Compartilhar:

Categorias:

5 min read

Inovação Aberta: o que é, quais tipos e benefícios

Poderíamos resumir a inovação aberta como o uso de fluxos de entrada e saída de conhecimento para acelerar a inovação interna e expandir os mercados.


Abrir a mente. Ampliar os horizontes. Pensar fora da caixa. Já reparou como estamos sempre em busca de expansão? Com as empresas não poderia ser diferente. E se não houvesse limites ou paredes também para as corporações? É aí que entra a inovação aberta.

Vamos pensar, nem todas empresas têm ao alcance ou dominam metodologias, ferramentas, tecnologia e infraestrutura para novas criações e tantas outras iniciativas inovadoras.

O que impede que o caminho rumo à inovação seja trilhado fora dos limites das empresas? A ideia da inovação aberta é trabalhar em conjunto com outras pessoas, times ou empresas.

Buscar soluções dentro e fora das corporações permite que novas ideias possam contribuir para a criação e desenvolvimento de projetos, com maior valor e destaque no mercado.

Continue lendo para entender em profundidade o que é inovação aberta e como ela pode ser usada no seu negócio!

O que é inovação aberta?

Inovação aberta é um conceito proposto pelo pesquisador Henry Chesbrough, em seu livro Open Innovation: The New Imperative for Creating And Profiting from Technology (Harvard Business School Press – 2003).

Não é atoa que a inovação é aberta, significa que os limites das empresas são expandidos, tornando acessível a troca de informações e recursos entre colaboradores internos e agentes externos.

A ideia é pensar em conjunto processos, pesquisas, protótipos, entre outros, a fim de melhorar o desenvolvimento de produtos e serviços. O objetivo não poderia ser melhor: promover melhores soluções para seus clientes, aumentar a eficiência e agregar valor.

Poderíamos, assim, resumir a inovação aberta como o uso de fluxos de entrada e saída de conhecimento para acelerar a inovação interna e expandir os mercados.

E a inovação fechada?

O contraponto diz respeito às empresas de inovação fechada, que inovam usando apenas recursos internos. Nelas, as ideias são avaliadas e apenas as melhores e mais promissoras são selecionadas para desenvolvimento e comercialização. As que mostram menos potencial são abandonadas.

Logo, a diferença é que, no caso de inovação fechada, as ideias, invenções, investigações e desenvolvimentos necessários para colocar um produto no mercado são gerados única e exclusivamente com esforços internos.

Ao aplicar o sistema de inovação aberta, a empresa pode usar recursos externos como tecnologia e parcerias com startups e universidades e, ao mesmo tempo, disponibilizar suas próprias criações para outras organizações.

Sob o paradigma da inovação aberta, há um importante fluxo de conhecimento externo para a organização que se transforma em projetos colaborativos e provoca a compra e a incorporação de tecnologias criadas por terceiros.

Ao mesmo tempo, as inovações geradas dentro da empresa podem ser vendidas como tecnologia e/ou propriedade industrial, uma vez que elas não são aplicáveis somente em seu modelo de negócios — ou porque a empresa não tem capacidade ou experiência para desenvolver a invenção.

Os 3 tipos de open innovation

Podemos categorizar ao menos três tipos de inovação aberta. São eles: inbound, outbound e coupled. 

Confira, a seguir, um detalhamento melhor de cada um deles.

1. Inbound

O termo inglês inbound open innovation refere-se a um tipo de inovação que acontece quando uma empresa se apropria de uma ideia inovadora criada por outras entidades, para que seja transformada por meio do seu próprio processo de inovação, de forma a gerar valor para si.

Geralmente isso acontece com a incorporação de tecnologias desenvolvidas por outras companhias. Por exemplo, um aplicativo criado por uma startup pode transformar o atendimento ao cliente de um banco.

2. Outbound

O termo outbound open innovation diz respeito a um tipo de inovação que acontece quando uma empresa desenvolve um ativo derivado do seu processo de inovação e o disponibiliza para parceiros externos, com o objetivo de desenvolvê-lo e/ou comercializá-lo.

Um exemplo disso é quando uma empresa cria um produto ou serviço e o cede para que um parceiro comercial insira melhorias ou mesmo quando é firmado um acordo comercial, com incremento da companhia parceira ou simplesmente como canal de distribuição.

3. Coupled

coupled open innovation é um termo que descreve um tipo de inovação que é resultado da união de duas ou mais empresas. Esse “casamento” se dá com o objetivo de gerar ideias inovadoras em conjunto, de forma que o grupo possa explorar individualmente os ativos resultantes.

Acesse grátis

Open Innovation: A Revolução da Inovação

Os benefícios da inovação aberta

Há claras vantagens de se abrir o processo de inovação. Elas podem ser resumidos da seguinte forma:

  • Redução no tempo e custo de projetos de inovação;
  • Incorporação de soluções e inovações na forma de ideias, patentes, produtos e tecnologias que nunca teriam sido geradas pela empresa devido à falta de tempo, conhecimento e recursos tecnológicos;
  • Acesso a mercados onde parceiros são mais ativos e a empresa tem participação limitada;
  • Adaptação da base de conhecimento, de acordo com as mudanças do mercado;
  • Novas oportunidades comerciais através de atividades de P&D não exploradas internamente;
  • Comercialização de invenções que, por falta de capacidade ou por razões estratégicas, não podem ser colocadas no mercado pela empresa proprietária.

A busca por inovação fora dos limites da empresa e o acesso às tecnologias e soluções semi prontas fazem com que os custos de investimento em pesquisa e desenvolvimento, bem como o risco de algo dar errado, sejam reduzidos.

Segundo o próprio professor Henry Chesbrough escreveu em um artigo na revista Forbes, “a inovação aberta é uma forma mais lucrativa de inovar, porque pode reduzir custos, acelerar o tempo de comercialização, aumentar a diferenciação no mercado e criar novos fluxos de receita para a empresa”.

→ Leia também: Como a MJV trabalha o processo de inovação?

A inovação aberta não é antagonista da inovação fechada — uma conclusão

Como você viu, o conceito de inovação aberta pressupõe a busca da inovação para além das fronteiras da empresa, utilizando-se de recursos externos para encontrar respostas para desafios de negócio, trazendo diversos benefícios para a organização.

Por fim, acrescentamos que a inovação aberta deve ser vista como complementar ao que já é realizado internamente. Ela vem para abrir os horizontes das organizações, proporcionar mais meios de seguir se desenvolvendo e competindo em um mercado que exige cada vez mais inventividade e disrupção.

Aqui na MJV, nós aplicamos diversas metodologias, ferramentas e abordagens para a realização dos projetos de open innovation Design Thinking, Lean Startup/UX, Design e Agile Sprints, Digital Marketing, Hackathons etc. Entendemos que as diversas etapas do processo de inovação aberta demandam diferentes estratégias para atingir os resultados esperados e, por isso, esse know-how é aplicado de forma específica em cada uma delas.

Você entendeu o que é inovação aberta? Para se aprofundar ainda mais neste assunto, baixe agora mesmo o nosso e-book “Open Innovation: A Revolução da Inovação”!

Voltar