Compartilhar:

Categorias:

9 min read

5G no Brasil: tudo o que você precisa saber para sair na frente

Essa tecnologia já é uma realidade em muitos países e o 5G no Brasil está previsto para meados de 2022 em algumas cidades. Conheça todos os detalhes e saia na frente!


Com a internet 5G, os dados transmitidos por conexões de banda larga sem fio podem atingir taxas de até 20 Gbps em algumas estimativas — excedendo as velocidades da rede com fio — e também oferecem latência de 1 milissegundos ou menos para usos que exigem feedback em tempo real.

Você sabe exatamente o que é e como funciona o 5G? Já parou para pensar em como essa nova geração de Wi-Fi vai impactar a Transformação Digital no seu negócio?

As respostas a essas e outras perguntas é o que vamos te mostrar neste artigo. Continue lendo!

O que é o 5G

5G no Brasil

Para entender o 5G, é útil compreender o que veio antes dele. Em linhas gerais, a primeira geração de tecnologia móvel (1G) era dedicada à voz. A capacidade de usar um telefone em um carro ou em qualquer outro lugar realmente criou raízes aqui. 

A chegada do 2G introduziu uma camada de mensagens curtas — algumas das quais ainda podem ser vistas nos recursos atuais de mensagens de texto. A mudança para 3G forneceu as velocidades de rede essenciais para smartphones. E o 4G, com suas taxas de transferência de dados impressionantes, deu origem a muitos dos dispositivos e serviços conectados que desfrutamos até hoje.

Uma discussão em torno da tecnologia 5G é realmente um debate em torno da entrega de tecnologias que mudam a vida através de redes de próxima geração. 

Basicamente, podemos afirmar que as redes 5G representam a próxima geração de conectividade de internet móvel. Oferecendo velocidades mais rápidas e conexões mais confiáveis ​​em smartphones e outros dispositivos.

Combinando tecnologia de ponta de rede e as pesquisas mais recentes, o 5G deve oferecer conexões com velocidades médias de download de cerca de 1GBps — que logo deverão ser a norma.

As redes ajudarão a impulsionar um enorme aumento na tecnologia da Internet das Coisas, fornecendo a infraestrutura necessária para transportar grandes quantidades de dados, permitindo um mundo ainda mais inteligente e conectado.

Como o 5G no Brasil vai funcionar 

Tecnicamente falando, a internet 5G é a próxima geração de conexão de banda larga.

No início, o 5G no Brasil (e no mundo) viverá ao lado e vai aprimorar o serviço do 4G atual. Mas em breve suas redes devem estar completas e somente dispositivos independentes estarão disponíveis.

Com qualquer tipo de conexão 5G, veremos velocidades de rede mais rápidas, mas as maiores mudanças vão ocorrer quando as operadoras tiverem implantado a tecnologia de ondas milimétricas de alta frequência para explorar comprimentos de onda de rádio inutilizáveis ​​no passado.

Pense no 5G dividido em duas partes — vamos chamá-las de “5G de baixa frequência” e “5G de alta frequência”. Entenda:

5G de baixa frequência

Redes de baixa frequência vão utilizar as mesmas bandas de rádio que a tecnologia corrente utiliza, mas as alterações de sinal de codificação e bandas de canal mais amplos permitirão velocidades até 50% melhores do que o melhor 4G disponível hoje no mercado.

As redes que usam essas alterações também poderão ter o mesmo intervalo que têm atualmente, o que significa que nenhum site de célula adicional é necessário para manter a mesma área de cobertura da rede. No entanto, alguns equipamentos novos precisarão ser instalados em sites existentes, e as operadoras estão preparando tudo para o 5G no Brasil.

5G de alta frequência

As mais novas — e melhores — tecnologias por trás da internet 5G estão usando espectro de alta frequência.

O espectro disponível em comprimentos de onda como 28 GHz permite canais muito rápidos e muito “largos” para o serviço de banda larga se comunicar. Isso porque eles não estão congestionados e “entupidos” por dispositivos que o usam hoje.

O que vai mudar em relação ao 4G

A tecnologia sem fio de quarta geração (4G) Long-Term Evolution (LTE) fornece a base para 5G no Brasil.

Ao contrário do 4G, que exige torres celulares grandes e de alta potência para irradiar sinais a longas distâncias, os sinais sem fio 5G serão transmitidos através de um grande número de pequenas estações de células localizadas em locais como postes de luz ou telhados de edifícios.

O uso de múltiplas células pequenas é necessário porque o espectro de ondas milimétricas — a faixa de espectro entre 30 GHz e 300 GHz que o 5G depende para gerar altas velocidades — só pode percorrer distâncias curtas e está sujeito à interferência de condições meteorológicas e físicas.

