08/12/2019
By
MJV Team

Top 5 perguntas sobre Gêmeos Digitais

Recentemente, o governo britânico noticiou que está criando uma gêmea digital de toda a sua infraestrutura nacional para se preparar para desafios futuros.

Isso demonstra o quanto a tecnologia dos chamados “Gêmeos Digitais” é importante e vem despontando como uma forte tendência para o futuro.

Os Gêmeos Digitais estão potencializando o mundo dos negócios em diversos setores da economia global! Você sabe exatamente o que é isso?

Você vai ouvir falar sobre isso com uma frequência bastante grande a partir de agora. Então, preparamos uma série de perguntas e respostas. Continue lendo e mergulhe nesse assunto!

1. O que são os Gemêos Digitais? 

Os Gêmeos Digitais (Digital Twins) são réplicas virtuais de dispositivos físicos. Cientistas de dados e profissionais de TI usam a tecnologia para executar simulações antes que os dispositivos reais sejam criados e implantados. Eles também estão mudando a maneira como a Internet das Coisas (IoT), Inteligência Artificial (IA) e Analytics são otimizadas.

À medida que “coisas” mais complexas se tornam conectadas e capazes de produzir dados, ter um equivalente digital fornece às empresas a possibilidade de otimizar implementações para eficiência máxima e criar outros cenários hipotéticos.

A tecnologia por trás dos Gêmeos Digitais se expandiu para incluir grandes itens, como prédios, fábricas e até mesmo cidades; e alguns especialistas já afirmam que até mesmo pessoas e processos podem ter Gêmeos Digitais. Agora, é aguardar as cenas do próximo capítulo. 😉 

2. Como a simulação promete reduzir falhas em processos complexos? 

Um gêmeo digital é um software que coleta dados do mundo real sobre um objeto físico ou sistema como entradas e produz como resultados predições ou simulações de como esse objeto físico ou sistema será afetado por essas entradas.

O gêmeo é construído para receber informações de sensores reunindo dados de uma contraparte do mundo real. Isso permite que ele simule o objeto físico em tempo real, oferecendo insights sobre desempenho e possíveis problemas. 

O gêmeo também pode ser projetado com base em um protótipo de sua contrapartida física. Dessa forma, pode fornecer feedback à medida que o produto é refinado; e até servir como um protótipo antes de qualquer versão física a ser construída.

3. Quais as vantagens que proporcionam os Gêmeos Digitais?

Os Gêmeos Digitais oferecem uma visão em tempo real do que está acontecendo com os ativos físicos, o que pode aliviar os encargos de manutenção

Para além do que já dissemos até aqui, vamos ver dois casos que exemplificam de maneira bem prática os benefícios de se usar Gêmeos Digitais em projetos complexos:

  • a Chevron está lançando uma ferramenta que é a junção de duas tecnologias digitais para seus campos de petróleo e refinarias e espera economizar milhões de dólares em custos de manutenção; 
  • e a Siemens usa Gêmeos Digitais para modelar e prototipar objetos que ainda não foram desenvolvidos; assim, espera reduzir os defeitos de produtos e o tempo de lançamento no mercado.

4. Quais setores mais se beneficiam com a tecnologia?

Apesar de o conceito de Gêmeos Digitais ainda ser pouco popular, já encontramos alguns segmentos do mercado que avançaram bastante em sua aplicação. 

Confira, a seguir, quais são os mais destacados e como eles estão aplicando essa tecnologia:

  • A indústria manufatureira é a área onde os lançamentos de Gêmeos Digitais são provavelmente os mais avançados, com as fábricas já usando Gêmeos Digitais para simular seus processos.
  • Gêmeos Digitais automotivos são possíveis porque os carros já estão equipados com sensores de telemetria, mas o refinamento da tecnologia vem se tornando ainda mais importante à medida que veículos mais autônomos peguem a estrada.
  • A saúde é o setor que produz os Gêmeos Digitais mais “fáceis” de serem entendidos pela população em geral. Um exemplo são os sensores do tamanho de um  band-aid que enviam informações de saúde de volta para um gêmeo digital usado para monitorar e prever o bem-estar de um paciente. Já tem gente carregando seus sensores subcutâneos aí do seu lado. 

5. Como se preparar para implementar um Gêmeo Digital? 

De acordo com a Gartner, “dentro de três a cinco anos, centenas de milhões de coisas serão representadas por Gêmeos Digitais. As organizações usarão essa tecnologia para reparar e planejar proativamente o serviço de equipamentos, planejar processos de manufatura, operar fábricas, prever falhas de equipamentos ou aumentar a eficiência operacional, e realizar desenvolvimento aprimorado de produtos”.

