Fique por dentro! Assine nossa newsletter

12/02/2020
Por
MJV Team

Inteligência de mercado: em que áreas estão os dados que você pode extrair

No mundo dos negócios, o conhecimento é o principal ativo para decodificar o comportamento do usuário, empoderar tomada de decisão e oportunizar novos mercados de forma mais eficiente e econômica.

A pandemia provocou uma tsunami na impressão digital no Brasil e no mundo. Em paralelo, o grau de competitividade empresarial nunca esteve tão acirrado.

Esse cenário explica a busca das organizações por lapidar a vastidão de dados disponíveis para gerar conhecimento e se diferenciar dos competidores.

Segundo um levantamento da bolsa de valores, 8 das 10 maiores empresas transacionadas no mercado financeiro em 2018 são relacionadas com análise de dados e abordagens afins!

Hoje, 2 anos depois, fica um questionamento crucial: Em um mercado cada vez mais competitivo e digital, o que sua empresa poderia alcançar se tivesse investido em Inteligência de Mercado há 8 meses atrás?

A resposta é bastante expansiva, pois quando os dados são utilizados de forma adequada e estratégica, se tornam verdadeiros motores de crescimento exponencial!

Mas, ok, por onde e como se dá o processo de capturar matéria prima para modelar em conhecimento?

Bem, antes de tudo, entenda a seguir o fluxo que transpassa desde a extração de dados até a geração de valor de negócio:

  • Dados: Em estágio de matéria prima, é a informação quando ainda não está tratada. Os dados podem ter um ou mais sentido que isoladamente não transmitem uma mensagem significativa ou representam conhecimento.
  • Informação: Nesta fase, os dados já foram refinados e tratados. O resultado desse processamento descortina informação e gera valor para apoiar a tomada de decisão dos negócios (bem como gerar insights, classificações e segmentações).
  • Conhecimento: Por fim, o conhecimento é capaz de oferecer significado, nível de decisão e aplicação viável para o negócio (por exemplo: insumos para tangibilizar o perfil de um cliente, elaborar uma jornada do consumidor e etc).


Dessa forma, mergulhando na inteligência por trás dos dados, desvendamos o fator X que vai além das fronteiras empresariais, tornando possível otimizar resultados e gerar ações sustentáveis.

Ao horizonte deste cenário, vislumbramos tecnologias emergentes como IoT (Internet das Coisas), 5G, Big Data e Machine Learning desbravando novas aplicações em um mundo refinado em conhecimento.

Nesse artigo, vamos explicar o que é Inteligência de Mercado, a relevância deste conceito para planejamento estratégicos e como pavimentar uma estrada de longevidade, produtividade e vantagem competitiva de negócio.

Continue com a gente!

Dados são a nova fronteira do ambiente empresarial


Em um mundo hiper dinâmico, uma frase é certa: não é a empresa mais forte que sobrevive, nem a com o maior quantidade de dados disponíveis, mas sim a que é capaz de analisar e integrar insights para maximizar crescimento.

De acordo com essa premissa, o enquadramento de desafios a partir de uma visão 360º propõe o olhar para fora da organização, visando oportunidades externas que você nem sabia que eram possíveis.

Por isso, a inteligência de mercado atua para levantar pesquisas, coletar e analisar informações decisivas para orientar decisões estratégicas, táticas e operacionais. O resultado a médio prazo? Sorria, valor sistêmico para todos os departamentos.

A Era atual é regida por dois valores eminentes: precisão e agilidade. Neste contexto, as empresas deixaram de focar em criar a melhor oferta de todos os tempos para desenvolver a melhor oferta que vai de encontro à real necessidade dos clientes.

Dentre as principais vantagens dessa estratégia, destacamos:

  • Estruturar fluxos e sistemas organizacionais
  • Melhoria de processos
  • Aumento de penetração de mercado
  • Análise profunda de concorrentes
  • Clareza e alinhamento para o público interno e externo

Os dados podem ser trabalhados por áreas como Growth e Data Science, que formam uma aliança poderosa para consolidar essa iniciativa.

Vamos entender o papel de cada uma delas?

Data Science

A área de Data Science é um dos pilares fundamentais de uma companhia, com caráter multidisciplinar, possui o objetivo de armazenar e processar um grande volume de dados a partir de um processo científico.