As gerações anteriores da tecnologia sem fio usaram bandas de espectro de baixa frequência. Para compensar os desafios das ondas milimétricas relacionadas à distância e à interferência, a indústria também está considerando o uso de espectro de frequência mais baixa para redes 5G no Brasil, de modo que as operadoras de rede poderiam usar o espectro que já possuem para construir suas novas redes.

O espectro de frequência mais baixa alcança distâncias maiores, mas tem velocidade e capacidade menores que a onda milimétrica.

Quando o 5G estará disponível no Brasil?

O 5G já é uma realidade em mais de 1.600 cidades espalhadas por 65 países. Mas, aqui no Brasil a tecnologia está prevista, segundo especialistas, para ser implementada nas 26 capitais e no Distrito Federal apenas em julho de 2022.

Em novembro do ano passado (2021) ocorreu o tão aguardado leilão do 5G no Brasil, em que 15 empresas enviaram suas propostas à Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). O leilão foi considerado o maior certame de radiofrequência da América Latina. 

Mas, em seu edital está prevista a instalação de poucas estações de rádio base (ou seja, as antenas) e esse fator pode dificultar o cumprimento dos prazos estabelecidos previamente. 

Pensando no país como um todo, de acordo com a Anatel, a tecnologia será completamente disponibilizada e atingirá todas as cidades, somente em julho de 2029.  

Agora, as empresas ganhadoras do leilão (Tim, Claro, Vivo, Cloud2U, Algar Telecom, Winity, Brisanet, Consórcio 5G Sul, dentre outras) investirão em toda a infraestrutura necessária para o cumprimento dos prazos determinados no edital.

Acesse grátis

5G: O grande salto de conectividade

Celulares que recebem o sinal e custos da tecnologia

Estima-se que os custos da nova tecnologia sejam mais elevados no início por alguns motivos: a restrição da disponibilidade, cobertura de sinal e a baixa compatibilidade com os aparelhos celulares comercializados atualmente. 

Nesse sentido, a Anatel informou que apenas aparelhos homologados terão acesso à cobertura do sinal 5G e divulgou recentemente uma lista contemplando 49 modelos que já estão aptos para funcionar com a nova tecnologia. 

Para confirmar se um modelo é válido, a agência recomenda a conferência no manual do equipamento que deve conter um selo de homologação. Uma outra opção é consultar diretamente a sua operadora. 

Como o 5G promete mudar os modelos de negócios

As operadoras de redes sem fio nos Estados Unidos, no Japão, na Coréia do Sul e na China foram as impulsionadoras do 5G. 

E a estimativa é de que as operadoras de rede vão investir bilhões de dólares no 5G até 2030, de acordo com a Technology Business Research Inc. O dilema, contudo, é a falta de clareza sobre o retorno que esse investimento deve gerar para as corporações de Telecom que estão à frente do projeto.

A evolução dos casos de uso e modelos de negócios que aproveitam os benefícios do 5G poderia atender às preocupações com as receitas das operadoras.

Simultaneamente, os organismos de normas e diversos governos já estão trabalhando em padrões universais de equipamentos 5G. Já existe o que podemos chamar de uma “corrida pelo 5G no Brasil”, em termos de preparativos para aproveitá-lo em toda sua potencialidade quando estiver disponível ao grande público no país.

Seja como for, inúmeros especialistas já preveem que empresas de todos os portes e nos mais variados segmentos de mercado terão que adequar seus modelos de negócios para explorar positivamente a tecnologia.

Confira, a seguir, algumas mudanças que devem acontecer.

Expansão dos limites da tecnologia móvel

O 5G permitirá que os provedores de telecomunicações estendam seus lançamentos móveis para mais pessoas em todo o mundo por meio de tecnologias fixas sem fio.

A tecnologia também expandirá os limites da experiência de banda larga móvel, permitindo a integração de experiências em 3D, hologramas, realidade aumentada e realidade virtual em smartphones.

Imagine tudo o que será possível fazer via aplicações móveis em termos de comunicação, marketing, vendas e relacionamento com clientes. Pense em como será possível elevar a experiência do consumidor a outro patamar — e nos retornos em termos financeiros e de competitividade para os negócios que souberem aproveitar.

Implementação da Internet das Coisas em escala massiva

A conexão permitirá que a Internet das Coisas seja implementada em uma escala verdadeiramente massiva. Isso graças à sua combinação de velocidades de transferência de dados e poder de processamento.

Essa nova realidade levará ao surgimento da “internet industrial”, reformulando cadeias de suprimentos e se infiltrando nas indústrias ditas mais “conservadoras”, como as agrícolas e manufatureiras.

Alguns especialistas apontam que os principais beneficiários iniciais da Internet das Coisas massiva estarão no mercado B2B, pois as empresas usam a tecnologia para otimizar o uso de energia e integrar as cadeias de suprimentos.

Melhorias nos serviços de missão crítica

Com velocidades de gigabit, o 5G no Brasil se tornará um componente essencial dos serviços de missão crítica que deverão melhorar consideravelmente a segurança e proteção dos dados.

