10/23/2019
By
MJV Team

Startups: como fazer sua organização pensar como elas

As startups geralmente são pequenas e inicialmente financiadas e operadas por um punhado de fundadores ou por apenas um indivíduo.

Elas oferecem produtos ou serviços inovadores! E por isso, muitas vezes, são love brands, arrastando multidões de fãs. 

Todas as grandes corporações da chamada “nova economia”, aquela baseada em tecnologias digitais e informação, começaram como startup. E isso tem feito organizações tradicionais se perguntarem o que as startups têm que nós não temos.

É sobre isso que vamos refletir nesse artigo. 

Continue lendo para entender como pensam as startups, por que sua empresa deveria pensar como elas e como você pode fazer isso!

A diferença entre startups e pequena ou média empresa

Startups são criadas para procurar e validar um modelo de negócios escalável que tenha grande impacto no mercado. 

Os aspectos de inovação, disrupção e escalabilidade de uma startup são os motivos pelos quais elas são diferentes e não podem ser tratadas ou construídas como uma pequena ou média empresa (PME).

As PMEs são criadas para gerar lucros e garantir participação no mercado local. Embora as PMEs também tenham o potencial de se transformar em grandes empresas, a força motriz por trás de seu crescimento é a expansão nacional e internacional por meio de equipes maiores, fornecimento, fabricação e canais de distribuição.

Para as startups, a tecnologia é um facilitador e é também a razão para  escalar tão rapidamente, mesmo com um modelo de negócios que opera em ambientes de extrema incerteza e uma proporção bem menor de colaboradores do que de consumidores, diferentemente das PMEs. 

Por exemplo, contadores públicos certificados administram uma pequena empresa e o núcleo de seu serviço é fornecido por eles ou por sua equipe. Embora a tecnologia os ajude a fazer seu trabalho ou economizar tempo em tarefas repetitivas, eles não podem atender a um cliente sem investir tempo para revisar e concluir suas declarações fiscais.

Por outro lado, startups como a TurboTax criaram uma plataforma escalável que permite atender centenas de milhares de pessoas sem precisar do mesmo número de provedores de serviços.

Um modelo de negócios escalável impulsionado pela tecnologia permitiu que essa startup crescesse exponencialmente em um ritmo que uma empresa pequena ou média não pode igualar sem investir muitos recursos.

Como pensam as startups

Além de entender essas diferenças concretas, também é muito importante refletir sobre o chamado “startup mindset”, ou, em bom português, a mentalidade das startups. Sim, a forma como as startups são pensadas — e como os líderes de startups pensam — é consideravelmente diferente das empresas “tradicionais”.

Mesmo grandes corporações têm voltado suas atenções para essa mentalidade, sobretudo em seus esforços para inovar. Elas também buscam lidar melhor com a dinamicidade de um mercado sempre ávido por novidades, e, principalmente, querem ser tão competitivas quanto as startups. 

Aqui estão alguns dos destaques desse jeito peculiar que as startups têm de pensar:  

Startups aproveitam os recursos existentes

Metodologias de desenvolvimento enxutas e ágeis envolvem a implementação de um processo que acontece por etapas. Ele começa validando as necessidades e expectativas do cliente qualitativamente por meio de entrevistas. Versões pequenas e rápidas de produtos são testadas quantitativa e continuamente. Não há espaço para investir quantidades significativas de tempo e dinheiro criando um produto avançado que ninguém precisa ou quer usá-lo da maneira como foi originalmente planejado.

Vendem primeiro, constroem depois

Fundadores minimizam significativamente o risco do negócio, já que eles constroem em resposta à demanda, com maior certeza do retorno. Embora o produto possa, posteriormente, não atender às expectativas do comprador, seu valor pode ser validado rapidamente com os compromissos financeiros. Não importa o produto, várias campanhas de marketing ajudam a executar uma estratégia de pré-venda.

Trabalham de maneira criativa e colaborativa

Elas obtêm sucesso ou fracassam com base na agitação das indústrias, desenvolvendo novas ideias revolucionárias ou criando revisões inovadoras de ideias anteriores. Um aspecto fundamental da capacidade de fazer isso é a curiosidade. Líderes de startups estão constantemente fazendo perguntas: Por quê? O que poderia ser melhor? Por que não dessa maneira? Por que ficar com o status quo? E sabem que não podem fazer tudo sozinhos, então colaboram, unem forças com outras startups ou agentes externos aos seus negócios (universidades, profissionais liberais, pesquisadores independentes etc.).

