor, nesse cenário em que a concorrência é transversal e o consumidor cada vez mais consciente e exigente, é preciso romper com a lógica atual. Caminhar um pouco mais para perto do modus operandis das startups. 

Solução: Criação de novos modelos de negócio

A Economia Digital vem ganhando relevância nos últimos anos. Ela já apresentava uma crescente, mas o isolamento social causado pela COVID-19 acelerou sua adoção, potencializando a necessidade do usuário por soluções 100% digitais. 

Note-se que a pandemia apertou – bastante – o deadline para mudanças estruturais nos modelos de negócios que querem sobreviver a essa Era de mudanças.

Acredite: não é nada com o modelo do seu negócio. Ele não está errado e, por isso, precisa mudar. A transformação é uma demanda dos impactos da evolução exponencial da tecnologia e do efeito que ela causa no comportamento do usuário. 

Estar alinhado ao novo cenário que emerge é o único caminho. E essa tarefa está no kanban de todas as organizações. 

O resultado? Uma organização escalável, veloz e inteligente

Que tal entender como destravar esses desafios e gerar valor para sua empresa? Fale com nossos especialistas.  

Back