Aqui na MJV, por exemplo, a área de Ciência de Dados opera de acordo com o seguinte workflow:

1. IT LOG

Nesse ponto de partida, é dado o acesso aos dados estruturados e não estruturados de uma organização, permitindo o primeiro contato para estudá-los.

2. Aquisição e Harmonização de Dados

Nesta fase, é realizado o atestamento da qualidade, higienização e integração para agregar a massa de dados em um banco único, promovendo uma seleção de amostra viável.

3. Imersão de dados em negócios

Nesta etapa, mergulhamos nas especificidades da amostra através de seções como descoberta, análise e validação, transformação e colaboração!

4. Bancadas de Inteligência Artificial

Em sequência, aplicamos os conhecimentos gerados em modelos de clusterização, classificação, regressão e otimização de processos!

5. Entregas orientadas a Negócios

Por fim, desdobramos resultados em diversos formatos: reports para previsões futuras, dashboards para gerenciamentos produtivos e aplicações de melhorias para padrões de negócios.

Growth


Por sua vez, a área de growth é responsável por identificar gargalos e desvendar os principais aceleradores em cada canal da empresa, visando aprimorar a inteligência de negócio e escalar resultados.

Durante o processo, são realizadas desde pesquisas de levantamento de informações sobre clientes-chave à relatórios ricos alinhado aos objetivos de negócio.

Agora, vamos esclarecer as nuances abarcadas no guarda-chuva dessa estratégia. Confira a seguir!

Inteligência de Negócios x Inteligência de Mercado: qual é a diferença?

Em linhas gerais, a inteligência de negócios atua de forma focada na geração de insights a partir de aspectos internos, bem como faturamento, ticket médio, churn rates e processos da organização.

Por outro lado, a inteligência de mercado analisa o cenário externo, realizando o apontamento da posições mercadológicas, perfis de consumo, tendências e análise de particularidades de concorrentes.

Quando combinamos essas duas frentes, é possível oferecer uma estrutura de suporte e apoio para decisões estratégicas, táticas e operacionais. Além disso, possibilitar uma visão holística de melhoria contínua para as corporações.

Aqui vai uma dica de ouro: Definir os KPIs (indicadores-chave de desempenho) ligados ao seu objetivo de negócio é uma etapa muito importante para implementar uma estratégia de sucesso. 

Promova a sinergia entre áreas de conhecimento!


Combinar diferentes áreas pode ser a articulação certa para levar a produtividade e acurácia das corporações para outro nível!

Pois, para investir em uma abordagem com riqueza de análise, é possível minerar insights únicos e valiosos de diversos setores da sua companhia: Inovação, Comercial, RH, Data Science, Growth e mais!

Por exemplo, na prática, a área de Growth pode iniciar o levantamento de dados, dando início a um processo mais robusto e pavimentando a atuação do Data Science, responsável em conjunto por filtrar, higienizar e escalar valor para impulsionar os objetivos de negócio.

DataViz: o poder da comunicação dos dados

Em uma última etapa, a visualização de dados pode construir narrativas, fortalecendo a intenção da mensagem e utilizando o design para contar boas histórias.

Afinal, além do empoderamento para tomada de decisão, o “sensemaking”, que é a etapa da criação de sentido, é gerada de forma consistente.

A aplicação desse mix de práticas corresponde ao aproveitamento ágil de oportunidades, redução de custos, melhora no time to market e promove clareza e eficiência para as companhias.

Apoiando os times internos, os dashboards podem ser ferramentas úteis. Desde a geração de novos negócios à gestão de marca, o controle e interpretação das informações podem potencializar estratégias e transformar negócios.

Além disso, aplicar técnicas de experiência do usuário (UX) é essencial para criar dashboards acessíveis e funcionais para os usuários que converterão informações em ações efetivas.

Por fim, nos ambientes externos e internos, há uma imensidão de dados esperando por você. Não desperdice essa chance, esse é o caminho para crescer e seguir rumo ao futuro!


Fale com um de nossos especialistas e saiba como a MJV está auxiliando algumas das maiores empresas do mundo a transformarem seus ambientes digitais!

Voltar

Fique por dentro! Assine nossa newsletter