Fique por dentro! Assine nossa newsletter

09/28/2020
Por
MJV Team

Método Ágil: conheça os frameworks mais indicados para os negócios pós-covid

Quais as principais oportunidades e os principais desafios no novo normal? Essa é, sem sombra de dúvidas, a pergunta de um milhão de rúpias, presente nas reuniões das mais diversas indústrias.

Todas as empresas buscam soluções eficientes para alinhar seus negócios ao cenário que atravessamos e construir o que será o futuro.

Listamos os desafios que têm tirado a noite de sono de grandes executivos: 

  • a velocidade das mudanças e a urgência de adaptação
  • como acelerar as adaptações para entregar valor para o cliente 
  • eficiência nos processos, em meio às rápidas e constantes transformações

Se você passar o olho rápido nesses obstáculos, vai ver que as Práticas Ágeis se encaixam perfeitamente como solução. 

É justamente por isso que decidimos contar um pouco mais sobre as vantagens de adotar de vez frameworks ágeis. 

Nesse post, vamos mostrar como a transformação ágil tem colaborado bastante na solução dos maiores desafios do momento e trazido resultados mesmo em um cenário de incertezas. 

Ao final, listamos algumas soluções que têm potencial para mudar o rumo do seu negócio. Está valendo a pena, não deixe de conferir! 

Scrum e Safe: escolha o seu framework ágil 

Antes de mergulhar nas diferenças entre o Scrum e o Safe, vamos trazer algumas similaridades. 

Os frameworks trazem 3 pilares bem importantes:

  1. Transparência 
  2. Inspeção 
  3. Adaptação

É a partir dessas características que a transformação ágil pode ser vivida nos times e no próprio negócio – vamos ver ali embaixo em Business Agility. 

Lembre-se: Você não faz ágil, pensa ágil. 

Agora, vamos aos frameworks!

Scrum

O Scrum surgiu na área de tecnologia para ajudar os times de desenvolvimento de software. O framework absorve melhor os requisitos em constante mudança do escopo de trabalho.

Da área de TI, ele ganhou o mundo! Hoje, o Scrum não é uma exclusividade dos departamentos de TI, ele já roda dentro de times de Marketing, Comercial e Recursos Humanos.

Aqui, na MJV, o time de marketing também escolheu o Scrum e ainda combina o framework com o Kanban. É comum ver o uso do Kanban combinado com o Scrum. Mas não é algo obrigatório.

Anota no caderninho: Vale a pena avaliar o uso do Kanban e do Scrum juntos. 

Podemos olhar para o Scrum como uma abordagem para facilitar o trabalho de equipes com base em boas práticas ágeis.

O Scrum é: 

um conjunto de reuniões, ferramentas e funções que trabalham juntas para ajudar equipes a estruturar e gerenciar o trabalho. 

Entre os papéis, você vai encontrar o triângulo da agilidade: 

  • Product Owner (PO)
  • Scrum Master (SM)
  • Time de Desenvolvimento

Não esqueça do Agile Coach – que não faz parte desse triângulo, mas tem um papel crucial na transformação ágil. Ele é o responsável por supervisionar o desenvolvimento de equipes ágeis.

As cerimônias são: Planning, Daily, Retrospectiva, Review e Refinamento. 

Você também já deve ter escutado falar em: block, sprint, backlog e kanban. Sim, essas palavrinhas aí fazem parte do dicionário scrum. 

Vale lembrar:

O Scrum não é um framework engessado. Muito pelo contrário, ele é altamente flexível. Seus papéis e cerimônias podem ser adaptados para uma infinidade de perfis de equipes e trabalhos. 

Se você quiser mergulhar fundo nesse framework e entender tudo sobre papéis ágeis e cerimônias do Scrum, temos um ebook falando só sobre isso: 

Framework Scrum:

Trabalho em equipe para acelerar resultados

Escalando o Scrum

É possível ultrapassar a barreira do time Scrum, escalando o ágil para a empresa inteira através da combinação do framework com outro framework ágil: o Nexus. 

Dica de ouro

Se você quer fazer a transição de uma gestão cascata para uma gestão ágil, pense em dar seu primeiro passo na jornada ágil a partir do Scrum. O escopo do time não é tão diferente como você pensa. 

Por exemplo, o seu gestor de projeto pode evoluir para Scrum Master. 

SAFe

Também conhecido como Scaled Agile Framework. O SAFe é bastante utilizado quando há a necessidade de escalar a sua operação ágil. Ele é recomendado quando existem múltiplos squads que precisam de alinhamento para que um processo ágil aconteça. 

O SAFe também nasceu na área de TI, mas acabou caindo nas graças de várias outras áreas. Hoje, esse modelo é usado para gerenciar processos em ambientes complexos, organizando entregas de diversos times – muitas vezes dependentes – para alcançar consistência, previsibilidade e qualidade. 

Notamos, com isso, que o framework é bem importante para gerir riscos também, Já que integram a operação de diversos times.

Como falamos antes, uma empresa não é ágil, ela pensa ágil. Logo, após ver o sucesso das práticas ágeis em algumas células, é hora de escalar o ágil para os níveis mais executivos da organização. E nem sempre isso é uma missão simples. 

Se sua empresa já chegou nessa etapa e busca, além de times ágeis, um negócio ágil, o SAFe é o seu framework e vai proporcionar: 

  • Estrutura leve, eficiência e centralização das decisões
  • Visão geral do projeto — inclusive para projetos altamente complexos
  • Coordenação de diferentes equipes atuando no mesmo projeto
  • Garantia de alinhamento com as metas de negócios

Você deve estar se perguntando como isso tudo acontece, não é?

