Compartilhar:

Categorias:

7 min read

7 vantagens de usar o armazenamento em nuvem na sua empresa

Nenhuma empresa pode dizer que assumiu sua transformação digital se ainda não utiliza algum grau de armazenamento em nuvem. Acredite: essa é uma solução que vale a pena priorizar!


O armazenamento em nuvem já é uma realidade – e isso não é de hoje. Antes mesmo da pandemia da covid-19 e do estabelecimento do home office no mundo inteiro, a maioria das organizações já funcionava com uma infraestrutura ligada à nuvem em alguma escala. 

Hoje, o cenário é ainda mais radical. Os servidores físicos viraram raridade, coisa do passado – quase como aqueles computadores gigantes que habitavam salas e mais salas dentro da sede da IBM. 

Isso porque, além de reduzir custos e ajudar as corporações a inovar com agilidade, podemos dizer que a virtualização do armazenamento é fundamental para potencializar estratégias importantes, como, por exemplo, a gestão orientada a dados.

Vamos entender mais sobre armazenamento em nuvem e as vantagens que essa prática pode trazer para sua corporação. Acompanhe!

O que é armazenamento em nuvem

O armazenamento em nuvem envolve a estocagem de dados em hardware, é um armazenamento externo e mantido por terceiros. 

As empresas clientes enviam arquivos para um servidor mantido por um provedor de nuvem e deixam de usar unicamente em suas próprias infraestruturas. 

Assim, essas empresas prestadoras de serviço de armazenamento em nuvem salvam os dados de forma segura em um banco de dados remoto para que sua corporação não precise armazenar dados, arquivos e softwares em um disco rígido do computador ou em outro dispositivo de armazenamento, como por exemplo, servidores imensos e caríssimos. 

Os sistemas de armazenamento em nuvem geralmente abrangem centenas de servidores de dados conectados por um servidor de controle mestre. Permitindo que pessoas e empresas armazenem, acessem e protejam seus dados de forma fácil e prática, precisando apenas de uma conexão com a internet. 

Certamente você está familiarizado com serviços de armazenamento em nuvem e até utiliza alguns deles em sua rotina de trabalho. DropBox, Google Docs, iCloud, OneDrive, SendSpace são apenas alguns exemplos. 

Time de TI e armazenamento em nuvem: grandes aliados

O armazenamento em nuvem é uma evolução natural para as empresas em transformação digital. E deve ser aproveitado pelos times de TI para elevar a capacidade do negócio, mas também para potencializar os resultados da área. 

Para o time de TI, a nuvem é uma grande aliada em termos de armazenamento. Ela garante uma série de benefícios que facilitam bastante a rotina de trabalho. Veja, a seguir, quais são os mais significativos.

Menos preocupações técnicas, mais atuação consultiva

É um erro olhar para a cloud computing como uma ameaça ao poder do departamento de TI. A computação em nuvem atua como um complemento aos sistemas locais e não como substituta.

Ao não se preocupar com questões técnicas relacionadas ao armazenamento dos dados, os gestores de TI e suas equipes finalmente chegam ao estado da arte: a atuação analítica. 

Eles têm mais tempo e recursos para agir de maneira consultiva e propositiva – uma TI bem mais estratégica.

Otimização dos retornos sobre os investimentos

Uma das principais vantagens da nuvem está relacionada ao retorno sobre os investimentos (ROI). Isso porque, com o armazenamento na infraestrutura local, é um desafio demonstrar resultados ao board executivo da empresa. 

Não é o que acontece com a nuvem! Bons provedores fornecem dashboards onde os gestores de TI podem acompanhar em tempo real diversas métricas relacionadas aos serviços contratados. Logo, é possível demonstrar com dados concretos como a TI está auxiliando a empresa a alcançar seus objetivos estratégicos.

Tipos de armazenamento em nuvem 

Existem muitas classificações para as abordagens em nuvem, entretanto, as mais importantes são as que se referem ao modelo de implantação. Confira quais são elas:

  • Nuvem privada – como o nome já diz, é o modelo de implantação sob demanda em que os serviços e a infraestrutura de computação em nuvem são hospedados de maneira privada (dentro da própria corporação, através de recursos que não são compartilhados com outras corporações). 
  • Nuvem pública – é o contrário da nuvem privada: as empresas compartilham hardware, armazenamento e dispositivos de rede. Ou seja, o acesso não é restrito apenas a uma organização e toda a infraestrutura do fornecedor é compartilhada igualmente por todos os usuários. Google Cloud Platform, Microsoft Azure e Amazon Web Services são os maiores exemplos de nuvens públicas.
  • Nuvem híbrida – a nuvem híbrida usa uma combinação de soluções de nuvem que operam em conjunto no local e fora do local para fornecer serviços de computação em nuvem a uma corporação.
  • Multicloud – é uma abordagem composta por mais de um serviço e de um provedor de nuvem, seja pública ou privada, originada de diferentes fornecedores. 
Acesse grátis

Preencha o formulário abaixo e acesse um guia completo sobre cloud computing.

Passo a passo para configurar a nuvem

1. Avaliação

Aqui, a empresa analisa a infraestrutura existente, pessoas e outros ativos com relação ao seu portfólio de TI. 

Os ativos de TI são comparados em termos de desempenho, disponibilidade e escalabilidade, para que uma análise do custo-benefício seja realizada baseada na plataforma de nuvem de destino.

Um modelo de ROI e um documento de estratégia de alto nível devem ser preparados.

2. Consolidação

Todos os caminhos para a consolidação da infraestrutura e dos orçamentos de TI devem ser explorados e implementados. Depois, é preciso consolidar os dados em um local central para atender aos requisitos de toda a corporação. 

