Fique por dentro! Assine nossa newsletter

11/14/2014
Por
MJV Team

10 dicas para obter sucesso com um projeto de Gamificação

Se você está pensando em iniciar um projeto de Gamificação para orientar ou modificar comportamentos dos colaboradores em sua empresa, não pode perder estas 10 dicas para obter sucesso com um projeto de Gamificação, publicadas pela Incentive Research Foundation (IRF).

O documento é resultado de um estudo conduzido pelo cientista-chefe da Lithium Technologies, Dr. Michael Wu. Para facilitar a sua vida, fizemos um resumo rápido. Veja:

1. Compreenda os comportamentos que você está tentando conduzir

A produtividade não é um único comportamento humano, nem é a construção de relacionamento. Em vez disso, cada um desses resultados de alto nível é constituído por muitos tipos de comportamento específicos e detalhados. Pense em todas as diferentes atividades que as pessoas empregam para melhorar a produtividade, tais como a educação e a adoção de novas ferramentas: você deve conhecer todos esses comportamentos bem o suficiente para considerá-los no projeto de Gamificação.

2. Tenha uma plataforma analítica sofisticada para medir resultados

Depois de desenvolver uma lista de comportamentos que você quer dirigir, escolha as maneiras de controlar esses comportamentos para conseguir medi-los. Afinal, de que adianta conhecer os tipos de comportamento que levam ao sucesso, se você não pode mensurá-los (ou melhorá-los)? Embora a base da gamification seja a psicologia, e não a tecnologia, rastrear e mensurar o impacto causado por diferentes comportamentos é fundamental -, esta última pode realmente ajudar.

3. Fique atento às consequências não desejadas

Gamification muda comportamentos no mundo físico e pode afetar as pessoas. Um dos grandes perigos de premiar qualquer comportamento com um incentivo é que as pessoas tentam burlar o sistema. Outra consequência de um projeto de Gamificação é a conscientização dos comportamentos, o que pode levar à dependência excessiva, obsessiva (em casos extremos).

4 . Conheça os seus jogadores. Isto significa saber se os seus jogadores têmos seguintes fatores comportamentais subjacentes:

  1. Será que eles têm a motivação e querem mudar seu comportamento?
  2. Será que eles têm capacidade (e acesso a todos os recursos necessários) para modificar seu comportamento?
  3. Existe um gatilho que os leva a agir?

Mais importante: eles têm esses três fatores ao mesmo tempo? Só então os jogadores vão se comportar de forma confiável — da maneira que você almeja que eles se comportem.

 5. Conheça a escala de tempo efetivo da mudança de comportamento desejado

Conhecer a escala de tempo eficaz que você deseja alcançar realmente se resume a escolher a ferramenta certa para o trabalho. Gamificar o engajamento de uma campanha de marketing, por exemplo, que dura alguns meses, requer um conjunto muito diferente de ferramentas na condução de uma reunião ou de uma conferência que dura apenas alguns dias. Da mesma forma, a lealdade gerada durante anos é muito diferente de gamificar mudanças de comportamento de curto prazo.

6. Crie uma comunidade para os seus jogadores

É importante criar um senso de comunidade para a eficácia do projeto. Por exemplo, sem criar uma visão de comunidade, não é interessante criar um quadro de líderes, pois seus jogadores estarão jogando com pessoas desconhecidas ou que não estão no mesmo nível de engajamento. Consequentemente, a concorrência será menos significativa e, portanto, menos eficaz na condução do comportamento que você quer atingir ou modificar.

7. Tente criar meios para que todos possam jogar com frequência

Quer se trate de um videogame, jogo eletrônico ou jogos de tabuleiro, nem todos os jogos atingem todos os gostos. Da mesma forma, um projeto de Gamificação muitas vezes pode não apelar para todos igualmente. Consequentemente, a gama de níveis de participação na sua atividade gamificada pode variar muito.

Amarrando o jogo aos perfis comportamentais que acorrem com mais frequência, e são acessíveis a todos, você vai envolver uma parte maior do público-alvo.

8. Não gamifique uma atividade não forneça valor aos seus jogadores

Independentemente da experiência que você está gamificando, ela deve gerar algum valor real ou percebido pelos colaboradores, caso contrário os seus jogadores acabarão por perceber que estão desperdiçado muito do seu tempo, sem efetividade. Isso leva a reações de resistência, inclusive em futuros projetos.

9. Não tente consertar um produto ou serviço com Gamification

Gamificação é a cereja no topo do bolo. Se seu bolo é ruim, o gelo não vai fazer o gosto melhor. Ela pode tornar o bolo mais atraente, e muitos podem realmente dar uma mordida para experimentá-lo. Mas ao perceberem que o bolo é ruim, eles vão parar de comer e dizer aos outros para não experimentar.

10. Não construa um jogo para tentar convencer a aderência à processos existentes

Muito poucas empresas têm tentado construir jogos para que as pessoas aceitem seus sistemas corporativos e processos de fluxo de trabalho. Essas tentativas funcionam a curto prazo, mas todos elas falham, porque um jogo no topo de trabalho, geralmente não é divertido. Além disso, eles muitas vezes fazem o trabalho menos eficiente. Lembre-se que a participação nos sistemas gamificados deve ser voluntária, assim como são os jogos que as pessoas executam por entretenimento.

Leia o relatório completo do IRF aqui.

Gostou das dicas? Deixe um comentário ou faça contato e veja como o time de Gamification da MJV pode ajudar a transformar os desafios da sua empresa em soluções inovadoras!

CTA - Blog - Gamificacao

Voltar

Fique por dentro! Assine nossa newsletter