Fique por dentro! Assine nossa newsletter

05/06/2016
Por
MJV Team

Design Thinking para equipes: Matriz de Posicionamento

Como você sabe, nosso blog traz informação úteis àqueles que querem implementar o Design Thinking nos negócios. Por isso, divulgamos periodicamente ferramentas para todas as fases do DT. Hoje, você vai conhecer a Matriz de Posicionamento.

Para a etapa de Ideação, há uma série de ferramentas que já apresentamos, tais como Brainstorming e Workshop de Cocriação. Mas é para avaliar essas ideias é que usamos a Matriz de Posicionamento, que você aprende a aplicar nesse post.

Vamos mostrar alguns exemplos práticos de aplicação dessa ferramenta às equipes que precisam analisar ideias geradas para resolver um determinado desafio.

O que é a Matriz de Posicionamento?

É uma ferramenta de análise estratégica das ideias geradas, utilizada na validação destas em relação aos Critérios Norteadores, bem como às necessidades das Personas criadas no projeto. O objetivo deste recurso é apoiar o processo de decisão, a partir da comunicação eficiente dos benefícios e desafios de cada solução, de modo que as ideias mais estratégicas sejam selecionadas para serem prototipadas.

Quando criar a Matriz?

Em reuniões entre a equipe de projeto e os contratantes, como material de apoio para a avaliação das ideias e para a tomada de decisão dos próximos passos. Como se faz:

– Listam-se as ideias geradas no projeto, podendo haver um agrupamento por semelhança ou, no caso de um volume muito grande, uma seleção prévia.

– Em seguida, cruzam-se os Critérios Norteadores e/ ou as Personas criados ao longo do projeto de maneira a formar-se uma matriz que é preenchida colaborativamente, avaliando como cada ideia atende cada requisito.

Exemplos

Confira agora dois exemplos práticos de aplicação desta ferramenta para uma melhor hierarquização de ideias geradas:

#1 Selecionando ideias de seguros para comercialização por celular

Exemplo prático de matriz de posicionamento

No contexto da criação de modalidades de microsseguros para serem comercializados por celular, as seis ideias finais, refinadas após o Workshop de Cocriação com os funcionários da empresa contratante, foram cruzadas com os Critérios Norteadores, gerando uma pontuação de aderência ao escopo e às Personas.

Para que criamos a Matriz

Desta forma, foi possível avaliar sua aceitação junto ao público-alvo do serviço, auxiliando na tomada de decisão quanto às ideias mais indicadas para serem implementadas.

Uma Matriz de Posicionamento é uma ferramenta de Design que auxilia na reflexão e escolha das ideias mais aptas ao desafio focalizado.

 

#2 Analisando ideias para inovação em caixas eletrônicos

Ao longo de um projeto para inovar caixas eletrônicos, foram identificadas, a partir da análise das Pesquisas Desk e em Profundidade, grandes áreas de oportunidade que fomentaram a geração de ideias. Com isso, fez-se necessária uma análise que identificou alguns critérios de avaliação. São eles:

1. A área de oportunidade à qual a ideia pertencia, ou seja, se  tratava de educação, gamificação, personalização, dentre outras;

2. Em qual tipo de interface (espacial, do objeto e digital) a ideia se inseria;

3. O nível de incidência do assunto da ideia nas histórias coletadas das pesquisas de campo, ou seja, sua aderência ao contexto do usuário;

4. Em que grau de inovação perante o mercado a ideia se enquadrava.

Esses critérios foram posicionados em linhas de uma matriz e cruzados com as ideias de forma a avaliá-las. O resultado foi usado como base para a formulação de recomendações que orientassem sua implantação.

Entre as ideias recomendadas, houve ainda as que foram classificadas como passíveis de priorização para implantação, devido à identificação clara do potencial de retorno para o banco sob diversos aspectos, principalmente o de possibilitar uma grande exposição para o mercado devido ao seu nível de inovação.

Matriz Retorno x Inovação

Exemplo de matriz de retorno x inovação

A partir da análise de todas as ideias geradas, as mais recomendadas foram inseridas em uma segunda matriz, guiada pelos seguintes eixos: grau de inovação e nível de retorno. O eixo horizontal, grau de inovação, foi criado a partir dos indicadores identificados ao longo do projeto:

  • As “essenciais” eram as funcionalidades que já são oferecidas por concorrentes ou que se enquadram em tendências muito presentes de acordo com a análise do mercado.
  • A classificação “desejável”, por sua vez, foi aplicada às ideias que tiveram um alto índice de demanda explicitado pelos usuários na pesquisa de campo.
  • As ideias que seguem tendências novas, de outros segmentos, e que o mercado ainda não está praticando foram consideradas “fora da caixa” por serem inovações genuínas, que têm grande potencial para gerar um impacto para a marca do banco no momento da sua implementação.
  • Já no eixo do nível de retorno, a mensuração foi realizada a partir do nível de incidência dos seguintes critérios de retorno em cada ideia: “diminui a fila do ATM”, “diminui a fila do caixa”, “encanta o cliente”, “facilita o uso do ATM”, “reduz a sensação de insegurança”, “agrega valor à marca”, “reduz reclamações”, “reduz custos com correções de erros” e “reduz custos com operações”.

Objetivo

A referida matriz cumpriu com o objetivo de facilitar a visualização das ideias recomendadas, a partir do seu nível de retorno e do grau de inovação a que cada uma atendia, para servir como auxílio à seleção de ideias a serem implementadas.

E você, consegue visualizar de que forma a Matriz de Posicionamento pode auxiliar sua equipe num contexto de projeto?

Acesso ao livro Design Thinking

Voltar

Fique por dentro! Assine nossa newsletter