Fique por dentro! Assine nossa newsletter

02/01/2021
Por
MJV Team

Índice de Sustentabilidade Empresarial: esteja preparado para a economia sustentável

O mundo está com os olhos voltados diretamente para a saúde. E quando falamos em saúde temos a tendência de pensar somente nos seres humanos. Porém, a sustentabilidade também faz parte desse pacote quando pensamos na saúde do planeta como um todo – assunto que o coronavírus colocou rapidamente nas agendas das empresas.

Ser sustentável não é mais um diferencial. É uma obrigação. O tema foi rapidamente adicionado às boas práticas das corporações. E se colocarmos em perspectivas consumidores muito mais conscientes de suas escolhas, é um assunto crucial para as companhias que desejam sobreviver. 

Mais do que nunca, é preciso estar preparado para uma economia sustentável – seja em qual setor da indústria você estiver. Confira esse artigo para saber como preparar sua empresa para esse novo mindset!

O que é o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE)?

A sustentabilidade corporativa não é bem uma novidade. Desde 2005, a bolsa de valores oficial do Brasil (B3) seleciona empresas reconhecidas em boas práticas de sustentabilidade para integrarem a carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE).

No ISE, é feito um ranking das 200 ações mais líquidas realizadas no ano anterior, levando em conta empresas que respeitam os critérios ESG (acrônimo dos termos ambiental, social e governança).

Essa iniciativa é pioneira na América Latina e busca criar, dessa forma, um ambiente de investimento compatível com as demandas de desenvolvimento sustentável da sociedade contemporânea e estimular a responsabilidade ética das empresas.

O ISE traça uma análise comparativa da performance das empresas listadas na B3 sob os seguintes aspectos:

  • →Eficiência econômica
  • →Equilíbrio ambiental
  • →Justiça social
  • →Governança corporativa

Para as empresas que querem, de fato, se comprometer com a questão da sustentabilidade, o ISE amplia o entendimento sobre esse quesito e as diferencia em termos de: 

  • →Qualidade
  • →Nível de compromisso com o desenvolvimento sustentável
  • →Equidade
  • →Transparência e prestação de contas
  • →Natureza do produto
  • Desempenho empresarial nas dimensões econômico-financeira, social, ambiental e mudança do clima

Segundo o portal do ISE, sua missão é apoiar os investidores na tomada de decisão de investimentos socialmente responsáveis e induzir as empresas a adotarem as melhores práticas de sustentabilidade empresarial.

Por que essa é uma nova demanda do mercado?

Veja: o ISE nada mais é do que uma ferramenta que indica aos investidores quais empresas estão de acordo com as boas práticas do mercado e com reconhecido comprometimento com a responsabilidade social e sustentabilidade empresarial.

A partir disso, certamente você já consegue entender o porquê dessa ser uma demanda importante para as corporações que buscam se destacar no mercado. É uma demanda que vem diretamente dos investidores.

Boas práticas ambientais, sociais e de governança corporativa estão em alta na economia e têm provocado um movimento de mudança nas empresas ao redor do mundo. E esse movimento traz um novo entendimento sobre desenvolvimento econômico.

Hoje, é sabido que não se pode mais dissociar desenvolvimento econômico eficaz, bem-estar da sociedade e preservação dos ecossistemas e recursos naturais. E é nas empresas que respeitam, investem e acreditam verdadeiramente nisso que os investidores do mundo todo vão escolher para depositar seus montantes. 

E se você acha que estamos falando de empresas ecológicas, ongs e investidores naturebas que abraçam árvores, pode ir apagando esse estereótipo da sua cabeça. 

Aqui, estamos falando de Larry Fink, CEO da BlakRock, a maior gestora de recursos do mundo. E de mais 181 CEOs de grandes empresas americanas que, junto com Fink, assumiram um compromisso público com todos os seus stakeholders e a favor da sustentabilidade

Dias depois, 230 influentes investidores assinaram um manifesto pedindo ações corporativas contra o desmatamento e pelo desenvolvimento sustentável. Só eles, representam cerca de 16,2 trilhões de dólares em ativos. Definitivamente, não é pouca coisa.

Imaginamos que a pergunta que dá nome a esse tópico ou, ainda, “por que incorporar a sustentabilidade nas estratégias de negócio?”, a essa altura, parece já ter ficado para trás, não é? 

Quais empresas compõem o ISE B3? 

Em dezembro de 2020, a B3 anunciou a 16ª carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE B3). Essa carteira está em vigor desde o dia 4 de janeiro e irá até o dia 30 dezembro de 2021.

A carteira reúne

Juntando esses 3 itens, as companhias somam 

Que empresas são essas? Você já deve ter alguns nomes pipocando na sua cabeça, certo? Nós, por aqui, temos orgulho de ter algumas como nossas clientes e parceiras. 

O que essas empresas têm em comum? Construção de marca, posicionamento, propósito e valores. Tudo isso significa negócios. Ou melhor, valor para o negócio. 

Quer saber como guiar essa transformação na sua empresa? Baixe nosso ebook “Branding Means Business” e entenda. 

Acesse grátis

Branding Means Business

Uma dica? Não tem como fugir disso no tal do novo normal.

Como tecnologia e inovação auxiliam nesse processo? 

Steve Jobs cravou a seguinte frase:

“Inovação é o que distingue um líder de um seguidor.”

Aqui na MJV, nós acreditamos que ela fala muito sobre como inovação e tecnologia precisam sempre caminhar de mãos dadas. Somente através desse casamento e do equilíbrio entre as duas é possível desenvolver as disrupções que o mercado está pedindo cada vez mais.

E aqui falamos de várias transformações: novas relações de trabalho, novas tecnologias, novos hábitos de consumo, novos planejamentos estratégicos e novos modelos de negócio que abarquem as iniciativas sustentáveis. É urgente olhar para isso com um olhar cuidadoso e carinhoso. 

O fato é que há uma nova agenda vigente e sua prioridade é repensar modelos para descobrir onde estão as melhores oportunidades para dar continuidade aos negócios. 

Nesse processo de transição, em que o novo ainda não está pronto e o velho não funciona mais, trazemos um pequeno spoiler: há muitas oportunidades além do core business. E essa é uma boa hora para olhar isso. 

Mas lembre-se: autenticidade e transparência são os novos pilares dos novos tempos. Já não basta parecer, é preciso ser. É preciso construir uma marca e não uma corporação. 

Nesse sentido, é urgente que as empresas estejam realmente conectadas com um propósito. E ele precisa pulsar em tudo que a sua companhia faz e fala. Clientes apaixonados se tornam advogados da marca e ela passa a ter lugar cativo em seu coração. E essa é uma meta que todas as corporações do mundo querem alcançar nesse momento. 

Quer entender melhor como a tecnologia e a inovação podem te ajudar? Ou dar um deep dive em economia sustentável? Acesse nossa biblioteca e confira nossos conteúdos!

Voltar

Fique por dentro! Assine nossa newsletter