A tecnologia ajudará a impulsionar carros sem motorista, cirurgias remotas, controle de tráfego e outras aplicações em vários setores que dependem de resposta contínua e análise de dados.

Por exemplo, a Verizon e a Ericsson fizeram uma parceria. Elas realizaram um teste sem fio 5G na corrida Indy 500 em Indianápolis no final de 2017, testando um carro conectado a 5G que conseguiu manter velocidades de 6,4 Gb por segundo.

Como preparar a sua empresa para o 5G no Brasil?

O 5G vai exigir talentos, profissionais preparados

Cada nova geração de redes móveis trouxe novos recursos para usuários corporativos, desde o sistema de mensagens da 2G, o GPS da 3G e serviços baseados em localização, até os serviços de dados confiáveis ​​da 4G. 

Embora o 5G no Brasil permita uma nova onda de comunicações industriais, é a conexão humana que mais importa: ter os recursos certos no local será crucial para permitir que as empresas aproveitem as velocidades, a latência e a cobertura aprimoradas. 

E até a chegada do 5G no Brasil, as organizações já podem começar a ter os talentos certos a partir de hoje para garantir que estejam perfeitamente posicionados para usar as redes da quinta geração para impulsionar seus negócios.

O 5G deverá trazer desafios no ambiente de trabalho

Juntamente com os seus benefícios potenciais, o 5G também abre algumas novas preocupações no local de trabalho. Nos próximos anos, novos dispositivos, aplicativos e sistemas operacionais aparecerão em um ritmo cada vez mais rápido. 

Neste novo mundo, o maior desafio será o BYOD (Bring Your Device, quando os colaboradores usam seus próprios dispositivos na empresa). O que todos estarão discutindo é: posso confiar neste dispositivo na minha rede ou ele terá o potencial de atrapalhar meu negócio?

O 5G também poderia criar um desafio financeiro novo e incômodo para empresas que cobrem rotineiramente os custos da rede móvel para seus usuários BYOD. Ele será mais caro, e isso pode levar a uma reavaliação de como essa despesa deve ser coberta pelo empregador.

Uma abordagem “preditiva” de segurança deverá ser adotada com o 5G

A chegada do 5G no Brasil também levanta a necessidade de medidas de segurança ainda mais fortes. Não há dúvida de que a tecnologia aumenta a superfície de ataque porque permitirá/apoiará novos serviços. Haverá muitas outras maneiras para os cibercriminosos entrarem em redes corporativas.

Os especialistas no assunto sugerem adotar uma abordagem “preditiva” para a segurança 5G. Assim como as operações foram uma reflexão tardia para o desenvolvimento, levando a um mundo de DevOps, a segurança deve ser a pauta ao mesmo tempo em que uma nova ideia está sendo discutida. Todos devem trabalhar em colaboração para resolver o maior problema enfrentado pelo sucesso da inovação em um mundo de 5G: a segurança da informação.

A antecipação ao 5G requer parcerias com especialistas

Outro ponto importante. Hoje em dia, já é difícil para as empresas gerenciar os tíquetes de serviços do dia a dia, e muito mais preparar redes para tirar proveito de tecnologias totalmente novas. 

Mas não se engane: o 5G vale a pena. E se preparar para ele significará algum investimento inicial em tempo e recursos. 

Para empresas que reconhecem a importância de se antecipar ao 5G, mas não querem realocar recursos internos que já podem ser dispersos, faz muito sentido fazer parceria com um especialista experiente em gerenciamento de redes, por exemplo.

Etapas acionáveis ​​para preparar sua empresa para o 5G no Brasil

Por fim, simplesmente esperar que as operadoras implantem suas redes 5G não será suficiente. As empresas devem adotar medidas proativas para garantir que, quando as redes finalmente estiverem online, estejam preparadas para aproveitar tudo o que elas têm a oferecer.

Aqui estão três etapas que, de acordo com diversos especialistas, devem ser atravessadas pelas organizações interessadas em tirar máximo proveito do 5G:

  1. Examine a missão e os objetivos da sua organização e comece a considerar o que você faria se não estivesse preso por fios, largura de banda lenta ou latência. Sua estratégia 5G deve incluir metas de desenvolvimento de curto, médio e longo prazo, abrindo espaço para novos casos de uso e dispositivos e equipamentos que ainda não foram desenvolvidos;
  2. Entenda onde sua rede está agora fazendo uma auditoria. Determine o que você precisa fazer para otimizar sua estratégia 5G antes que essa tecnologia seja disponibilizada;
  3. Envolva-se em discussões com provedores sobre como eles podem fornecer os serviços que você espera precisar quando chegar a hora.

Para saber mais detalhes sobre o 5G no Brasil e como se preparar para usufruir dessa tecnologia, baixe agora mesmo nosso e-book 5G: O grande salto de conectividade, clicando no link abaixo. 

Voltar