O datacenter central deve ter propriedades de nuvem para que seja robusto o suficiente para atender a todos os dados das diferentes áreas.

3. Virtualização

Depois de consolidar os ativos de TI, considere a virtualização da infraestrutura. Essa etapa na jornada de configuração da nuvem ajudará a otimizar a infraestrutura já consolidada. 

Geralmente, o dimensionamento de hardware é feito com vistas ao pico de requisitos/uso desse hardware. É importante verificar até que ponto o hardware é subutilizado para encontrar maneiras de usar o restante da capacidade ociosa.

Ao fazer isso, a organização pode maximizar o uso da infraestrutura de TI e explorar recursos subutilizados no caminho para a configuração da nuvem privada.

4. Migração

Padronização de aplicativos: Os aplicativos são avaliados a partir das perspectivas funcional e não funcional. Depois, são selecionados ou rejeitados, migrando para a nuvem.

A padronização da arquitetura de aplicativos é um fator importante. Isso envolve a construção de uma arquitetura de referência padrão, comparando-a com a atual do aplicativo e estabelecendo a lacuna entre as duas.

Qualquer anomalia deve ser eliminada nesse estágio, modificando os aplicativos conforme necessário, para adequar-se à arquitetura de nuvem de referência.

Desempenho da aplicação: Em uma plataforma de nuvem virtualizada, há certas qualidades esperadas dos aplicativos. 

Por exemplo: um aplicativo que acessa um arquivo usando uma URL e caminho específicos. A nuvem não tem localização padrão específica dos arquivos porque se a máquina ficar inativa, o arquivo será perdido e o aplicativo será desativado. 

Em uma plataforma de nuvem, você não pode esperar que o aplicativo acesse o arquivo usando um caminho uniforme, quando o mesmo arquivo pode estar localizado em vários locais da nuvem.

5. Automação

Nessa etapa, qualidades como o autoprovisionamento são incorporadas em aplicativos. 

Por exemplo: a carga de um aplicativo aumenta inesperadamente enquanto está em execução. Em uma configuração de nuvem, o aplicativo deve ter capacidade de dimensionamento automático para formar uma nova máquina virtual (VM), instalar-se no ambiente e começar a atender a nova solicitação.

A automação também pode ser realizada com relação ao gerenciamento e monitoramento. No caso de uma máquina inoperante, um alerta pode sair automaticamente para o administrador.

Idealmente, sem intervenção manual, a nuvem poderia criar uma nova instância por conta própria e iniciar o aplicativo conforme necessário. A automação incorporada nos aplicativos permite a autocorreção e o dimensionamento.

6. Otimização

A mudança para uma configuração de nuvem é invariavelmente solicitada pelos benefícios potenciais de custo e desempenho. A fase final de otimização envolve o levantamento das métricas. 

Após alguns meses de execução dos aplicativos na configuração da nuvem privada, observe as métricas geradas e avalie se os destinos estão sendo atendidos. Com base nessa análise, modificações podem ser incorporadas para obter o máximo benefício. 

Esse é o nível de maturidade mais alto da jornada de configuração da nuvem.

7 vantagens de utilizar o armazenamento em nuvem na sua empresa

Redução de custos

A mudança para a nuvem reduz a necessidade de discos rígidos, de usar a eletricidade que os alimenta e os serviços de garantia de hardware que os protegem. 

Também corta os custos do gerenciamento de hardware e software no local, simplificando o monitoramento e reduzindo a necessidade de um planejamento de capacidade extensivo. 

Automação

Um dos maiores desafios para os times de TI é criar backups de dados e agendar o backup para que as operações diárias não sejam prejudicadas. 

Com a tecnologia de armazenamento em nuvem, essa tarefa é simplificada pela automação: basta selecionar o que e quando deseja fazer backup e seu ambiente de nuvem irá cuidar do resto. 

–> Tudo pode ser automatizado e é possível obter relatórios periódicos.

Segurança e recuperação de desastres

Para quem procura mais proteção, as opções de replicação geográfica podem fazer várias cópias de seus dados nas regiões. Alguns oferecem a replicação geográfica como uma opção de classe de armazenamento, enquanto outros são capazes de mover rapidamente os dados entre os datacenters. Seus backups estarão muito bem protegidos.

Serviço escalável

O armazenamento em nuvem permite dimensionamento vertical e horizontal. E o melhor: a empresa paga apenas pelos recursos que realmente usa. 

Você pode dimensionar seu ambiente de hospedagem em nuvem sempre que necessário e também pode definir os atributos de escalonamento. Isso garante flexibilidade e previsibilidade de investimentos. Além da tranquilidade de aumentar os recursos tecnológicos no momento em que as demandas aumentam.

Sincronização

Com o armazenamento em nuvem, seus dispositivos podem ser seus pontos de acesso. É possível acessar arquivos e sincronizá-los com qualquer dispositivo através de uma conexão com a internet. A tecnologia marca o fim do estresse de transferir os documentos de um dispositivo para outro.

Colaboração

A nuvem também é uma plataforma ideal para fins de colaboração porque permite que várias pessoas acessem, editem e colaborem em um único arquivo ou documento – de qualquer lugar do mundo e em tempo real. 

Usabilidade e acessibilidade

Os arquivos armazenados podem ser facilmente acessados ​​de qualquer lugar do mundo com apenas alguns cliques e uma conexão com a internet – sem necessidade de nenhum conhecimento técnico para isso.

Se quiser saber mais sobre esse assunto e entender tudo sobre nuvem, baixe agora nosso guia completo sobre Cloud Computing. Basta clicar no banner abaixo. 

Voltar