O SAFe tenta obter uma visão mais ampla do(s) produto(s) e prazos, permitindo – em um mundo ideal – alguma flexibilidade, com um roadmap aproximado das próximas 8-12 semanas.

Esse grande período de tempo é conhecido como um incremento de produto (product increment – PI) e, normalmente, tem uma grande sessão de planejamento de várias equipes no início. Nesta sessão de planejamento do PI, as dependências entre equipes são identificadas e minimizadas, permitindo que as elas trabalhem de forma independente, tanto quanto possível.

Aqui, está o primeiro passo rumo ao Business Agility! 

Business Agility: um negócio ágil  

O Business Agility nada mais é do que toda uma companhia trabalhando de maneira ágil. É o famoso mindset ágil na veia!

A agilidade deixa de ser algo específico dos times – dos processos – e passa a fazer parte da natureza da empresa, transforma-se em uma forma de negócio

É visível a olho nu a agilidade inserida nos negócios, ela pauta as decisões e vice-versa.  

8 dicas para começar uma transformação ágil agora 

Sim, estamos falando de uma mudança de mindset. Começa pequeno, em algumas células, e depois escala até os níveis mais altos da empresa. Mas é possível começar agora mesmo, afinal, vivemos uma cultura de experimentação. Vamos às dicas!

  1. Tenha mapeado e priorizado o seu backlog
  2. Trabalhe com ciclos curtos (de 1 a 2 semanas)
  3. Faça reuniões diárias (de aproximadamente 15 minutos)
  4. Ao final de cada sprint, reúna seu time para discutir o que todos precisam melhorar
  5. Se for necessário, abandone ferramentas. Muitas das vezes, menos é mais!
  6. Faça pequenas evoluções; nada de revoluções.
  7. As mudanças precisam acontecer mediante uma necessidade
  8. Peça ajuda! 

Ágil na prática: o que você precisa para começar 

A dica é: para garantir uma equipe ágil, você não precisará apenas de pessoas tecnicamente capazes.

Você e sua equipe terão que contar com um pensamento ágil: pensar como os clientes e ser bastante proativos. Vale um mergulho nas Práticas Ágeis, entender seus frameworks, cerimônias, modus operandi e seus benefícios.

Conselho:

Workshops e Outsourcing fazem diferença nesse momento.

Benefícios:

  • Times mais produtivos
  • Redução de erros e retrabalho
  • Time-to-market
  • Maior visibilidade das tarefas da equipe
  • Mais comunicação entre os colaboradores
  • Melhora o recrutamento e a retenção de talentos
  • É mais barato
  • Redução de atritos

Fique atento à alguns desafios!

Difusão do conhecimentoMelhoria da comunicaçãoAceleração do crescimento Engajamento da equipeTransição do negócio

Como os frameworks ágeis podem trazer resultados para o seu negócio

Pensando ágil, é possível obter eficiência para resolver desafios importantes em tempos de incertezas. Veja o que acontece quando você combina práticas ágeis a outras soluções. 

Design Thinking + Ágil 

O DT é uma abordagem potente para gerar soluções alinhadas aos novos cenários, usuários e stakeholders. Ao final das suas 4 fases, é possível ter em mãos um estoque de ideias e um MVP prototipado prontinho para começar a rodar. 

É justamente nesse momento que as práticas ágeis entram no circuito para transformar protótipos em produtos, soluções ou processos. 

Veja o workflow: 

Temos um material inteirinho só tratando desse assunto. Aproveite!

Ágil + Design Thinking + Desenvolvimento de Software

A união DT + Ágil é o pilar de processo de desenvolvimento de software aqui na MJV. 

Esse combinado possibilita uma operacionalização mais eficiente e um produto final mais alinhado às necessidades do mercado.

Em um mundo remoto, como o que vivemos agora, o digital é peça fundamental. Independente da nossa realidade – remota ou física – o DT + Ágil para desenvolver softwares é responsável por resultados expressivos.

Ágil para Planejamento Estratégico

Em um contexto atual de muitas incertezas, surgem algumas questões:

  1. como repensar estratégias de médio prazo para planos de curto prazo dentro de um contexto de crise?
  2. como pivotar planos de negócio em execução e priorizar?
  3. como repensar dinâmicas e rotinas de trabalho para minimizar o impacto em suas forças de trabalho, seus parceiros, cadeias de valor e clientes?
  4. como identificar oportunidades para ser competitivo e retomar o crescimento?

Nosso Sprint de Planejamento Estratégico propõe um formato próprio para diagnosticar, conceituar e validar de forma ágil e rápida um direcionamento estratégico, combinando Design Thinking, Práticas Ágeis e Design Sprint.

A verdade é que a única constante que temos é a mudança. E os frameworks ágeis são soluções eficientes para se adaptar rapidamente às transformações, hoje causadas pela pandemia; no futuro, por alguma questão ambiental, econômica, política, comportamental. O que sabemos é que mudanças sempre existirão. E é preciso nos adaptarmos – de preferência, rapidamente – a elas. 

Se quiser desvendar todas as oportunidades que existem em um reposicionamento estratégico alinhado aos momento que vivemos, vale dar uma olhada nesse material aqui. Você vai encontrar uma série de direcionamentos bem interessantes. 

Voltar

Fique por dentro! Assine nossa newsletter