Fique por dentro! Assine nossa newsletter

09/21/2017
Por
MJV Team

Inovação no setor da saúde melhora a experiência do usuário

Nos últimos anos, hospitais têm se tornado cada vez mais adaptativos e inovadores, investindo em tecnologias como: Telemedicina, Nanomedicina, Wearable, entre outros. Além de contribuir para a eficiência dos procedimentos médicos, estes recursos agregam valor ao paciente, melhoram o desempenho dos serviços de saúde e trazem impacto positivo para o desenvolvimento econômico do setor.

A utilização de tecnologias inovadoras no setor da Saúde pode contribuir de diferentes formas  para a experiência do paciente. Através da Telemedicina, por exemplo, moradores de áreas remotas podem receber atendimento médico. Com o uso de dispositivos wearable de mobile health, é possível fazer o monitoramento da própria saúde, entre outras vantagens. O campo da saúde está se transformando, assim como a qualidade de vida do usuário.

Cresce o debate sobre a importância da inovação na saúde

A discussão acerca dos avanços tecnológicos na saúde tem crescido consideravelmente entre pesquisadores e profissionais da área. Pensar inovação tecnológica na saúde é analisar seus desafios e oportunidades, com foco no aumento da produtividade, mas principalmente, nos benefícios que podem ser proporcionados ao paciente.

Temas como o uso de big data no setor, aparelhos e medicamentos do amanhã e administração de custos e qualidades são frequentes em veículos de comunicação, publicações especializadas e até em eventos específicos, como o  Summit Saúde Brasil, em São Paulo, que aconteceu este ano, em São Paulo.

Um dos destaques feitos pelos especialistas da conferência é a necessidade de, num futuro próximo, unir esses avanços com a otimização de recursos e o amplo acesso e interação da população. “Quando você pensa no futuro, fala de personalização. Já é realidade: você faz um teste, detecta mutações que tem e consegue individualizar o tratamento. Esse é o futuro da medicina” afirmou Rolf Hoenger, presidente da Roche Farma Brasil, em entrevista ao Estadão.

Tendências tecnológicas na área da saúde

A inovação nesse setor pode representar tanto a busca de melhorias para a redução de custos como a adoção de novas tecnologias, ambos impactando na experiência do paciente com relação ao serviço médico. No atual contexto de crise econômica, uma alternativa é, por exemplo, a informatização da logística para o deslocamento de remédios e insumos em hospitais; de estratégias de gamificação, como o lançamento de aplicativos, para engajar os usuários a buscarem atendimento promovendo maior interação com os médicos; entre outras propostas que visam a redução do risco de erros e a diminuição de desperdícios.

No que se refere às tendências tecnológicas de maior evidência no país, o professor Alex Lucena, do Laboratório de Engenharia de Software do Centro Técnico Científico da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RJ), em entrevista à EBC, destaca: Telemedicina; “Mobile health” ou “m-health”; prontuários eletrônicos; big data/analytics (dados); e Internet das Coisas (IoT). Segundo ele, a tecnologia tem afetado a área da saúde “fazendo com que as pessoas vivam mais tempo, com mais qualidade, melhorando a relação com os cuidados que se tem e os diversos atores, como hospitais, laboratórios e clínicas”.

A seguir, entenda quais são essas tecnologias e de que forma beneficiam os pacientes:

Telemedicina

Abrange toda a prática médica realizada à distância através de instrumentos digitais como computadores, vídeos conferências, celulares e até robôs. A Telemedicina é fundamental para aqueles que moram em áreas de difícil acesso a serviços de saúde, geralmente disponíveis em maior número nos grandes centros urbanos.

Mobile health 

União entre saúde e dispositivos móveis, geralmente aplicativos. O m-health visa a diminuição de barreiras entre os serviços de saúde e a população por meio da tecnologia. Além de facilitar, por exemplo, o agendamento de consultas, permite ao próprio usuário monitorar a sua saúde.

Prontuários eletrônicos 

É um modelo de prontuário médico digital padronizado, uma alternativa ao armazenamento em papel. Com isso, não há a necessidade do usuário se deslocar para ter acesso às informações, podendo obter do seu próprio celular ou outro dispositivo digital.

Analytics (dados)

Conceito de análise estatística dos dados que envolve modelagem preditiva, data mining (mineração dos dados) e forecasting (previsão). Tem como principais vantagens a melhoria nos cuidados dos pacientes, na monitoração da saúde digital, na transparência dos subsídios governamentais, a redução de desperdícios e custos e a pesquisa e desenvolvimento da indústria farmacêutica.

Internet das Coisas

Refere-se à conexão de todos os tipos de dispositivos que possam coletar, transmitir e compartilhar dados na internet. Contribui no diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças de forma mais eficiente.

Wearables

São dispositivos que podem ser facilmente acoplados ao nosso corpo (como pulseiras, relógios etc). Possuem hardwares que utilizam tecnologias que captam dados e melhoram a experiência do usuário em diferentes aspectos.

Nanomedicina 

É a junção da Medicina e da Nanotecnologia. Consiste em usar nanopartículas, nanorrobôs e outros elementos em escala nanométrica para curar, diagnosticar ou prevenir doenças.

Interessado em conhecer cases de inovação tecnológica utilizadas no setor da Saúde? Faça o download do ebook abaixo!Acesso ao e-book de tendências hospitalares

Voltar

Fique por dentro! Assine nossa newsletter