Movem-se rapidamente

Trabalham sua capacidade de se mover rapidamente, repetindo projetos de produtos, testando novas ideias e adaptando-se à circunstâncias em constante mudança.

Não têm medo de errar ou erram rápido para acertar logo

A dinâmica de estar em constante construção faz com que o medo do erro (e os prejuízos causados por eles) seja menor; tentativa, erro, nova tentativa e acerto é um looping constante, o que torna o aprendizado acelerado e construtivo.

5 passos para pensar e inovar como uma startup

Confira, a seguir, alguns passos fundamentais para levar o seu negócio a pensar e a inovar como as startups. 

1. Crie espaço para incubar novas ideias

Startups de sucesso são o culminar de centenas de milhares de horas de tentativa e erro. Das vendas ao desenvolvimento de produtos e atendimento ao cliente, essas organizações usam o fracasso para aprender e melhorar suas ofertas como resultado. 

Grandes organizações têm a reputação de fazer exatamente o oposto; elas recompensam tomando o caminho seguro em oposição à estrada com maior recompensa potencial. Elas disciplinam os erros em vez de institucionalizar o que é aprendido.

Empresas que querem ser mais como startups precisam dar a seus funcionários a chance de falhar com segurança. Isso pode ser tão simples quanto permitir que os vendedores experimentem suas próprias técnicas, dando-lhes tempo para compartilhar o que funcionou e o que não, ou poderia ser tão profundo quanto criar uma incubadora completa. 

Independentemente da escala, certifique-se de ajudar os funcionários a aprender fazendo. Essa é a única maneira de fazer uma mudança real.

2. Recrute e cultive talentos 

Pergunte a qualquer funcionário em uma startup de sucesso qual é a parte favorita do trabalho deles, e eles dirão que são as pessoas com quem trabalham. 

Por serem tão pequenas, as startups sentem a força de cada adição na sua equipe, tanto boas quanto ruins. 

As pessoas não deixam o emprego, elas deixam maus chefes e colegas de trabalho. As startups acreditam nisso e só contratam pessoas que melhorem toda a equipe.

Enquanto procura as melhores pessoas, não fique muito preso a encontrar a pessoa com mais experiência. 

Às vezes, contratar generalistas eficazes e fazê-los descobrir pode ser mais eficiente em situações de ambiguidade ou incerteza. 

3. Conecte tomadores de decisão com influenciadores

Em startups menores, os tomadores de decisão estão no escritório diariamente e podem modelar comportamentos situacionais apropriados.

Em organizações maiores, é mais difícil influenciar o grupo dessa maneira, pois há muitas pessoas trabalhando em diversas coisas em todos os lugares. 

Saber quem são os influenciadores da sua organização é fundamental. Essas pessoas definem o tom cultural, têm os dedos no pulso da organização e podem ajudar ou atrapalhar cada nova iniciativa. 

Sempre tenha essas pessoas na discagem rápida e sua empresa se sentirá muito mais compacta e o diálogo construtivo fluirá melhor.

4. Abra-se para a participação externa

Não dá para pensar e agir como uma startup, se o negócio for totalmente fechado à participação e à contribuição externa. Trabalhar com os princípios da Inovação Aberta, por exemplo, fará com que o fluxo de novas ideias de fato aconteça.

Como uma startup, é interessante abrir o processos de ideação e prototipação de produtos, serviços e processos para a colaboração de clientes, fornecedores, fãs da marca, etc. A parceria com entidades como universidades e consultorias também é importante. 

5. Busque ajuda especializada

Por fim, se você quer mergulhar nesse universo, rápido e exponencial, mas não sabe como , não se desespere. Existem empresas que podem guiar seu planejamento, e você pode contratar seus serviços.

Nós da MJV, trabalhamos para potencializar o poder criador de nossos clientes. E temos diversos cases de sucesso em projetos de transformação do pensamento tradicional para a abordagem mais orientada a startups. Fale conosco e veja como podemos ajudá-lo!

Curtiu o assunto? Aproveite também nosso Palestra Mundo das Startups e Inovação Aberta.

Voltar