Não importa em qual segmento de mercado está o seu negócio. É interessante já começar a prestar atenção nessa tendência tecnológica.

Confira, a seguir, as três etapas básicas da implementação de Gêmeos Digitais:

O desenho

Há dois elementos principais para o design de um gêmeo digital: primeiro, você precisa selecionar a tecnologia de ativação necessária para integrar o ativo físico ao seu gêmeo digital para permitir o fluxo de dados em tempo real dos dispositivos de IoT e a integração com os dados operacionais. Precisa ter clareza sobre o software de modelagem necessário para criar a representação 3D do ativo e quem terá acesso às informações dentro do gêmeo digital ou obter controle do ativo físico através dele. 

O gerenciamento seguro de dispositivos IoT é crucial para superar os riscos associados à identificação dos dispositivos em sua rede. Ele fornece os recursos para autenticar, provisionar, configurar, monitorar e gerenciar cada dispositivo. 

Isso leva ao segundo elemento no design: você deve entender qual é tipo de informação necessária para otimizar a tomada de decisão na sua empresa, onde essa informação será armazenada e como ela pode ser acessada e usada. É importante que a informação seja estruturada de uma maneira reutilizável que possa ser rápida e efetivamente trocada entre sistemas. 

O objetivo do gêmeo, a qualidade dos dados e das análises, além do compartilhamento dessa inteligência produzida com diversas áreas vão garantir o sucesso ou fracasso da implementação da tecnologia no seu negócio. O Design Thinking é perfeito para essa fase tão significativa do projeto. Que tal bater um papo sobre isso?

A operação

Você deve decidir a função do seu gêmeo digital: 

É simplesmente para monitorar o ativo? 

Você quer que o gêmeo controle e altere o ativo? 

Deseja disponibilizar dados do ativo para análises avançadas para ajudar na manutenção preditiva? 

Ou quer usar os dados e modelos dentro do gêmeo para realizar simulações para ajudar no desempenho operacional e no desenvolvimento de produtos?

A resposta a essas perguntas determinará os tipos de dispositivos que vai anexar ao ativo e se você usa dispositivos mais sofisticados que permitem que o processamento das informações chegue ao limite. Ele também determinará sua integração e preparação de dados e identificará os requisitos de gerenciamento. 

Quanto mais sofisticada a aplicação para o gêmeo digital, mais abrangentes esses recursos. A maioria dos gêmeos procurará explorar a análise para melhorar o desempenho operacional e a tomada de decisões. 

Controlar como os dados são ingeridos, armazenados, preparados e apresentados é essencial para permitir a aplicação de análises avançadas. Para obter resultados de alta qualidade, você precisa garantir a qualidade dos dados provenientes de seus dispositivos de IoT. 

Cada dispositivo IoT, incluindo seus direitos para transferir e aceitar dados, é verificado. Adotar uma abordagem de identidade por design cria esses recursos no seu gêmeo digital desde o início.

A expansão

A maioria das implementações de gêmeos digitais começa para monitorar o desempenho de uma única peça dentro de um ativo, mas é rapidamente expandida ao longo do tempo. 

Isso acontece de duas maneiras: 

  1. A organização reúne vários gêmeos digitais menores para fornecer uma visão completa de toda uma máquina, ativo ou processo comercial. 
  2. As organizações adicionam recursos mais sofisticados — como simulações — a um gêmeo digital existente.

Em ambos casos, você não quer copiar e substituir, mas sim colocar em camadas a funcionalidade dentro do gêmeo digital para atender a esses requisitos em evolução. Você precisa ser capaz de adicionar com segurança a funcionalidade para dimensionar, mantendo o desempenho para atender aos dados extras que precisam ser coletados e gerenciados.

Como você viu, a tecnologia de Gêmeos Digitais é bastante potente e abre um leque imenso de possibilidades. Para aplicá-la em seu negócio, tenha em mente que é necessário ter um conjunto de conhecimentos especializados em aprendizado de máquina, Inteligência Artificial, análise preditiva e outros recursos de ciência de dados. É por isso que grandes players saem na frente em experimentos desse tipo. 

Uma boa dica é buscar ajuda especializada para montar um projeto de Gêmeos Digitais em seu negócio. Consultores especializados poderão arregimentar os recursos (humanos, tecnológicos etc.) já disponíveis em seu negócio e agregar outros, o que torna viável esse tipo de iniciativa.

Que tal, nós te ajudamos a entender melhor o conceito de Gêmeos Digitais? Gostou das nossas dicas de implementação? Para se aprofundar ainda mais, baixe agora o e-book Gêmeos Digitais — O novo ciclo do desenvolvimento de produtos!

Gêmeos Digitais-O novo ciclo do desenvolvimento de produtos

 

Voltar